PSYCHOLOGICAL PROFILE OF THE ELITE JUNIOR JUDOIST OF BOTH GENDERS

Rui Jorge Veloso1

Fabien Pereira Silva3

Maria Isabel Caldas Januário Fragoso2

Manuel Ferreira Conceição Botelho1

Agata Cristina Marques Aranha3

 

1Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, Portugal

2Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa, Portugal

3Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal

 

Abstract

The aim of this study is to compare the psychological point of view of different groups of judokas with different levels of sports performance and identify the differences between the different categories of weight and gender, as well as compare the values found in this study variables those of similar studies values in other populations. For this study were investigated 49 junior judokas of both sexes. Most of them belonged to the national team. To investigate these variables were applied the following tests: SCAT and TEOSQ, all of these variables were analyzed using a statistical test ANOVA analysis (analysis of variance) was applied homogeneity of variance and the result through the post-hoc test ( Tukey) at p> 0.05. Judokas, both mixed and male group, has a lower value in Self-Concept compared to other populations studied. Although the values obtained, we believe that promoting sports environments for organized sports activities (including martial arts) have a positive influence on the perception of psychological well-being, with benefits for the athletes’ self-concept and cognitive development.

Keywords: sports psychology; self knowledge; judokas

Introduction

Psychology studies the psychic/mental phenomena, its genesis and development, personality and its features as well as the psychological particularities of human’s activity. Sensations, perceptions, representations, imagination, thoughts, emotions, desires, memory and attention are all integrated in the psychic processes. This set constitutes the so called psyche or human’s conscience(E. e K., 2001). The set of stimulus which a sportsman undergoes, promotes an adaptation process with consequences in his answers’ pattern, taking the form of physical, technical-tactical or psychological expressions(Serpa, 1997).

One of the researched aspects, which has concluded as a determining variable of the sportsman’s behavior and emotions in the training and competition process, with influence in his performance, is the cognitive nature of his sporting orientation, in which, during this process, two extreme aspects stand out: the sports result and the performed task (Serpa, 1997). The competition is the moment of the process where the evaluation of the progress made occurs and in which all the sportsman’s dimensions gather, either in the performance or sporting results. For the sportsman, who has worked for his improvement, the sportive result is the sought expression.

According to (Vazou et al., 2005), one of the main theoretical frameworks used for the study of young people´s motivation and behavior in sport is the achievement gal theory. In a task-oriented motivational environment athletes acknowledge that the coach values the personal skills improvement, where mistakes are part of the learning process itself and athletes derive satisfaction from it. On the other side, in an ego-oriented motivational environment, and since satisfaction feelings depend on the way one compares with others, emphasis is given to the demonstration of the normative ability and competition with the others. Regarding the judgment of motor competence, young children (up to 10 years old) prefer adult´s feedback (Vazou et al., 2005). Later on, at the end of childhood and early adolescence, the main information source of competence is the comparison with others athletes and their feedback. In this study the authors have focused on the peer interaction and relationship and the role it can play in the formulation of the motivational environment induced by peers in the youth sports context. The authors mention that, literature on the structure and the consequences of observed motivational environment, such as school, sport, and Physical Education, has only focused the adults ‘influence, ignoring thus the potential impact of peers. The interviews conducted in this study allowed the ascertainment of how young athletes acknowledge and create a peer motivational environment. Observing peer relationships will allow a better comprehension of the various motivational environments (both adult and peer). A greater attention to the aspects of peers´ influence which promote or hinder young athletes´ motivation, will enable the modification of the existing peer motivational environment, in order to strengthen task related aspects. A future intervention should also promote equal treatment and discourage competition in the team, as well as conflicts between team members.

  1. (2001) points out some psychological features present in exceptional athletes: strength in his way to success, passion for the sporting discipline, emotional stability, mentally resistant, with, a positive attitude, realistic, focused, dedicated, persistent and competitive.

As far as sports are concerned, either in its educational or competitive sphere, it is important that coaches have information on the athletes ‘emotional level development (Hernández, 2011). It should be noted that emotional intelligence is a skill goal, which is latent in the individual but not possible to be observed, unless there are behavior manifestations towards a certain situation. In a study, in which the author questioned judo and karaté athletes by means of several questionnaires (social demographic – adaptation to Riffs well-being scale); physical self-concept (CAF); and others), information of the various studied areas has been engaged. The results have suggested that both the promotion of sports environments for the practice of martial arts and the organized sports activity have a positive influence in the young people´s perception of the psychological well-being, which influences their self-concept and cognitive development. The perception of execution goals´ control is very important for the improvement of the athlete´s competence perception, especially in educational stages. This perception of the own possibilities in achieving something will reinforce the self-confidence, increase the motivation and enable the creation of a gradually bigger and more adequate concentration during the various moments of competition. The author also mentions that the more adequate perceived competence, in what the emotional point of view is concerned, facilitate a better competitive performance.

Brito (1996) also presents the psychological factors common in world high level athletes: (1) high motivation to train, to win, to withstand effort or suffering (…); (2) ability to deal with the competitive goals and to distinguish the actions’ hierarchy leading to success (…); (3) when facing a defeat or a failure, he neither shows much concern, nor spends much time looking into the situation, or, if so, he does it quickly, without drama, pursuiting immediately after the defined goals (…) (4) he is not interested in blaming (or excusing) at random himself, the judges, the weather, the health, etc. (…); (5) has a high self esteem (…); (6) deals well with the problems to overcome, showing a kind of specific intelligence in view of victory (…); (7) manages to achieve good results with different techniques (…); (8) little sensitivity towards others, showing a certain indifference or a sense of superiority (…); (9) little anguish or anxiety when facing difficult situations (…); (10) ability to face and withstand suffering, the risk and pain to the limits (…); (11) high motivation and ability to recover from serious situations or accidents, showing a strong willpower (…).

Psychological preparation must be connected to the physical, technical and tactical preparation and should be performed both in the preparatory and competitive phases. Thus, the psychological techniques chosen by the coach must be integrated in the exercises practiced by the judoist in the referred phases (Blumenstein et al., 2005). As far stress and anxiety factors are concerned, it has been verified that situations caused by the pressure to win, may originate a performance fall by some judoists (Massa et al., 2010).

Some days before the beginning of important competitions, judoists start anticipating the competitive challenge (Blach e Szczuka, 2011). When competition day gets closer, athletes feel the stress accumulation. Depending on the mental stress, the body may send signs (named somatic stress) releasing thus the most energy. According to the majority of athletes and coaches, pre-competitive stress is definitely a negative factor, since it affects performance. Excessive stress can explain the failures during competition and the mistakes in the first combat, as well as neglected opportunities and results far lower than the athlete´s potential. Coaches may resort to very simple pre-competitive stress detection methods, which include the discrete observation of the athlete´s behavior. Stress control prior to the competitions does not aim the complete elimination of it, but to keep it on a level which allows the competitor to take the most advantages of his potential.

In a study carried out with Brazilian sportsmen (from Paraíba) of various areas, aged between 11 and 20, being the majority male, (Gonçalves e Belo, 2007) applied the Sport Competition Anxiety Test – SCAT. The goal was to observe the anxiety level differences in variables such as age, gender, sport and competitive level.

For that purpose an ANOVA (variance analysis) was used. The study shows that females reveal more competitive stress than males. There are no significant differences between sportsmen of various ages as well as various competitive experiences. The sportsmen of different sports also don´t show significant differences as to the studied variable (contrary to what is referred in the literature, i.e. that individual sports´practitioners show more anxiety than collective sports ´practitioners.

The aim of this study is to compare the psychological point of view of different sports performance level groups and overall value as a judoka and may identify the differences between the different categories of weight and gender, as well as compare the values found in the present study variables the values of similar studies on other populations.

Methods

Sample selection

For this study, junior judoists of both genders were chosen (34 boys and 15 girls). Most of them belong to the national team and the others, although not belonging to the national team, meet the conditions to make part of this study.

These judoists are almost all Europeans (Portuguese). The three exceptions are an African athlete (Cap Verde), an English athlete and a Moldavian. For this study judoists have been divided into three groups.

The 1st distinction of athletes has been made according to their sporting results. the groups have been divided in A, B and C, in decreasing order of level and based on the indications of the High Competition Regulations of the Portuguese Judo Federation and the National Sports Award’s List of the junior’s ranking. The group’s division in A, B and C was performed as follows:

Group A: Judoists with minimum results for the European or World Championship;

Group B: Judoists classified in level B tournaments and other international tournaments;

Group C: Judoists classified in national championships or tournaments as well as other non-awarded athletes.

A second division has been made after an expertise evaluation, with a scale from 1 to 10 points, indicating the global value of the individual as a judoist (based on the global appreciation of a set of training factors expressed by the athlete in a judo context situation). This evaluation has been performed by four national coaches. The punctuation is the average of their evaluation. The groups have been divided in 3, 2 and 1, in decreasing order of level and taking into account the sample’s values’ standard deviation (33% for each group).

The obtained results were put in the results’ and discussion’s chart, where variables, with significant differences or with almost significant values between groups, were shown (A, B and C groups of distinct sporting results and groups 3, 2 and 1, of distinct global value as judoists, set by expertise evaluation). The present study has been performed both for the total sample (mixed) and the exclusively male sample.

Studied variables (Psychological Evaluation)

As to the psychological variables, the following have been studied: (1) Motivation – motivational orientation for the ego or for the task; (2) Anxiety (3) Self concept – its three factors have been studied: acceptance-rejection, self-effectiveness, psychological maturity and impulse-activity.

The presentation and explanation of the used psychological evaluation tests are under mentioned.

a) Sport Competition Anxiety Test (SCAT) (Freitas, 1991)

It is a psychological evaluation tool developed for the sporting activity which intends to measure the Trait Anxiety. The SCAT has been created by Rainer Martens and adapted into Portuguese by Sidónio Serpa, Fernando Pereira and Marta Freitas. It describes individual differences, which reveal tendencies to understand competitive situations as threatening, responding to these situations with various anxiety state reactions. (Freitas, 1991).

The SCAT is composed by fifteen items (of which only ten are quoted) adapted to sporting competition and answered in a Likert type scale of three points (almost never, sometimes, and often).

Results’ classification can go from 10 (low anxiety trait in competition) to 30 points (high anxiety trait in competition), being subsequently translated in standard note. If the individual doesn’t answer to one of the ten items, his final result can be obtained by calculating the average result of the 9 items, multiplying this value by 10 and rounding the result up to the next complete number.  The examiner distributes the questionnaire and reads the instructions aloud, so that athletes may understand what they are being called upon, having the possibility of clarifying doubts. Athletes should also be asked to answer all items and also be informed that there is no limit time for answering the questionnaire.

b) Task and Ego Orientation in Sport Questionnaire (TEOSQ) (Cruz e Matos, 1997)

The “Motivation and Orientation in Sport Questionnaire”” (QOMD – TEOSQ) is an adapted and translated into Portuguese version of the Task and Ego Orientation in Sport Questionnaire (TEOSQ), developed by Joan L. Duda. This tool, validated for the national reality, allows the evaluation of the motivation/orientation for the task and/or for the ego in sporting contexts, based on the motivation theoretical model of Nicholls (1989). This tool is composed by 13 items, which reflect a task orientation or an ego orientation, as to the success perception and sporting success. In its original version, the QOMD – TEOSQ items are distributed in two sub-scales: Task Orientation (7 items) and Ego Orientation (6 items). The subjects answer each item, choosing an alternative, in a Lickert type scale of 5 points (1= Disagree totally; 5= Agree totally).

The adapted Portuguese version by Fernandes and Serpa, contains the following indications:

The statements that follow refer to situations that may make you feel well-succeeded in sports. In other words, it means that the physical activity went well.

Answer, making a cross on the appropriate answer (x), in order to indicate how much you personally agree with each of the statements.

c) The Clinical Inventory of Self Concept from Vaz Serra (ICAC) (Serra, 1986)

According to Serra (1988), there are four kinds of influences that help to build the self -concept:

The way other people observe an individual: the human being is taken to develop a kind of mirror phenomena, in which he tends to observe himself in the way others consider him, especially significant people;

The notion that an individual keeps of his performance in specific situations;

The confrontation of a person’s conduct with his social peers with whom he identifies himself;

The evaluation of a specific behavior according to values required by normative groups;

All these factors help to form the self-concept, which can acquire positive or negative features.

The goal of the ICAC application is to verify which is the influence of the sports activity in the self-concept formation, which type of self-concept favours a good performance, and which are the self-concept differences in judoists of more or less success.

The clinical inventory of self-concept has been developed by Professor Vaz Serra. It is a subjective self-evaluation scale, created to measure the emotional and social aspects of self-concept. It is formed by 20 items, with sentences defining clearly a situation and stressing a person´s one single feature, elaborated both in the positive and negative sense.

As to the punctuation of the items, Serra (1986) has created the possibility of distributing each question in five different categories, distinguished in the following manner: don’t agree, don’t agree much, agree moderately, agree, and agree completely, each one with a score more than the previous question. This means that each question can range from a minimum of 1 to a maximum of 5 scores. The scale is conceived so that scores raise from the left to the right, obtaining at the end the total sum of the items. The higher the level, the better the person’s self-concept.

In the questions elaborated in a negative way, the scores are reverted so that a higher score always expresses a better self-concept.

Vaz Serra (1986) explains the choice of this designation – Clinical Inventory of Self Concept. It has been called inventory because, besides a global score, it also allows to obtain various indices, which bring some information about a person. These indices focus on the direct result of the factor analysis’ processes. This analysis has distinguished four main factors:

F1 – Social acceptance/rejection factor; F2 – Self efficiency factor; F3 – Psychological maturity factor and F4 – Activity – impulsivity factor besides these main factors, this scale also contains two other factors (F5 e F6), which, due to their mixed nature, cannot be given a particular designation.

It has been called clinical because the initial goal was to create an instrument which could be useful for the clinical practice. This scale only focuses the emotional and social aspects of self-concept considered important in the social adjustment. Finally, it has been called self-concept because fundamentally tries to register the perceptions a person has of oneself.

As to the instructions to be given to the inquired people, they should draw the attention to the fact that self-concept is a measure of personality traits. Therefore, the individual should read the following instructions before answering:  (1) every person has an idea of how he/she is. Hereinafter are presented the attributes which can describe a person. Read each question carefully and give a true, spontaneous and quick answer to each of them; (2) when answering please consider mainly your usual way of being and not your present state of mind. Put a (x) in the box which you think applies best to your characteristics and (3) As to the application of this scale in our study, we would like to inform that there is no obligation in putting your name, since this aspect could inhibit the participation of some of the tested people.

 

Statistical procedures

It has been used the SPSS 11,5 program for Windows. The ANOVA (variability analysis) has been applied and the variance homogeneity for each variable has been verified and the significance level between groups as to the differences in the studied variables has been established. In the variables where groups present distinct profiles, the tests’ result has been post-hoc (Tukey) verified. The descriptive data statistic has been applied.

Results

The following data refer to the values’ description of the psychological variables studied, as to the defined groups, either by their sporting results (Groups A, B or C) or by the judoists’ global value, defined by an expertise evaluation of national coaches (groups 3, 2 and 1). In this division the best ones should be Group A, followed by B and C, respectively. The same happens with groups 3, 2 and 1. The whole group’s results will be presented (both genders) and of the boys’ group separately, since girls are a small sample. This naturally doesn’t mean that the groups considered best at the beginning, are the ones to get the best results in this or that variable, as it happens in some cases.

Afterwards some comparisons will be made between our average results of the TEOSQ test (ego or task orientation) (Charts 2, 3, 4 e 5 next) and other results found in the bibliography (Chart 1). Here the whole sample will be referred, no matter which group they belong. So, the mixed group presents a higher task orientation value (4,12) than students with an average age of 17.4 years (3,97). In the ego orientation our group also presents a higher value (2,92) than the students (2,81). Our male group presents a lower task orientation value (4,11) than high school male students (4,28), with an average age of 17,8 years. In the ego orientation the male’s sample value (3,01) is higher than the one of the referred students (2,89). We have tried here to compare individuals of similar ages and educational level. We always have higher levels in the ego orientation. In the task orientation we only have a higher value when referring to the mixed group.

Chart 1 – Description and difference (* p ≤ 0,05) of the psychological evaluation results by groups (A, B e C) according to the sports results in both genders.

The following results (Chart 2) concern the variables’ values with significant differences between the groups distinguished by the sports performance towards the whole sample. The groups of different sports performances (Groups A, B and C) of the whole sample (Chart1), show significant differences in the impulsiveness/activity variables (p=0,039) and ego orientation (p=0,000).

Chart 2 – Description and difference (* p ≤ 0,05) of the psychological evaluation results  by groups (3, 2 and 1) according to the global values as judoists, in both genders.

Discussion

 According to Vazou et al. (2005), and in what youth sports are concerned, it is important to reinforce task-oriented aspects.

As to the self-concept, all athletes of our study present an average value of self-concept (64,68), which is lower than the ones of the judoists, of another study, with a better performance (70,8) and people, who weren’t sportsmen (65,8) studied by Ponte et al. (1991). The same happens with the male group, which also presents a lower level in self-concept (64, 68).

The average levels of the impulsiveness/activity variable follow the descending order, groups B-C-A. This variable seems to distinguish the groups of different sports performance being, however, the judoists of group B who present the highest level (13, 25). This value is similar to one presented by Ponte et al. (1991), concerning the judoists with better sports performance (13,4). The total of self-concept shows that group B has better results but prove to be lower than the ones of the better sports performance judoists studied by Ponte et al. (1991). Contrary to what has been concluded by Ponte et al. (1991), the judoists with better sports performance in this study have not shown the best results.

In the ego orientation, however, the groups’ values follow the order A-B-C. Group A presents the highest levels, showing that judoists with better sports performance have a higher motivation in the ego orientation. These are thus the variables which may distinguish the respective groups of both genders (n=49).  In the literature review, the high motivation is moreover referred as an important factor in order to achieve the high- level (Brito, 1996).

The following results (Chart 2) concern the variables’ values with significant differences between groups distinguished by the judoist’s global value towards the whole sample.

The groups distinction can be based on the study of motivational variables, namely on the Ego Orientation. Only this variable has significant values in all situations, always getting the highest results in the better rated judoists, either by their sports results, or by the prior expertise evaluation as to the global value as judoists. It is an interesting variable in the study of the sports performance, since it supplies high significant values in this distinction and even in the characterization of the different groups.

Our judoists, both mixed and male group, have got a lower value in Self-Concept, when compared to other studied populations. In spite of the values found, we believe, as  (Hernández, 2011) refers, that the promotion of sports environments for the organized sports practice (including martial arts) have a positive influence in the perception of the psychological well-being with benefits for the athletes ‘self-concept and cognitive development.

Here we cannot conclude, as (Ponte et al., 1991) has done in his study, that sport contributes for the formation of a high Self-Concept, which is proportionally high to the performance. We believe that if we study a larger number of populations, our values may be higher.

The Self Concept distinguishes groups of different performance and of global value as judoists mainly through the sub-variables Impulsiveness/Activity and Self-Concept total. Only in the mixed group does the psychological variable substitute Impulsiveness/Activity. However, the best values do not match with the better rated judoists. Therefore, we cannot say that the better rated judoists show a higher Self Concept.

The impulsiveness/activity and self-concept total variables are relevant when there are male groups which are divided by their sports results, with advantage to the B group.

The psychological maturity is relevant when the sample is mixed and groups are divided according to the judoists´global value (by expertise) bearing Group 1 the best results.

When the sample is mixed, the impulsiveness/activity also presents interesting values concerning the distinction of the groups divided by their sports results, bearing Group B the best results.

Anxiety does not show the groups´ distinction, in both the sports high-performance (A, B and C groups), and the judoist´s global value (3, 2 and 1groups). Both the total and the exclusively male sample show a strong trace of competitive anxiety, and the average level of the different groups show a similar tendency (Charts 2, 3, 4 and 5).

Conclusion

It is concluded that although the study deals with professional and amateur male and female athletes their level of anxiety are practically the same and what differentiates is the level of experience of each judoka. In this way we suggest new studies on this subject with children, young beginners adults and also with the different classes of male and female veterans, making a relation with the competitive results expected by the coaches.

 

References

BLACH, W.; SZCZUKA, E. Mental stress before judo competition. Detection and control. Journal of combat sports and Marcials Arts, v. 2, n. 2, p. 143-145,  2011.

BLUMENSTEIN, B.; LIDOR, R.; TENENBAUM, G. Periodization and planning of preparation in elite combat sport programs: the case of judo. International Journal of Sport and Exercise Psychology, v. 3, p. 7-25,  2005.

BRITO, A. A Psicologia do Desporto e a Selecção de Talentos. Horizonte. XIII: 10-13 p. 1996.

CRUZ, J.; MATOS, M. Avaliação Psicológica de factores e processos motivacionais no desporto: características psicométricas de instrumentos para adolescentes. In: CRUZ, J. (Ed.). I Encontro Internacional de Psicologia Aplicada ao Desporto e à Actividade Física. Braga: Lusografe, 1997.  p.325-348.

E., F.; K., R. Aspectos psicológicos Judô: Desempenho Competitivo. . Manole, p. 161-82,  2001.

FREITAS, M. Trabalho de síntese. Medir a Personalidade-Análise das características psicométricas de 3 Questionários – QPS – EPI – SCAT. 1991.  Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica  Faculdade de Motricidade Humana, Lisboa.

GONÇALVES, M.; BELO, R. Ansiedade-traço competitiva: diferenças quanto ao género, faixa etária, experiência em competições e modalidade esportiva em jovens atletas. Psico-USF, v. 12, n. 2, p. 301-307,  2007.

HERNÁNDEZ, J. Perceptión de Bienestar Psicológico y Competencia Emocional en Niveles Intermedios de la Formación Deportiva en Deportes de Combate. E-Bm.com Revista de Ciencias del Deporte. Mérida. 7: 75-80 p. 2011.

J., B. Sports Talent.  How to identify and develop outstanding athletes. . Human Kinetics, p. 8-22,  2001.

MASSA, M.; UEZU, R.; BÖHME, M. Judocas olímpicos brasileiros: fatores de apoio psicossocial para o desenvolvimento do talento esportivo. Revista brasileira de Educação Física e Esporte, v. 24, n. 4, p. 471-481,  2010.

PONTE, A.  et al. Influência do Contexto Sócio-Desportivo na Formação do Auto Conceito. In: BENTO, J. e MARQUES, A. (Ed.). As Ciências do Desporto e a Prática Desportiva. Actas do II Congresso de Educação Física dos Países de Língua Portuguesa. As Ciências do Desporto e a Prática Desportiva no Espaço da Língua Portuguesa. Desporto na Escola, Desporto de Reeducação e Reabilitação. Porto: Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto, 1991.  p.207 – 211.

SERPA, S. Factores Psicológicos e Gestão Psicológica do Treino.  Actas do I Seminário Psicosport – Metodologia do Treino. IN J. ALVES, S. S., C. COSTA & J. GALILEU (EDS.),. Lisboa: 57-62 p. 1997.

SERRA, A. O “Inventário Clínico de Auto-conceito”. Psiquiatria Clínica, v. 7, n. 2, p. 67-84,  1986.

VAZOU, S.; NTOUMANIS, N.; DUDA, J. Peer motivational climate in youth sport: a qualitative inquiry. Psychology of Sport and exercise, v. 6, n. 5, p. 497-516,  2005.

RISCO CARDIOVASCULAR E AUTOGERENCIAMENTO DOS CUIDADOS EM HOMENS COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

Mayara Karla dos Santos Nunes1

Rayner Anderson Ferreira do Nascimento1

Alexandre Sérgio Silva2

Isabella Wanderley Queiroga Evangelista3

João Modesto Filho4

Cecília Neta Alves Pegado Gomes5

Caroline Soares Ribeiro6

Mariana Nunes de Bulhões Souza6

Camila Maria Cordeiro Dias6

Anderson Barbosa Gomes6

Thaynara Amaral Leite6

Antônio Raphael Lima de Farias Cavalcanti Silva6

Beatriz Azevedo Lopes7

Ericka Holmes Amorim8

Gerson da Siva Ribeiro9

Wilma Dias de Fontes Pereira9

Darlene Camati Pershun10

 

1Mestre em Biologia Celular e Molecular, Departamento de Biologia Molecular, Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba.

2Departamento de Educação Física, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal da Paraíba.

3Chefe do Centro de Referência de Oftalmologia, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Universidade Federal da Paraíba.

4Departamento de Medicina Interna, Centro de Ciências Médicas, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Universidade Federal da Paraíba.

5Ambulatório de Nefrologia, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Universidade Federal da Paraíba.

6Discentes de Farmácia, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal da Paraíba.

7Discente de Biotecnologia, Centro de Biotecnologia, Universidade Federal da Paraíba.

8Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba.

9Departamento de Enfermagem Clínica, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal da Paraíba.

10Departamento de Biologia Molecular, Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba.

 

Resumo

A diabetes mellitus tipo 2 (DM2) é uma doença crônica e progressiva e está entre as dez doenças que mais matam no mundo, gerando uma preocupação alarmante quanto à saúde pública mundial. Causa diversos danos aos órgãos levando às complicações micro e macro vascular, deixando o diabético duas ou três vezes mais vulnerável às doenças cardiovasculares (DCV) do que uma pessoa comum. Objetivo deste estudo foi analisar o risco cardiovascular utilizando o Escore de Frammingham e o nível de conhecimento dos homens diabéticos para o autogerenciamento. Foram avaliados 61 homens, acima de 40 anos, com DM2, quanto às variáveis sociodemográficas, clínicas, bioquímicas, nível de conhecimento pelo Diabetes Knowledge Scale (DKN-A) e o risco cardiovascular pelo Escore de Frammingham. Foram significativos, nos homens com alto risco para DCV, o colesterol total (p=0.0195), a microalbuminúria (p=0.0102, 0.0248) e a α-1 glicoproteína ácida (p=0.0157). Quanto ao conhecimento, a maioria (59,6%) apresentou baixo conhecimento em relação à diabetes. Concluiu-se que os participantes da pesquisa possuem conhecimento insatisfatório com relação ao autogerenciamento da diabetes e isso implica em uma maior vulnerabilidade às complicações diabéticas e consequentemente maiores riscos para desenvolver DCV.

Palavras-chaves: diabetes mellitus tipo 2; conhecimento; risco cardiovascular; saúde do homem.

INTRODUÇÃO

A diabetes mellitus (DM) é uma doença crônica, progressiva e, apesar de ser uma doença em que na maioria dos casos se pode prevenir, dados da World Health Organization (WHO) revelam que a prevalência dos casos de diabetes no mundo duplicou entre os anos de 1980 e 2014. Ela está entre as dez doenças que mais matam no mundo, com cerca de 1,5 milhões de mortes ao ano (WHO, 2016).

Tais números geram uma preocupação alarmante quanto à saúde pública mundial, visto que, de acordo com estimativas da Federação Internacional de Diabetes (IDF) no ano de 2040 cerca de 642 milhões de pessoas terão a doença, ou seja, um a cada dez adultos no mundo (IDF, 2015). Este crescimento está relacionado com aumento concomitante do sedentarismo e da obesidade, com o crescimento e envelhecimento populacional, além de uma maior sobrevida de indivíduos com diabetes (MILECH et al., 2016).

A forma mais frequente da doença é a diabetes tipo 2 (DM2) que representa 90-95% de todos os casos de diabetes mellitus e é decorrente da falta e/ou da incapacidade da insulina de funcionar adequadamente (GIACOMINI et al., 2013). Estudo sugere que a patogênese da DM2 inclui componentes genéticos, fatores ambientais e estilo de vida (HALDAR et al., 2015). Sedentarismo, má alimentação, sobrepeso e obesidade, idade avançada, histórico familiar de diabetes, histórico de diabetes gestacional e tabagismo são fatores de risco para diabetes tipo 2 (WHO, 2016).

Os danos causados em diversos órgãos do corpo pelo diabetes podem trazer sérios problemas para a saúde do indivíduo diabético, como complicações cardiovasculares, neuropatia, retinopatia e nefropatia (WHO, 2016).

Atualmente, sabe-se que mais importante do que identificar um indivíduo como portador de diabetes ou qualquer outra doença não transmissível é identificar o risco de doenças cardiovasculares, pois as doenças cardiovasculares aparecem entre as primeiras causas de morte (PETTERLE, POLANCZYK, 2011; PAULA et al., 2013).

O diabético tem cerca de duas ou três vezes mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares (DCV). Além disso, as DCV são responsáveis por causar cerca de 60% da mortalidade da população diabética. Os indivíduos que possuem tanto DM quanto DCV possuem maior risco de morte por doença arterial coronariana, acidente vascular encefálico, trombose e insuficiência cardíaca congestiva e maiores chances de apresentarem complicações em caso de tratamento cirúrgico (WHO, 2016; HALDAR et al., 2015).

O risco de morte por doenças cardiovasculares em diabéticos é significativamente maior se a pessoa for fumante ou fumante passivo, visto que as substâncias inaladas do cigarro causam sérios danos no revestimento endotelial da parede dos vasos sanguíneos, diminuem os níveis de HDL aumentando assim os níveis de colesterol sanguíneo, além disso, a ação da nicotina no organismo promove aumento do ritmo cardíaco e o aumento da pressão arterial (BARNOYA; GLANTZ, 2005).

É de suma importância levar em consideração como os aspectos de saúde se caracterizam para cada faixa etária e também, não menos importante, as diferenças entre a saúde da mulher e do homem. As principais causas de morte entre os homens são: causas externas, doenças do aparelho circulatório, neoplasias (tumores), doenças do aparelho digestivo, doenças do aparelho respiratório (BRASIL, 2009). Nesse contexto as doenças cardiovasculares enquadram-se, também, no segundo lugar; pois se encontram entre as principais do sistema circulatório. Tornando-se uma preocupação para as autoridades na saúde.

Para avaliar a probabilidade de qualquer indivíduo desenvolver uma doença coronariana, utiliza-se um instrumento baseada nos resultados do Framingham Heart Study, segundo o escore de Framingham. Dentre os fatores necessários para obter tal estatística estão à faixa etária, sexo, valores de pressão arterial sistólica, valores da razão entre o colesterol total e a fração HDL, presença de tabagismo e diagnóstico de diabetes. Através desse prático método é possível estabelecer o risco de infarto do miocárdio e angina do peito em dez anos (MACKAY; MENSAH, 2004).

Como mencionado, a DM2 se encontra como um dos importantes fatores de risco para as DCV e seu autogerenciamento pelo usuário assume um papel importante no autocuidado desta morbidade. Assim, um importante instrumento de pesquisa para pessoas com diabetes é o Diabetes Mellitus Knowledge (DKN-A). Determina o nível conhecimento de pessoas com DM sobre a doença. É importante para conferir relação de conhecimento com a escolaridade, com a participação em grupos de informação sobre a doença e serve também, para averiguar o resultado das informações lançadas em ações educativas (LOTUFO, 2008).

Portanto, para o autogerenciamento dos cuidados na DM2 é de suma importância que os indivíduos tenham conhecimento sobre a doença, seu tratamento, sobre as complicações diabéticas e outras doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares, pois têm potencial risco de desenvolverem.

Esse estudo teve por objetivo analisar o nível de conhecimento para o autocuidado da diabetes, os riscos cardiovasculares segundo o escore de Framingham e correlacionar com variáveis clínicas, bioquímicas, marcadores inflamatórios e do estresse oxidativo. Desse modo, esse estudo é inovador do ponto de vista da análise do gerenciamento do autocuidado pelo controle dos parâmetros metabólicos do paciente diabético frente ao risco de complicação advindas da diabetes, principalmente as de cunho cardiovascular.

 

MATERIAIS E MÉTODOS

Aspectos éticos

O projeto original foi submetido à análise do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Lauro Wanderley tendo sido aprovado sob parecer 1.335.108. A pesquisa foi conduzida em cumprimento com a resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde, que estabelece normas para pesquisa com seres humanos, sendo resguardados o anonimato e a privacidade dos pesquisados.

Participaram do estudo 61 homens, com idade superior a 40 anos, atendidos no período de dezembro de 2015 a novembro de 2016, nos serviços de Endocrinologia, Oftalmologia e Nefrologia do Hospital Universitário Lauro Wanderley da Universidade Federal da Paraíba (HULW/UFPB) com diagnóstico entre 5 a 10 anos de diabetes mellitus tipo 2 (DM2) e apresentando ou não complicações diabéticas como, retinopatia e/ou nefropatia.

Os homens que aceitaram participar e assinaram o TCLE foram coletadas amostras de urina 24 horas e de sangue periférico para as análises, respectivamente, de proteinúria e bioquímicas.

Para as determinações bioquímicas foi usada a técnica de imunoturbidimetria em analisador automatizado (LabMax 240, Labtest, Lagoa Santa, MG, Brasil) utilizando kit padronizado e seguindo as orientações recomendadas pelo fabricante (Labtest, Lagoa Santa, MG, Brasil). Os marcadores do estresse oxidativo, malondialdeído (MDA) e capacidade antioxidante total (CAT), foram determinados por técnicas já estabelecidas na literatura (OHKAWA; OHISHI; YAGI, 1979; BRAND-WILLIAMS; CUVELIER; BERSET, 1995).

Foi aplicado um questionário para a coleta das variáveis clínicas e sociodemograficas e foi utilizado o instrumento Diabetes Knowledge Scale (DKN-A) validado no Brasil para verificar o conhecimento. Para avaliar a probabilidade de qualquer indivíduo desenvolver uma doença coronariana, utilizou-se o escore de Framingham.

Análise estatística

Foram utilizadas tabelas de frequências para as variáveis categóricas e estatística descritiva (média, desvio-padrão) para as variáveis continuas. Foi utilizado o programa GraphPad. Instat, versão 3.0 para a análise estatística inferencial das variáveis numéricas usando o teste t de Student e quando necessário, usou-se o teste de Mann Whitney. O α considerado foi de 0,05. Para todos os testes foi utilizado como nível de significância o p<0,05. O Teste Exato de Fisher foi usado sempre que necessário.

RESULTADOS

Os dados revelam uma amostra de 61 homens com diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2, com idade mínima 40 anos e máxima 78 anos. Com relação à situação conjugal 50 (81,9%) declararam serem casados ou terem união estável; 28 (45,9%) afirmaram ter apenas o ensino fundamental completo ou incompleto, 34 (55,7%) são ativos e possuem alguma ocupação (trabalho, atividade voluntário ou outros), quanto a renda familiar 22 (36%) sobrevivem com 1 ou 2 salários mínimos e 25 (41%) declarou ser da cor branca. Apenas 4 (6,5%) homens, do total da amostra, afirmaram terem participado ou participarem de grupos de educação em saúde. Quanto à procura pelos serviços de saúde 27 (44,2%) responderam que procuram em menos 3 meses, 15 (24,5%) procuram uma ou duas vezes ao ano e 14 (22,9%) procuram quando há necessidade.

Na busca de averiguar os indicadores para as DCV, foram analisadas características clínicas, bioquímicas e antropométricas como mostra a tabela 1.

Tabela 1: Características clínicas, bioquímicas e antropométricas da amostra estudada.

De acordo com o escore de Framingham observou-se predomínio do alto risco para doenças cardiovascular nos sujeitos estudados, perfazendo 37.7% do total da amostra (Tabela 2).

Tabela 2: Classificação de risco global para doenças cardiovasculares em 10 anos, segundo o escore de Framingham Revisado para Homens.

Quanto à presença de complicações diabéticas, obteve-se que 8 (13,1%) dos homens têm apenas retinopatia, 18 (29,5%) têm apenas nefropatia, 35 (57,3%) têm as uma das complicações ou as duas concomitantemente e 26 (42,6%) não apresentaram complicações por diabetes mellitus tipo 2.

Na comparação das frequências entre presença e ausência de complicação diabética (retinopatia e nefropatia) com relação ao risco cardiovascular (baixo/moderado e alto) houve diferença significativa (p=0.0158) entre os grupos e observou-se que 37.7% dos homens sem complicação têm baixo ou moderado risco para doenças cardiovasculares (Tabela 3).

Tabela 3: Escore de Framingham segundo presença e ausência de complicações diabéticas.

O colesterol total (p=0.0195) e a microalbuminúria (p=0.0102) foram estatisticamente significativos nos grupos que apresentaram alto risco para DCV; enquanto que, no grupo de homens que não apresentaram nenhuma complicação diabética (retinopatia e nefropatia), mas alto risco para DCV a microalbuminúria e a α-1 glicoproteína ácida (AGP) foram significativos (respectivamente p= 0.0248; 0.0157) conforme a tabela 4.

Tabela 4: Comparação dos parâmetros bioquímicos, marcadores inflamatórios, estresse oxidativo e variáveis antropométricas, segundo o Escore de Framingham, para o risco global de doenças cardiovasculares.

Em relação ao conhecimento dos usuários sobre diabetes, avaliado pelo DKN-A, 52 homens responderam ao questionário, nenhum participante obteve escore máximo (15 pontos) e os escores mínimo e máximo foram, respectivamente, 2 e 11 pontos. Constatou-se que 31 (59,7%) sujeitos tiveram pontuação inferior a oito, ou seja, tinham conhecimento insatisfatório sobre diabetes.

Na tabela 5, a seguir, verifica-se que os escores obtidos no questionário DKN-A, foram menores que oito em 31 sujeitos (59,6%), indicando baixo conhecimento e compreensão da doença pela maioria deles.

Tabela 5: Distribuição do escore total de conhecimento DKN-A dos homens com DM2 entrevistados em Hospital de Referência de João Pessoa.

As questões de maior relevância associadas ao autogerenciamento do cuidado da diabetes, como taxa normal da glicemia, complicações diabéticas e substituições alimentares obtiveram-se pontuação, respectivamente, 22 (42,3%), 27 (51,9%) e 1 (1,9%) de acertos.

Dentre os principais fatores de riscos para doenças cardiovasculares verificou-se que a hipertensão e a dislipidemia foram os predominantes ultrapassando 70% (43) do número de homens participantes. O sedentarismo estava presente em 50% (32) e a obesidade em 37.7% (23) da população estudada. Estas variáveis tiveram as maiores frequências no grupo de homens com nível baixo de conhecimento (Tabela 6).

Tabela 6: Distribuição do escore de conhecimento, segundo os fatores de risco para doenças cardiovasculares.

DISCUSSÃO

Nesse estudo constatou-se que o LDL e o triglicerídeo foram os parâmetros mais alterados, este fato eleva o risco de doenças cardiovasculares e pode frequentemente estar associado a reduções no colesterol HDL (XAVIER et al., 2013).

Segundo o Escore de Framingham Revisado para Homens houve elevada prevalência para alto risco de doenças cardiovasculares na maioria dos indivíduos e foi relacionado com colesterol total e a microalbuminúria. A microalbuminúria tem sido referida como critério para detecção do estágio inicial da nefropatia diabética, que é uma das microcomplicações da DM, e se não tratada pode evoluir para doença renal crônica (DRC) (BIARNÉSA et al., 2005).

A DRC é considerada condição muito importante no desenvolvimento de doenças cardiovasculares, dado que corrobora com a relação que existe entre o grau de disfunção renal e risco cardiovascular (AMORIM, LISBOA, SIQUEIRA, 2013; CESARINO et al., 2013).

Especialmente no grupo de homens que apresentaram alto risco no escore de Framingham, mas que não apresentação complicações diabéticas (retinopatia e nefropatia) houve associação com microalbuminúria e a alfa-1 glicoproteína ácida. Esta proteína é produzida durante a fase aguda da inflamação, é uma das mais abundantes no plasma sanguíneo e varia de acordo com idade e sexo. É sintetizada principalmente pelo fígado, mas aumentam em infarto do miocárdio, diabetes entre outros (PICCIRILLO et al., 2004).

A AGP é mediada pela interleucina1 (IL-1), interleucina 6 (IL-6) e pelo Fator de Necrose Tumoral-α (TNF-α), e em casos de inflamação crônica de baixo grau, como na DM, apresenta-se elevada. O aumento da inflamação provoca disfunção endotelial, aumentando mais ainda o dano vascular, sendo esta proteína um possível marcador de risco cardíaco (TEXEIRA et al., 2014; VELLOSA et al., 2013).

A relação aqui encontrada de elevado risco para doenças cardiovasculares com microalbuminúria e AGP, pode estar associada à em estado de inflamação mais exacerbado o que pode acarretar maiores problemas de saúde como disfunção endotelial sistêmica e doenças cardiovasculares nesses sujeitos.

Foi identificado baixo nível de conhecimento em relação ao autogerenciamento dos cuidados da diabetes, segundo o instrumento DKN-A. São várias as pesquisas que apontam para um déficit global de conhecimento sobre a diabetes e a maioria dos indivíduos diabéticos com baixo nível de conhecimento apresenta práticas de autocuidado insuficientes e dificuldades de enfrentamento da doença (MORAIS, 2016).

No contexto da abordagem sobre o conhecimento, Azevedo e Santiago (2016), constataram em estudo de conhecimento sobre diabete, que os pacientes que apresentaram duas micro complicações diabéticas tinham um controle maior da DM2 em relação aqueles que não apresentaram complicações diabéticas; no entanto, apresentaram um pior desempenho no questionário de conhecimento, acertando menos de sete perguntas.

Constatou-se baixíssimo escore de conhecimento e isto pode estar associado pequeno percentual de homens participaram de grupos de educação em diabetes (6,5%).

Brito et al. (2016) verificou significativo aumento do conhecimento dos diabéticos, após participação em programa educativo, pois apresentaram discreta redução dos níveis de HbA1c, da glicemia de jejum e da pressão arterial diastólica.

Dentro de grupos de educação em diabetes, os indivíduos são conscientizados da importância da independência quanto às decisões e atitudes a serem tomadas referentes à alimentação para o controle da DM, somado a isso, também, tomam conhecimento da influência dos alimentos no controle glicêmico e na prevenção de complicações. Todas as indicações nos grupos devem ser dadas conforme o conhecimento das características do paciente por parte do educador e devem ser levados em conta idade, sexo, escolaridade e tempo de diagnóstico (MILECH et al., 2016).

Quanto à prática de exercícios físicos, o sedentarismo tende a prevalecer conforme o aumento da idade e entre os que possuem menor renda familiar (ASSUNÇÃO; URSINE, 2008). As médias do IMC e da circunferência abdominal entre os homens que apresentaram conhecimento satisfatório ou insatisfatório ficaram próximas, não sendo significantes; no entanto, nos dois níveis de conhecimento esteve presente a obesidade e a circunferência abdominal maior de 94 cm, sendo estas variáveis consideradas fatores de risco cardiovascular, de acordo com a OMS (ABESO, 2009).

Em comparação às comorbidades para complicações cardiovasculares e o nível de conhecimento segundo o questionário DKN-A, um número relevante de pacientes com hipertensão arterial, dislipidemias e sedentarismos (48%, 42.3% e 32.7%, respectivamente) apresentaram conhecimento insatisfatório da doença. Sabe-se que esses fatores predispõem às micro e macro complicações vasculares e o controle deles pode reduzir o risco de agravos à saúde (IBGE, 2014). Esses indicadores, também, foram observados por Cesarino et al. (2013), em pacientes do gênero masculino com doença renal crônica de e risco para desenvolver doenças cardiovasculares.

A prevalência da dislipidemia em pacientes diabéticos é relacionada a um mau autogerenciamento da DM2, pois a falta de um controle nutricional adequado e o sedentarismo pode levar a hiperlipidemia sem o conhecimento do paciente resultando em várias outras complicações (KO et al., 2013).

Entende-se que para o autogerenciamento da DM2 e a prevenção de suas complicações, bem como de complicações cardiovasculares; é importante que se tenha maior conhecimento em relação à doença e ao tratamento, para que assim os sujeitos desse processo adotem atitudes de cuidado à sua saúde e isto reflita de forma positiva na qualidade de vida dos mesmos (BRITO et al., 2016).

CONCLUSÃO

Concluímos que os homens participantes desta pesquisa possuem baixo conhecimento do autogerenciamento dos cuidados da diabetes e alto risco para desenvolverem doenças cardiovasculares em 10 anos. Isto implica em uma maior vulnerabilidade às complicações diabéticas e consequentemente maiores riscos para desenvolvê-las. Neste contexto, a educação em saúde pode ser considerada o método mais adequado para a promoção da saúde coletiva e se enquadra em uma das estratégias com mais baixo custo. Pois podem capacitar os usuários diabéticos, favorecendo-os para as medidas de autocuidado e, consequentemente, autogerenciamento na saúde minimizando os riscos para as doenças cardiovasculares, como destacam Brito et al (2016).

 

Agradecimentos

            Este trabalho foi apoiado por subsídios da Fundação de Pesquisa do Estado da Paraíba (FAPESQ, Paraíba, Brasil) Projeto Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq Brasília, Brasil) 057/13, nota 001/2013 FAPESQ/Ministério da Saúde/CPNq de acordo com a aliança SINCOV 774379/2012 FAPESQ/Ministério da Saúde/CNPq no programa PPSUS e recursos do Programa de Apoio ao Graduado – PROAP, regulamento 156/2014.

RERÊNCIAS

AMORIM, N. O. B.; LISBOA, H. R. K.; SIQUEIRA, L. O. Glicação não enzimática de proteínas na gênese da nefropatia diabética. Clinical & Biomedical Research, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p. 135-41, 2013.

ABESO. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade [online] – 2009-2010. São Paulo, 2009. Disponível em: <http://www.abeso.org.br/>. Acesso em: 07 set. 2016.

ASSUNÇÃO, T. S.; URSINE, P. G. S. Estudo de fatores associados à adesão ao tratamento não farmacológico em portadores de diabetes mellitus assistidos pelo Programa Saúde da Família, Ventosa, Belo Horizonte. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, sup. 2, p. 2189-97, dez. 2008.

AZEVEDO, C.; SANTIAGO, L. Fiabilidade da escala de conhecimento da diabetes em Portugal. Acta Médica Portuguesa – Revista Científica da Ordem dos Médicos, Portugal, v. 29, n. 9, p. 499-506, set. 2016.

BARNOYA, J.; GLANTZ, S. A. Cardiovascular effects of secondhand smoke nearly as large as smoking. Circulation, Waltham, v. 111, n. 20, p. 2684-98, may. 2005.

BIARNÉSA, J., MASANAB, L., MORALESC, C., PINTÓD, X., RICARTA, W. Factores que influyen en la aparición de la nefropatía diabética incipiente: estudio ESODIAH. Medicina Clínica, v. 125, n. 11, p. 401-4, 2005.

BRAND-WILLIAMS, W.; CUVELIER, M. E.; BERSET, C. L. W. T. Use of a free radical method to evaluate antioxidant activity. LWT – Food science and Technology, Massy, v. 28, n. 1, p. 25-30, june. 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde do homem: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

BRITO, G. M.; GOIS, C. F.; ZANETTI, M. L.; RESENDE, G. G.; SILVA, J. R. Quality of life, knowledge and atitude after educational program for Diabetes. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 298-306, july, 2016.

CESARINO, C. B.; BORGES, P. P.; RIBEIRO, R. C. H. M.; RIBEIRO, D. F.; KUSUMOTA, L. Assessment of cardiovascular risk in patients with chronic kidney disease according to Framingham’s criteria. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 101-07, feb. 2013.

GIACOMINI, M. M.; HAHN, S.; YOUNES, S.; LISBOA, H. R. K.; SIQUEIRA, L. O. Análise de correlação do perfil lipídico e dano oxidativo em pacientes diabéticos. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 251-5, 2013.

HALDAR, S. R.; CHAKRABARTY, A.; CHOWDHURY, S.; HALDAR, A.; SENGUPTA, S.; BHATTACHARYYA, M. Oxidative Stress-Related Genes in Type 2 Diabetes: Association Analysis and Their Clinical Impact. Biochemical genetics, New York, v. 53, n. 4-6, p. 93-119, jun. 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro: IBGE, p. 23-47, 2014.

IDF. International Diabetes Federation. Diabetes Atlas. 7. ed. Brussels, 2015. Disponível em: <http//www.diabetesatlas.org>. Acesso em: 19 ago. 2016.

KO, J.; DELAFIELD, R.; DAVIS, J.; MAU, M. K. Characteristics of patients with type 2 diabetes mellitus in two rural, medically underserved communities. Hawai’i Journal of Medicine & Public Health, Honolulu, v. 72, n. 6, p. 191, jun. 2013.

LOTUFO, P. A. O escore de risco de Framingham para doenças cardiovasculares. Revista de Medicina, São Paulo, v. 87, n. 4, p. 232-7, out.-dez. 2008.

MACKAY, J.; MENSAH, G. A. The atlas of heart disease and stroke. Geneva: World Health Organization, 2004.

MILECH, A.; ANGELUCCI, A. P.; GOLBERT, A.; CARRILHO, A. J. F. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2015-2016. São Paulo: A. C. Farmacêutica, 2016.

MORAIS, C. Empoderamento das pessoas diabéticas tipo 2. Nursing. Disponível em: <http://www.nursing.pt/empoderamento-das-pessoas-diabeticas-tipo-2/>. Acesso em: 02 nov. 2016.

OHKAWA, H.; OHISHI, N.; YAGI, K. Assay for lipid peroxidation in animal tissues by thiobarbituric acid reaction. Analytical Biochemistry, v. 95, n. 2, p. 351-8, jun. 1979.

PAULA, E. A.; PAULA, R. B.; COSTA, D. M. N.; COLUGNATI, F. A. B.; PAIVA, E. P. Avaliação do risco cardiovascular em hipertensos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 820-7, maio-jun. 2013.

PETTERLE, W. C.; POLANCZYK, C. A. Avaliação crítica dos escores de risco. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 1-6, set.-dez. 2011.

PICCIRILLO, L. J.; GONÇALVES, M. D. F.; CLEMENTE, E. L.; GOMES, M. D. B. Marcadores de inflamação em pacientes com diabetes mellitus tipo 1. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 253-60, abr. 2004.

TEIXEIRA, B. C.; LOPES, A. L.; MACEDO, R. C. O.; CORREA, C. S.; RAMIS, T. R.; RIBEIRO, J. L.; OLIVEIRA, A. R. Marcadores inflamatórios, função endotelial e riscos cardiovasculares. Jornal Vascular Brasileiro, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 108-15, abr.-jun. 2014.

VELLOSA, J. C. R.; PARABOCZ, G. C.; MANENTE, F. A.; RIBAS, J. T.; LIMA, L. W. Alterações metabólicas e inflamatórias em condições de estresse oxidativo. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, São Paulo, v. 34, n. 3, p. 305-12, 2013.

WHO. World Health Organization. Global report on diabetes. Geneva, 2016. Disponível em: <http://apps.who.int/iris/bitstream/…/1/WHO_NMH_NVI_16.3_eng.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2017.

XAVIER, H. T.; IZAR, M. C.; FARIA NETO, J. R.; ASSAD, M. H.; ROCHA, V. Z.; SPOSITO, A. C.; FONSECA, F. A.; SANTOS, J. E.; SANTOS, R. D.; BERTOLAMI, M. C.; FALUDI, A. A.; MARTINEZ, T. L. R.; DIAMENT, J.; GUIMARÃES, A.; FORTI, N. A.; MORIGUCHI, E.; CHAGAS, A. C. P.; COELHO, O. R.; RAMIRES J. A. F. V Diretriz brasileira de dislipidemia e prevenção da aterosclerose. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 101, n. 4, p. 1-20, oct. 2013.

PERCEPÇÃO DA IMAGEM CORPORAL EM MULHERES NO ESTÁGIO DE CLIMATÉRIO OU MENOPAUSA

1Tamiris Costa Alves

1Silvana Nóbrega Gomes

1Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ)

Resumo

Verificar se mulheres de meia idade, em fase de climatério ou menopausa, possuem percepção da imagem corporal similar com o seu quadro original corpóreo. Participaram 40 mulheres voluntárias entre 40 a 55 anos, em fase de climatério ou menopausa. O estudo foi descritivo quantitativo de corte transversal. As participantes foram submetidas a um diagnostico do Índice de Massa Corporal (IMC), aplicação do questionário Menopause Rating Scale (MRS) e o Teste de Escala de Silhuetas para adultos. Os resultados mostrou que as participantes não estão com baixa qualidade de vida, pois não apresentou nos domínios (somato-vegetativo, psicológico e urogenital) sintomatologia severa, possuem IMC real de 27,38 kg/m² (±5,00) classificado como sobrepeso corporal e a média do IMC atual percebido foi 32,75 kg/m² indicando que as participantes julgam seus corpos com o IMC atual maiores que o IMC real (82,5%) não obtendo uma boa percepção de sua imagem corporal, e também possuem insatisfação corporal pelo excesso de peso ao comparar a silhueta atual com a que gostaria de ter e entre a silhueta atual com a ideal. A percepção da imagem corporal nas mulheres em estágio de climatério ou menopausa encontra-se negativa e insatisfeita por excesso de peso, e o IMC percebido das participantes está muito além do real, mesmo a maioria sendo praticantes de alguma atividade física.

Palavras-chaves: percepção corporal, climatério, menopausa.

Abstract

Verify whether middle-aged women, who are in the perimenopause or  menopause stage, have an accurate perception of their own body image. The study was cross-sectional and included 40 female volunteers aged between 40-55 years who were in perimenopause or menopause stage. Participants were submitted to a diagnosis of Body Mass Index (BMI), the questionnaire Menopause Rating Scale (MRS) and the Figure Rating Scale test for adults. These results showed that the participants did not have low quality of life because they did not show severe symptoms in the somatic-vegetative, psychological or urogenital areas. The participants had a mean real BMI of 27.38kg/m² (± 5.00), which is classified as overweight, but their mean perceived BMI was 32.75kg/m² with 82.5% of participants thinking their bodies had BMI greater than the actual BMI. We conclude that the perception of body image in women in perimenopause or menopause stage is negative and they are unhappy about being.

Key words: perception of body, climacteric, menopause

INTRODUÇÃO

O corpo humano vive em constantes transformações sendo muitas destas, perceptíveis a todos, e quando observamos os indivíduos do sexo feminino notamos claramente mudanças físicas, funcionais e fisiológicas. Uma das principais fases de vida de uma mulher é o climatério, fase essa, que antecede a menopausa, na qual pode-se definir como a ligação entre o estágio reprodutivo e o não reprodutivo, não sendo qualificado ainda como o seu último ciclo menstrual, diferente da menopausa natural que se caracteriza pelo último ciclo menstrual, ou seja, quando há ausência da menstruação (amenorréia), e para chegarmos a esse diagnostico é necessário ter ocorrido há 12 meses consecutivos ou mais (BRASIL, 2011).

A fase climatérica de uma mulher também está associada aos surgimentos dos estados depressivos e ansiolíticos, pois é uma de suas fases mais sensíveis, isso em decorrência da baixa de produção dos hormônios estrogênio e progesterona em seu corpo, que pode está aliado aos fatores externos como a condição sócia demográfica e econômica e o mau condicionamento físico da mulher (BORGES et al., 2014).

Nesse sentido, os fatores intrínsecos que aumentam os sintomas climatéricos da mulher são as disfunções menstruais, os sintomas vasomotores, os distúrbios psicológicos, as alterações cognitivas, as alterações tróficas, a redução óssea e as enfermidades (FONSECA et al., 2009).

A média de idade em que ocorre a fase de climatério se compreende entre os 35 até os 65 anos (NOTELOVITZ, 1986). Porém, a média de idade para a ocorrência da menopausa é de 51,2 anos (PEDRO et al.,2003).

Muitas mulheres não apresentam necessidade de utilizar medicamentos por não possuir sintomas de desequilíbrio hormonal transitórios de graus moderados ou severos, no entanto esses sintomas também estão diretamente ligados a sua percepção de imagem corporal, as relações interpessoais e as concepções futuras (BRASIL, 2011).

Atualmente a visão de um corpo idealizado pela sociedade influencia para que as mulheres que estão numa fase mais madura sintam-se excluídas, sozinhas e desmotivadas, pois seus corpos são vistos fora do padrão, não possuindo mais aquele vigor da juventude e a perfeição física. Contudo, as mulheres apenas passam por um período de transição e não perdem sua sensualidade com o passar dos anos (MAIA, 2011).

Existem grandes evidências que a mídia atua sobre os distúrbios alimentares e na imagem corporal, exigindo tanto corpos perfeitos como técnicas alimentícias errôneas. Atingir o padrão de modelo e os ideais de beleza vem sendo fixado no imaginário das mulheres através da mídia. (BOSI, et al., 2006)

E para se sentirem bem e charmosas, as mulheres podem criar várias estratégias para obter uma imagem positiva de seus corpos, como por exemplo, a busca incessante por dietas e a pratica de atividades físicas, todavia, por muitas vezes, ainda não conseguem esquecer aquela imagem de insatisfação com o seu corpo e a distorção corporal acaba sendo ocasionada.

A imagem corporal é um elemento que está atrelado à identidade pessoal, que levam às pessoas a transtornos psicológicos e sociais quando não apresentam certo grau de contentamento com seus corpos (MAIA, 2011).

Nossos pensamentos podem nos levar a realizar ações que inconscientemente podem nos prejudicar, ou seja, a imagem corporal possui característica dinâmica e mutável, pois retrata o corpo, uma entidade em constantes transformações, podendo ser reconstruída a partir de novas sensações que se somam às antigas (MAIA, 2011).

Diante de tamanha estereotipação de um corpo perfeito e consequentemente a fase jovem feminina em alta, o estudo objetivou verificar se as mulheres de meia idade, que se encontram na fase de climatério ou menopausa, possuem uma percepção da imagem corporal similar com o seu quadro original corpóreo.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Amostra

A amostra foi composta por 40 mulheres voluntárias na faixa etária compreendida entre 40 a 55 anos, que não tivessem realizado histerectomia total ou parcial e que estavam comprovadamente em fase de climatério ou menopausa, funcionárias do Centro Universitário de João Pessoa – UNIPÊ, alunas devidamente inscritas no projeto de extensão de Hidroginástica do UNIPÊ e alunas matriculadas na Academia Geração Saúde da cidade de João Pessoa/PB. A escolha destas foi feita aleatoriamente e por conveniência. Este estudo realizou-se de acordo com as normas regidas pelo Conselho Nacional de Saúde, na sua Resolução 466/2012, CAAE: 37962514.0.0000.5176.

Procedimentos

A coleta das amostras foi realizada durante duas semanas no local de atividade física ou de trabalho das participantes. Anteriormente foi agendada com cada participante e a coleta foi realizada em um local reservado e individualmente. Foi aplicado o questionário Menopause Rating Scale (MRS) que teve como objetivo identificar o grau de climatério e o Teste de Escala de Silhuetas para adultos, no qual a avaliada responderia a silhueta que mais se aproxima do seu corpo atualmente, a que melhor representa o corpo que desejaria ter e a que considera o modelo de corpo ideal. Para finalizar o processo de coleta da amostra, foi dada a ficha de dados, no qual continha algumas perguntas sócio demográfico e em seguida foi aferida a estatura (m) e do peso corporal (kg) para o cálculo do IMC.

O questionário Menopause Rating Scale (MRS) (HEINEMANN et al., 2004), refere-se à avaliação de aspectos relacionados à qualidade de vida através da sintomatologia do climatério, é um questionário válido internacionalmente com versão em português composto por 11 questões que relatam sintomas que são distribuídas em três domínios: sintomas somato-vegetativos, sintomas urogenitais e sintomas psicológicos, no qual se subdividem em sintomas mais prevalentes na fase do climatérico. A avaliada dava o seu parecer a cada sintoma apresentado de acordo com o que sentia atualmente, e o score total foi obtido com o somatório da pontuação de cada domínio, em que quanto maior a pontuação pior caracterizava a sua qualidade de vida. A classificação da intensidade do MRS se subdivide em: sintomatologia ausente (0-4 pontos), leve (5-8 pontos), moderada (9-15 pontos) ou severa (16 pontos).

A escala de silhuetas brasileira para adultos (KAKESHITA et al, 2009), criada e validada para adultos e crianças, consiste num conjunto de 15 figuras, e para cada uma dessas figuras é definida um valor médio de IMC, e este variam de 12 a 47,5kg/m² com acréscimos constantes de 2,5 pontos, ou seja, essa escala de silhuetas para adultos está diretamente relacionada ao IMC. Cada figura também possui um intervalo mínimo e máximo de IMC que pode variar de 11,25 a 48,75 kg/m². Essa escala foi desenvolvida por profissionais habilitados que através da computação gráfica e utilizando fotos de modelos reais no qual correspondiam aos referidos IMC desenharam as silhuetas. Para as participantes, foi mostrada essa escala, seguido de três perguntas: 1) qual silhueta ela achava que melhor representava seu corpo atual, 2) qual silhueta melhor representava o corpo que gostaria de ter e 3) qual silhueta considerava o modelo de corpo ideal.

Desse modo, foi verificada sua percepção de imagem corporal, comparando seu IMC real com o IMC que julgou ser o atual. E também para verificar a satisfação ou a insatisfação com a imagem corporal utilizou-se a diferença entre a silhueta real com a que gostaria de ter e também a silhueta real com a ideal. Quando a diferença foi igual à zero, o indivíduo foi classificado como satisfeito, quando igual a 1, como insatisfeito pelo excesso de peso, e quando 2, como insatisfeito pela magreza. E também foi através das escolhas das figuras que obtivermos o IMC que a participante considerava atual em relação a ela, o IMC desejado e o IMC ideal.

Para obter a variável do Índice de Massa Corporal (IMC) (WHO, 1997), foi necessário verificar a altura (m), utilizando um estadiômetro personal capriche portátil da marca Sanny, e o peso corporal (kg), usando uma balança digital da marca camry devidamente calibrada, e assim foi realizado o seguinte cálculo: IMC = Peso (Kg) / Altura (m2), dependendo do resultado do cálculo esse pode ser classificado em: abaixo do peso (valores < 18,5), peso normal (valores entre 18,5 – 24,9), sobrepeso (valores entre 25,0 – 29,9), obesidade grau I (valores entre 30,0 – 34,9), obesidade grau II (valores entre 35,0 – 39,9) e obesidade grau III (valores ≥ 40,0).

Análise estatística

Os dados são descritivos, estão expressos em valores percentuais, apresentados em gráficos de colunas e tabelas de frequências, os quais foram obtidos pelo programa Excel. Para tabulação dos dados e atribuir os pontos as respostas dos participantes, foi utilizado os procedimentos indicados pelos protocolos dos próprios instrumentos.

 

RESULTADOS

Os resultados mostraram que de acordo com a tabela 1, no qual apresenta as características demográficas da população estudada, em que 60,0% das participantes são casadas, e 95% não realizam terapia de reposição hormonal (TRH), em relação à quantidade de filhos 60% possui de 2 a 3 filhos, já no estado menopausal, a maior parte se encontra em climatério (79,3%), enquanto que 20,7% já estão na fase da menopausa e em relação à classificação do IMC real das participantes nota-se que a faixa de sobrepeso apresentou a maior porcentagem (45%) e em sequência a classificação peso normal com 32,5%.

Tabela 1. Características demográficas da população estudada (n=40).

Na tabela 2 são apresentadas as médias e os desvios padrão da idade, IMC real, e os apontados como o atual, desejado e ideal. A média de idade do estudo foi de 46,48 anos (±5,16) e o IMC real foi de 27,38kg/m² (±5,00). Porém, no IMC que foi apontado como o atual nas participantes, a média foi de 32,75kg/m², o IMC desejado ficou em 27,5kg/m² e já a média do IMC ideal consistiu em 25,06kg/m². Isso mostra que as participantes julgam seus corpos maiores do que são realmente, no qual seus corpos possuem a média do IMC real próximos ao IMC desejado, e possuem pouca diferença para o IMC que estimam como o ideal.

Tabela 2. Média e Desvio padrão da idade, do IMC Real e IMCs apontados como Atual, Desejado e Ideal.

A figura 1 ilustra a satisfação ou a insatisfação das participantes através do Teste de Escala de Silhuetas para Adultos, no qual a relação das silhuetas consideradas atuais e a que gostaria de ter estava 82,5% insatisfeita pelo excesso de peso, bem como a relação das silhuetas consideradas atuais com a que achava ideal também estavam insatisfeitas pelo excesso de peso com 87,5%.

Figura 1. Satisfação ou insatisfação da imagem corporal através do Teste de escala de silhuetas para adultos.

Observando a figura 2, no qual apresenta a percepção corporal das participaram, do número total da amostra (n=40), 33 (82,5%) não obtiveram uma boa percepção corporal, enquanto que 7 (17,5%) conseguiram obter uma boa percepção corporal, ou seja, responderam adequadamente qual era a figura na escala de percepção que representava seu IMC atual de acordo com o IMC real.

Figura 2. Percepção corporal das participantes através do Teste de escala de silhuetas para adultos.

Os dados do questionário de Qualidade de Vida no Climatério – Sintomas de Menopause Rating Scale (MRS) considerou que no domínio somato-vegetativo, as participantes ficaram entre a sintomatologia ausente e leve, 50% e 40%, respectivamente. Quanto ao domínio psicológico a maioria ficou com a sintomatologia ausente, com 57,5%. No domínio urogenital, 92,5% das participantes classificou com sintomatologia ausente. Enquanto isso, nenhum domínio registrou a sintomatologia severa.

Tabela 3. Avaliação do questionário de qualidade de vida no climatério – sintomas de Menopause Rating Scale (MRS).

DISCUSSÃO

No presente estudo, buscou-se verificar a percepção da imagem corporal em mulheres que estavam na fase climatérica ou na própria menopausa com o seu atual quadro corpóreo. Utilizando de uma escala de percepção de imagem corporal para adultos, que associa a variável IMC, vimos que 82,5% não obtiveram uma boa percepção de sua própria imagem, pois de acordo com esta, a maior parte da amostra não soube apontar qual realmente é o seu corpo real, bem como estão insatisfeitas com seus corpos pelo excesso de peso tanto na relação da silhueta atual com a que gostaria de ter como a relação da silhueta atual com a que considera a ideal.

Em contrapartida (LIMA, 2009) em um estudo concretizado com as acadêmicas da 3ª idade adulta da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), utilizando de 21 participantes com idades entre 45 a 55 anos, buscou estudar os aspectos da imagem corporal em mulheres na menopausa integradas a um programa anual de educação para o envelhecimento para a 3ª idade adulta da UFAM, utilizando de uma escala de auto percepção de bem-estar e também de uma avaliação da capacidade física percebida, assim constatou que a imagem corporal dessas acadêmicas encontrava-se positiva, não corroborando com esse estudo, talvez por não utilizar uma escala de silhuetas.

Entretanto, apoiando esse estudo (MIRANDA, et al, 2012) verificou a prevalência de insatisfação corporal em universitários de diferentes áreas de conhecimento, bem como a relação com sexo e com estado nutricional, utilizando de escala de silhuetas para adultos, resultou que na maioria dos indivíduos de ambos os sexos foram classificados como insatisfeitos (76,6%) com sua imagem corporal. Um estudo (FERRARI, 2012) que também corrobora com este, em relação à insatisfação da imagem corporal pelo excesso de peso, no qual participaram 236 universitários e que objetivou verificar a associação entre a percepção da imagem cor­poral e os estágios de mudança de comportamento para atividade física em acadêmicos de Educação Física, resultou que 54,1% das mulheres estão insatisfeitas com o seu peso, mas vale salientar que nesse estudo foi realizada apenas a relação da silhueta considerada atual com a ideal, diferenciando desse estudo que também relacionou a silhueta considerada atual e a que gostaria de ter.

Analisando o parâmetro antropométrico, o IMC, verificamos que a média para o IMC real das participantes desse estudo foi de 27,38 kg/m² (±5,00) sendo a amostra classificada como sobrepeso corporal, contradizendo com um estudo realizado com 200 mulheres climatéricas, de 40 a 65 anos, (Gallon e Weder, 2012) que objetivou associar a qualidade de vida com o estado nutricional da mulher climatérica no qual obteve uma média de IMC de 30,1 kg/m² sendo caracterizada como obesidade grau I. Através de um estudo descritivo (Borges, et al, 2014) que caracterizou o estudo do perfil antropométrico e clínico associados à qualidade de vida em mulheres no climatério, verificou que dentre a sua amostra (n=340) com idade entre 40 e 65 anos, apresentou 36,2% das participantes com sobrepeso e 29,4%, com obesidade, apoiando este estudo.

Os resultados do questionário MRS em relação à qualidade de vida no climatério consideraram que no domínio somato-vegetativo (falta de ar, suores ou calores, mal estar no coração, problemas com sono, problemas articulares e musculares), as participantes ficaram entre a sintomatologia ausente e leve, 50% e 40%, respectivamente, diferentemente num estudo (Gallon e Weder, 2012) que obtiveram nesse domínio a sintomatologia moderada (36,5%) e severa (34,5%).

Quanto ao domínio psicológico (estado depressivo, irritabilidade, ansiedade e esgotamento físico e mental) a maioria ficou com a sintomatologia ausente, com 57,5%. Não corroborando com esse estudo (Rocha, et al, 2014) buscou identificar o perfil sociodemográfico e antropométrico e comparar a qualidade de vida de mulheres climatéricas com as classificações da CA (circunferência abdominal) e o IMC, obteve nos resultados que tanto o domínio psicológico como nos demais domínios, somato-vegetativo e urogenital, se classificaram como sintomatologia moderada.

No domínio urogenital (problemas sexuais, problemas urinários, ressecamento vaginal), 92,5% das participantes classificou com sintomatologia ausente. Se contrapondo com Gallon e Weder, 2012 que apresentou 64% das pacientes com sintomas de severidade.

Os resultados encontrados e a análise dos estudos citados confirmam que as participantes deste estudo não estão com baixa na qualidade de vida no climatério ou na menopausa, tão pouco, estão muito acima do peso corporal, indicando que a insatisfação corporal e a má percepção da imagem corporal podem ser provenientes da grande cobrança da busca pelo corpo perfeito amplamente inserido pelos meios de comunicação.

CONCLUSÃO

Concluímos que a percepção da imagem corporal nas mulheres em estágio de climatério ou menopausa encontra-se negativa e insatisfeita pelo excesso de peso. Também foi verificado que as participantes não estão com baixa qualidade de vida no climatério, pois não apresentaram nos domínios sintomatologia severa. Todavia, a média de IMC real não estava demasiadamente elevada, visto que a maioria das participantes realiza algum tipo de atividade física.

As participantes não reconhecem seus corpos como realmente são, e escolheram uma figura na escala de percepção corporal maior do que são na realidade. Sugere-se a elaboração de intervenções voltadas a trabalhos de aceitação corporal, trabalhando aspectos psicológicos, de maneira que as participantes percebam como realmente são e contribuindo para alcançar uma melhor qualidade de vida, sem levar tanto em conta o que a mídia e a sociedade colocam como “padrão de beleza”, mas como será alcançada a saúde mental e física dos indivíduos.

REFERÊNCIAS

BORGES, R. Dourado, et al. Caracterização do perfil antropométrico e clínico associados à qualidade de vida em mulheres no climatério. Anais do 2ºEncontro Internacional de Pesquisadores: esporte, saúde, psicologia e bem-estar. Edição1–Ano Edição–2014. Tipo de Suporte – INTERNET–Editor (a) EDITORA UNIMONTES. Disponível em: http://eipse.com.br/upload/Anais_ONLINE.pdf

BOSI, M.L.M.; et al. Auto percepção da imagem corporal entre estudantes de nutrição: um estudo no município do Rio de Janeiro. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v.55, n.2, p.108-13, 2006.

BRASIL, Ministério da Saúde do. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas. Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. 1ª Edição. Série C. Projetos, Programas e Relatórios. Brasília – DF: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

FERRARI, E. P., et al. Associação entre percepção da imagem corporal e estágios de mudança de comportamento em acadêmicos de educação física. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2012, 14(5):535-544.

FONSECA, A M; et al. A Dúvida do ginecologista: prescrever ou não hormônios na mulher no climatério?. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 55, n. 5, 2009.

GALLON, C. W.; WEDER, M. C. O. Estado nutricional e qualidade de vida da mulher climatérica. Ver Bras Ginecol Obstet. 2012; 34(4):175-83.

HEINEMANN K, et al. The Menopause Rating Scale (MRS): a methodological review. 2004. Available from: http:// www.hqlo.com/content/2/1/45.

KAKESHITA, I. S., et al. Construção e Fidedignidade Teste-Reteste de Escalas de Silhuetas Brasileiras para Adultos e Crianças. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, Abr-Jun 2009, Vol. 25 n. 2, pp. 263-270

LIMA, I. F. de. Imagem corporal de acadêmicas da 3ª idade adulta na menopausa. Manaus: PIBIC, 2009.

MAIA, M. F. M. Auto percepção de imagem corporal por mulheres jovens adultas e da meia-idade praticantes de caminhada. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde V 16, N 4. 2011.

MIRANDA, V.P.N., et al. Insatisfação corporal em universitários de diferentes áreas de conhecimento. J Bras. Psiquiatr. 2012; 61(1):25-32.

NOTELOVITZ, M. Climacteric medicine and science. A societal need. In: Notelovitz M. The Climacteric in Perspective, Lancaster, M. T. P. Press, 1986: 19-21.

PEDRO, A. O. et al. Idade de ocorrência da menopausa natural em mulheres brasileiras: resultados de um inquérito populacional domiciliar. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(1):17-25, jan-fev, 2003.

Questionário Menopause Rating Scale (MRS). Versão em português Disponível em: http://www.hqlo.com/content/supplementary/1477-7525-1-28-s9.pdf

ROCHA, et al, 2014. Perfil antropométrico e qualidade de vida em mulheres climatéricas. Arq Catarin Med. 2014 jan-mar; 43(1): 60-64.

TAIROVA, O. S.; LORENZI, D. R. S. Influência do exercício físico na qualidadede vida de mulheres na pós-menopausa: um estudo caso-controle. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., RIO DE JANEIRO, 2011; 14(1):135-145

THOMAS, J.R.; NELSON, J.K.; SILVERMAN, S.J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

WHO. World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the Global Epidemic – Report of a WHO Consultation on Obesity, June 1997, Geneva.

INFLUÊNCIA DOS JOGOS E BRINCADEIRAS PARA OS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA ESCOLA MUNICIPAL NERASI MENIN CALZA

Jozias Fortunato1

Aluísio Menin Mendes1

Rodrigo Poderoso de Souza2

Ana Carolina Gleden Poderoso2

Rogerio Caldeira3

 

1Instituto Federal do Paraná (IFPR).

2Universidade Norte do Paraná (Unopar).

3Universidade Federal do Paraná (UFPR).

 

RESUMO

Introdução: Os jogos e brincadeiras são inerentes aos seres humanos. Atividades como correr, saltar, lançar, empurrar, puxar, dentre várias outras, trouxeram inúmeros benefícios para os indivíduos que delas se apropriaram ao longo do tempo. No contexto escolar esse conteúdo pode ir muito além do aspecto “recreativo”, pois, propõem várias práticas corporais que podem conduzir os alunos a um bom acervo motor, afetivo e cognitivo, fazendo com que se desenvolvam e se tornem adultos saudáveis. Objetivo: O mesmo objetiva, analisar a influência dos Jogos e Brincadeiras para o desenvolvimento das capacidades físicas relacionadas à saúde destes escolares. Metodologia: Caracteriza-se como estudo experimental, quantitativo e descritivo, realizado entre abril e setembro de 2016, com uma amostra de 64 alunos, sendo 29 meninos e 35 meninas ambos da rede pública municipal de ensino de Palmas – PR. Utilizou-se para mensurar as capacidades físicas relacionadas à saúde, a bateria de testes do Projeto Esporte Brasil (PROESP – BR 2012), os instrumentos de coleta de dados foram os testes de flexibilidade: sentar e alcançar sem banco de Wells, força/resistência muscular localizada: nº de abdominais em 1 minuto – Sit-up, aptidão cardiorrespiratória: teste de corrida ou caminhada de 6 minutos e para composição corporal: utilizou-se o índice de massa corporal (IMC). Conclusão: Houve melhora em alguns componentes relacionados à saúde. Em contrapartida, não houve melhora em outros, podendo estes, estar relacionado com variáveis que fogem do controle desta pesquisa, interferindo negativamente nos resultados destes componentes. Desta forma, sugerem-se mais estudos a respeito desse tema, com um controle mais rígido de algumas variáveis.

Palavras – chave: Jogos e Brincadeiras. Educação Física Escolar. Aptidão Física.

INTRODUÇÃO

Jogos e Brincadeiras no contexto escolar, para muitos, palavras que remetem somente a diversão, sem nenhum benefício por trás de sua temática. Este pode ser um ponto que o trabalho poderá desmistificar; o entendimento de que através deste conteúdo não se consegue educar, que são meras práticas sem nexo algum. No entanto, sabe-se através da literatura histórica que desde os primórdios da humanidade todos os seres, aprenderam e se desenvolveram também através de Jogos e Brincadeiras onde tinham que correr, saltar, esquivar, chutar, receber, empurrar, puxar e lançar. (DUMITH; SILVEIRA, 2010). Portanto estas são algumas atividades inerentes da humanidade. Sendo assim, acredita-se que os Jogos e Brincadeiras, dentro do ambiente escolar, podem proporcionar esse tipo de aprendizado, fazendo com que a criança se divirta realizando-as e ainda beneficie-se de uma manutenção fisiológica adequada para sua formação através dessas práticas orientadas pelo profissional de Educação Física Escolar.

Dentro deste viés, nota-se que são poucos os conhecimentos que os leigos têm em relação aos Jogos e Brincadeiras, sendo este, um conteúdo da Educação Física Escolar que as crianças adoram. Não entendendo os fins destas práticas, muitas vezes professores de sala de aula usam esse apreço da criança pela Educação Física como forma de castigá-la, suprimindo a sua participação nas aulas.

Diante disso, sabe-se que o professor que trabalha com Jogos e Brincadeiras, bem como outros conteúdos de sua prática, deve ter argumento forte para defender a participação do aluno na mesma. Pois se ele não realizar a aula, o professor estará privando o mesmo de várias práticas corporais que provavelmente irão repercutir de forma negativa em seu processo de desenvolvimento. Cabendo ai um diálogo entre esses dois profissionais, para que aja um consenso sobre as reais importâncias dos Jogos e Brincadeiras como conteúdo da Educação Física e como ele pode interferir de maneira positiva ou não na aptidão física relacionada à saúde dos escolares, bem como no seu rendimento em sala de aula.

Os Jogos e Brincadeiras, são capazes de trazer vários benefícios para os escolares, portanto, a escola que oportunizar essas práticas corporais como conteúdo programático da Educação Física, estará incentivando o desenvolvimento psicossocial, psicomotor e afetivo de seus alunos. Sendo assim, dentro do contexto escolar esse conteúdo não é caracterizado somente como atividades de diversão, pois, vai além do quesito motor da criança e invade outras esferas de desenvolvimento. O mesmo apresenta-se também como forma de fortalecer a interação da Educação Física com a criança, onde, proporciona-o um momento vivido e mais lembrado da sua infância, podendo possibilitar ações preventivas através do lúdico contra ameaças à integridade física, social e emocional enquanto pequeno cidadão tornando-o assim mais saudável.  (CORDAZZO; VIEIRA, 2008; AWAD, 2010).

No que se refere a um indivíduo saudável, com uma boa Aptidão Física (AF) relacionada à saúde, sabe-se que atualmente as crianças que não brincam adequadamente, parecem ser mais suscetíveis a desenvolverem patologias degenerativas em idade adulta. Sendo assim, as práticas corporais dos Jogos e Brincadeiras, podem contribuir para uma vida fisicamente mais ativa, pois, se a criança está motivada a praticar as atividades propostas dentro das aulas de Educação Física, tem-se a possibilidade de adquirir hábitos saudáveis de vida e levar esses para a fase adulta. Porém, o contrário é verdadeiro, se os alunos não conhecem os Jogos e Brincadeiras, bem como outros conteúdos da Educação Física e não tem o gosto pela aula, provavelmente serão adultos não adeptos aos exercícios físicos. (GUERRA et al., 2003; DARIDO; RANGEL, 2011).  Em consonância com essa ideia, salientam Dumith e Silveira, (2010, p. 07), que “ao mesmo tempo em que crianças saem da escola sabendo muito pouco sobre o movimento, também saem fazendo quase nada de exercícios”.

Através desses apontamentos, pressupõe-se que esse conteúdo da Educação Física Escolar, pode conter em sua essência uma forma adequada de desenvolver as capacidades físicas que norteiam a aptidão física relacionada a saúde. Entretanto, o mais importante é que pode ser de uma forma divertida e prazerosa, levando os alunos a adquirir o hábito de se exercitar ao longo de sua vida. Deste modo, o presente estudo tem por objetivo, analisar se os Jogos e Brincadeiras terão influência positiva no desenvolvimento das capacidades físicas relacionadas à saúde dos escolares. Justificando-se este estudo, pelo fato de que os Jogos e Brincadeiras, no contexto da Educação Física Escolar podem ser um meio de fácil utilização e acesso aos professores desta área e pode ser realizado em diferentes espaços. Podendo também, proporcionar aos outros profissionais da Educação uma visão de que este conteúdo não é somente uma mera diversão e entretenimento para as crianças. Mas, que dentro deste são trabalhados vários aspectos que, de uma forma divertida, o profissional de Educação Física Escolar, consegue proporcionar de forma unificada vivências instrucionais psicomotoras, afetivas e cognitivas como descrito pela Taxionomia de Bloom que salienta os fins instrucionais inerentes à educação nas três esferas já mencionadas. (BLOOM,1972[1] apud FERRAZ et al., 2010). Tudo isso, para que continuamente estes alunos se desenvolvam e se tornem indivíduos mais saudáveis.

Diante do exposto, isto nos remete a tentar compreender se os Jogos e Brincadeiras contribuem na melhora das capacidades físicas que permeiam a aptidão física relacionada à saúde. Esse é um apontamento que o presente trabalho irá procurar responder. Sendo assim, acredita-se que este estudo poderá ser importante, uma vez que buscará descobrir se este conteúdo da Educação Física é capaz de desenvolver essas capacidades físicas por um período curto de tempo.

JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Os Jogos e Brincadeiras são considerados patrimônio cultural da humanidade, pois, sabe-se que desde a antiguidade os seres humanos jogam e brincam, vestígios disso que ficaram gravados nas cavernas em pinturas rupestres que comprovam este fato. (DARIDO; RANGEL, 2011; DARIDO; SOUSA JUNIOR. 2013). Além disso, brincar é um direito que a criança tem entendido pelo mundo todo e reconhecido, no Brasil também está explícito no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), sendo elencado como um dever dos governantes proporcionar essa situação a todas as crianças e adolescentes. (BRASIL, 2014).

Como conceito, os Jogos e Brincadeiras consistem em várias práticas corporais que organizadas, auxiliam a vida social, afetiva, cognitiva e psicomotora de toda a criança, desta forma, contribui para o desenvolvimento global da mesma. A literatura salienta que estas práticas, devem buscar suprir as necessidades ou estados de carências em que muitas vezes as crianças passam, podendo contribuir para uma melhor qualidade de vida das mesmas. (MELHEM, 2012).

Sendo assim, os Jogos e as Brincadeiras, independente da sua modalidade, são uma imensa fonte de estímulo para o desenvolvimento das crianças, descobertas de habilidades, potencialidades bem como manutenção da saúde. (CORDAZZO; VIEIRA, 2008; CORDAZZO, et al. 2010; GOMES, 2012). Portanto, quando conceituados separadamente os Jogos e Brincadeiras, temos as seguintes definições: o Jogo caracteriza-se pela presença de regras, tem um início e um fim, tem um objetivo, pode-se envolver dois ou mais jogadores, existir um vencedor e um perdedor, deve ser interativo, ou seja, seus integrantes podem se comunicar entre si. Desta forma, é uma atividade que exige tanto do aspecto psicomotor, afetivo e social caracterizando o mesmo como uma ferramenta educacional no ambiente de ensino. (NICOLAU, 1994; KISHIMOTO, 1996; VELASCO, 1996; ALMEIDA; SHIGUNOV, 2000; AWAD, 2010; MELHEM, 2012).

Já a Brincadeira, conceitua-se como uma atividade que caracteriza-se pela espontaneidade de quem participa, não tem um tempo pré-definido para terminar e começar, pode ou não existir um ganhador, as regras podem ser modificadas a qualquer momento, tem muito a presença da ludicidade, pode ser classificadas de várias formas, ex.: brincadeiras de cooperação, integração, sociabilização, inclusão dentre várias outras, podem ser utilizadas com vários fins, seja ele educacional, motivacional ou de manutenção da saúde. (FREIRE, 2002; KISHIMOTO, 2002; SILVA; FARIAS et al., 2010; AWAD, 2010).

No que tange o aspecto de atividades físicas estarem relacionadas com a saúde, segundo Civitate, (2012, p. 5), “existe uma antiga e interessante polêmica sobre os resultados do trabalho lúdico a nível de crianças e adolescentes”. Pois, nesta fase dos 7 a 10 anos aproximadamente, estes, estão passando pelo processo de formação de sua personalidade, definirão aí se eles irão interiorizar o desejo pela atividade física ou não. Portanto o brincar é um recurso que pode auxiliar no desenvolvimento das potencialidades e as habilidades destes. Através de atividades lúdicas evidenciadas por Jogos, Brincadeiras e Brinquedos, que proporcionam o prazer e intrinsecamente informações que contribuam para o desenvolvimento da saúde. Podem também levar ao aperfeiçoamento das habilidades físicas das crianças e consequentemente outras necessidades como psicomotoras, sociais e culturais. (CORDAZZO, et al. 2010; AWAD, 2010). Nessa perspectiva:

Incentivar a criança desde os primeiros anos de vida a praticar e participar de atividades físicas (especialmente os jogos e atividades recreativas), é motivo pelo qual, isso se torna um dos melhores investimentos que se pode fazer para promoção da saúde de futuros adultos, pois, os benefícios são muitos, inclusive o desenvolvimento social, emocional, corporal e mental, sem contar o organizacional. (RAMPAZZI; GUARIZI; SOUSA, 2012).

Desse modo, no contexto da educação dentro da escola, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s), selecionam práticas da cultura corporal que têm presença marcante na sociedade brasileira como os Jogos e Brincadeiras, cuja as aprendizagens favorecem a ampliação das várias capacidades, interação sociocultural, possibilidades de lazer, promoção e manutenção da saúde pessoal e coletiva. Sendo assim, se empregados de forma lúdica, tornam-se uma chance de desenvolvimento cognitivo no qual a criança experimenta, expõe, inventa, aprende e atribui habilidades. Além de incitar a curiosidade, a autoconfiança e a autonomia, proporcionam o desenvolvimento da linguagem, do pensamento, da concentração e atenção. (BRASIL, 1997; BETTI; ZULIANI, 2002; OLIVEIRA; HACKBART, 2013).

Seguindo esta linha de pensamento, é preciso levar em conta que a atividade corporal é fundamental na vida da criança e as diferentes competências com as quais as crianças chegarão e sairão da escola são determinadas pelas experiências corporais que terão oportunidade de vivenciar. Neste sentido, se não puderam brincar, conviver com outras crianças, explorar diversos espaços, provavelmente suas competências serão restritas. Deste modo, para um bom desenvolvimento do aluno, deve-se privilegiar o desenvolvimento das habilidades motoras básicas, com Jogos e Brincadeiras de variados tipos e atividades de auto testagem. Portanto, é função da instituição de ensino em proporcionar as crianças um tempo maior em contado com esses conteúdos, bem como a ludicidade. (BRASIL, 1997; BETTI; ZULIANI, 2002; GOMES, 2012; VIRGILIO, 2015).

Para complementar o que dizem os estudiosos da educação, cabe salientar que esta função da escola está explicita também na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), onde todas as crianças tem direito de aprendizagem como conviver, brincar, participar, explorar, comunicar e conhecer-se, através da cultura corporal de movimento. Outro ponto que deve-se destacar é que segundo PCN’s, os Jogos e Brincadeiras fazem parte dos conteúdos do 1° ao 5° ciclo de educação básica, desde as simbólicas até as regradas, sendo que em alguns ciclos esse conteúdo se apresenta com outros nomes como: Recreação, Práticas Corporais alternativas e etc. Porém, todas com os mesmos objetivos. (BRASIL, 1997; BRASIL, 2015).

APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA À SAÚDE

Segundo Gallahue e Ozmun (2005, p. 284), “a resistência aeróbia, a força muscular, a resistência muscular, a flexibilidade das articulações e a composição corporal são componentes da aptidão física relacionada à saúde”. Portanto, a aptidão física relacionada a saúde é algo transitório, que não está diretamente ligado a habilidade atlética, ou alto nível dessas variáveis, visa a melhora e manutenção dos níveis adequados à saúde. Neste sentido, este tipo de aptidão é resultante de atividade física regular e estas atividades trazem benefícios às crianças, seus componentes são importantes para redução de doenças crônicas e melhora no desempenho das mais variadas atividades. (GALLAHUE; CLELAND, 2008; CORBIN1; PANGRAZI, 2003 apud HULSHOF, 2012; NIEMAN, 2011).

No que diz respeito a esta fase, denominada de segunda infância, que abrange dos 7 aos 12 anos de idade, apresenta rápidos ganhos de aprendizado e performance de habilidades motoras. Algo natural pois passam por grandes transformações decorrentes do crescimento e desenvolvimento. Inclusive é importante considerar que há aspectos relacionados à saúde física, afetiva e intelectual do ser humano. Portanto, no aspecto físico abrange-se as habilidades motoras e sensoriais que a criança necessita desenvolver para sobreviver e adaptar-se com saúde. No quesito relacionado as capacidades motoras, nota-se que a melhora constante das mesmas, significa a aquisição da sua independência e a capacidade de se adaptar a fatos sociais. (GALLAHUE; CLELAND, 2008; CORDAZZO; VIEIRA, 2008; GOMES, 2012; SILVA; DOUNIS, 2014).

Conforme se observa, cabe salientar aqui, que existem períodos sensíveis para se desenvolver estas capacidades físicas com maior aproveitamento. A aptidão cardiorrespiratória (resistência aeróbica) tende a melhorar na faixa etária entre 18 e 20 anos. No quesito força muscular, os períodos de maior aumento da força em crianças é contínuo, porém, por volta dos 12 anos em meninos o aumento e considerável, já em meninas por volta dos 15 anos de idade. Resistência muscular, os meninos tendem a obter melhoras ano a ano como as meninas, porém, as meninas os superam por um período curto entre 10 e 11 anos, justamente pelo fato de entrarem na puberdade mais cedo. A flexibilidade em meninos começa a declinar por volta dos 10 anos de idade e em meninas, por volta dos 12 anos. (CLARKE, 1975 apud GALLAHUE; OZMUN, 2005; NIEMAN, 2011; VIRGILIO, 2015).

RESISTÊNCIA AERÓBICA

Também denominada de resistência aeróbia. Capacidade física, onde, quando se realiza um exercício por um longo período de tempo, o organismo obtém oxigênio suficiente para queima oxidativa de substâncias energéticas através do funcionamento do coração, dos pulmões e do sistema vascular caracterizando-se como resistência aeróbica. Sendo assim, os sistemas cardiovascular e respiratório fornecem oxigênio em uma atividade prolongada, capaz do indivíduo realizar numerosas repetições exigindo uso considerável desses sistemas. Normalmente, com variações de métodos o treinamento dessa valência, leva-se em média geral de 3 a 5 meses para desenvolver-se com uma frequência semanal de duas vezes por semana. (WEINECK, 2003; GALLAHUE; OZMUN, 2005; GALLAHUE; CLELAND, 2008; NIEMAN, 2011).

Em crianças e adolescentes, deve-se notar o período sensível desta capacidade física, pois cabe salientar aqui, que as estimativas de resistência aeróbica, são tênues em crianças pequenas, pois, podem atingir índices elevados de resistência aeróbica semelhantes aos adultos quando corrigidos por peso corporal. Existe uma tendência para melhores valores em meninos do que meninas. Nas meninas o nível estabiliza por volta dos 12 anos de idade. Os meninos continuam a melhorar até os 16 anos. Estes níveis tanto em meninas quanto meninos, tendem a permanecer após estes períodos sensíveis. Neste sentido, estudos relatam que até os 12 anos de idade, as atividades para melhora dessa aptidão, devem ser de cunho lúdico e prazeroso através de brincadeiras de correr, dançar, pular e até nadar se possível. (MALINA; BOUCHARD, 2002; GALLAHUE; CLELAND, 2008; VIRGILIO, 2015).

FORÇA / RESISTÊNCIA MUSCULAR

Força, componente da aptidão física relacionada à saúde referenciada pela capacidade de um músculo ou grupo muscular exercer força máxima contra uma resistência. Resistência Muscular, capacidade de um músculo ou grupo muscular exercer força por determinado período contra uma resistência que é inferior a resistência máxima que você é capaz de mover. Crianças que na escola através de Jogos e Brincadeiras, realizam flexões de cotovelo em atividades ou mesmo no solo, flexões de cotovelo em suspensão na barra fixa e abdominais, estão de fato realizando trabalho de Força e Resistência Muscular, porém através da ludicidade. Estas são atividades que podem levar as crianças a aprender os gestos técnicos para se realizar testes que podem ser utilizados para mensurar o nível dessas capacidades em crianças, tornando o resultado mais fidedigno. (MALINA; BOUCHARD, 2002; GALLAHUE; OZMUM, 2005; NIEMAN, 2011; VIRGILIO, 2015).

Em relação aos ganhos de Força muscular ambos os gêneros obtém ganhos iguais até os 12 anos de idade, porém meninas tendem a melhorar por volta dos 14 anos. Já a resistência muscular na infância, meninos e meninas apresentam níveis semelhantes até os 12 anos de idade, porém, grandes aumentos nos meninos acontecem dos 12 aos 16 anos, as meninas não apresentam ganhos satisfatórios sem treinos depois dos 12 anos. Tendo em vista que um grande percentual do público feminino é menos ativo que o masculino. (MALINA; BOUCHARD, 2002; GALLAHUE; CLELAND 2011; VIRGILIO, 2015). Para um bom treinamento de força e resistência muscular, deve-se estabelecer os tipos de exercícios, duração, frequência e intensidade dos mesmos. Com crianças e adolescentes uma sequência de exercícios rotineiros seria além de desagradáveis, desestimulantes, a criança não é adulto em miniatura, portanto se difere quantitativamente e qualitativamente dos mesmos. (CLAPAREDE, 1934 apud WEINECK, 2003). Elas não precisam de um motivo, mas querem simplesmente se divertir. Portanto, deve-se planejar o treinamento com a maior criatividade de exercícios lúdicos e eficazes. Pois, para uma criança que não faz nada relacionado a força/resistência muscular significativamente nos reportando, de 2 ou 3 vezes na semana exercícios de força e resistência fariam bem à saúde da mesma, em 12 a 16 semanas já teria um resultado interessante. Levando em consideração que o treinamento de força e resistência lúdicos e planejados, poderiam auxiliar na proteção das articulações, pois aumenta a estabilidade nas mesmas, permitem um crescimento mais adequado devido ao fato de que o tecido muscular exige que a estrutura óssea se calcifique mais rápido para adaptação do novo nível de força, o bom condicionamento da região abdominal das crianças, evita que as mesmas venham a sofrer com problemas de desvios posturais na coluna vertebral,  afim de evitar lesões em diferentes práticas de exercícios dentro das aulas de Educação Física e em seu dia a dia. (NORRIS, 1998; RHEA, 2009; LIMA, et al., 2014).

FLEXIBILIDADE

No que tange essa valência física, seria a capacidade que as articulações móveis do corpo tem de realizar amplitude máxima adequada de modo irrestrito em toda a amplitude de movimento, para inclinar, estender, torcer e girar. Sobre as características de ganho de flexibilidade em crianças, as meninas tendem a ser muito mais flexíveis do que meninos devido a produção de hormônios que facilitam a extensibilidade dos tecidos moles do corpo, mas, a falta de atividade física na infância e adolescência, podem fazer com que isso se reverta e com o passar da idade isso se torne um problema. Portanto, a flexibilidade em crianças obtém um rendimento estável dos 5 aos 8 anos de idade, após isso diminui-se um pouco até os 12 anos de idade em ambos os gêneros, após essa idade constata-se ganhos ainda até os 18 anos. Depois a flexibilidade declina em ambos os gêneros se não forem estimuladas em práticas corporais. Porém, as meninas tem um declínio até os 12 anos somente, se sobressaindo sobre os meninos em todas as idades. (MALINA; BOUCHARD, 2002; GALLAHUE; OZMUN, 2005; ACHOUR JUNIOR, 2009; MINATTO, 2010; GALLAHUE; CLELAND, 2011; VIRGILIO, 2015). Um programa de treinamento de flexibilidade requer no mínimo 2 ou 3 vezes na semana, para que tem obtenham ganhos satisfatórios e notáveis em 5 ou 6 meses, lembrando que para essa valência física seria necessário trabalhos de alongamentos todos os dias para otimizar os ganhos em menos tempo. (ACHOUR JUNIOR, 2009; BARBANTI, 2010; NIEMAN, 2011; MILLER, 2015).

COMPOSIÇÃO CORPORAL

Ao longo do tempo, ficou conceituada composição corporal como: a proporção de gordura que o corpo tem, em relação a massa muscular e os outros tecidos do corpo humano. Portanto, quando se estuda um determinado público como as crianças, deve-se pensar que elas estão em constantes alterações, físicas, psíquicas e biológicas e podem ter maiores níveis de gordura do que seus semelhantes. Porém, o que se nota hoje é que as crianças estão com muito mais gordura que seus semelhantes há 20 anos, fato preocupante na sociedade atual. Crianças ativas apresentam menos gorduras em todas as idades, crianças obesas são as que não se movimentam na mesma intensidade e frequência. Através da composição corporal em crianças, pode-se detectar vários riscos de doenças ligadas ao coração, vasos sanguíneos e pulmões, fazendo com que se planeje uma estratégia de prevenção destas doenças. (WEINECK, 2003; GALLAHUE; OZMUN, 2005; GALLAHUE; CLELAND, 2011; NIEMAN; 2011; VIRGILIO, 2015). Avaliação da Composição corporal é de fácil realização, pois é necessário coletar somente o peso e altura do indivíduo ou realizar uma mensuração de espessura de dobras cutâneas, quando analisada em crianças e adolescentes, podem predizer o aparecimento de mais doenças como: diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial, hiperlipidemia, certos tipos de câncer, dor lombar e artrite degenerativa. (GUEDES; GUEDES, 2006; GUEDES, 2007; MILLER, 2015; VIRGILIO, 2015).

MATERIAIS E MÉTODOS

O presente trabalho caracteriza-se, como um estudo experimental, quantitativo e descritivo, realizado entre os meses de abril a setembro de 2016, com uma amostra de 64 alunos de ambos os gêneros, sendo 29 meninos e 35 meninas da rede pública municipal de ensino em Palmas – PR. Para escolha da escola participante do trabalho, primeiramente foi realizado um sorteio, onde foram colocados os nomes de todas as escolas municipais da cidade em uma urna. Assim sendo, a professora da disciplina de trabalho de conclusão de curso foi quem retirou da urna o nome na escola. O estabelecimento de ensino sorteado foi a unidade Escola Municipal Nerasi Menin Calza onde foi realizado o trabalho. Em um segundo momento, apresentado a intenção de realizar o trabalho para a diretora da escola bem como para professora da disciplina de Educação Física, onde ambas autorizaram a realização do trabalho. Depois, foi salientado para a professora que não seria necessário todos os alunos da escola participar. Pois, para participar do trabalho, seria utilizado os alunos que se enquadrassem em alguns critérios: 1° fossem alunos que tivessem de 7 a 10 anos de idade e que são da mesma turma; 2° Que estivessem devidamente matriculados e que não tivessem nenhum problema de saúde que os impedisse de realizar atividades físicas.

Após isto foram participantes da pesquisa 4 (quatro) turmas da escola sendo todas dos 3º anos os quais a professora ministra aula de Educação Física. Diante disso, foram colocados os nomes das turmas participantes em uma urna para saber através de sorteio quais seriam grupo controle (GC) e quais grupo experimental (GE). Este sorteio foi feito novamente pela professora da disciplina de trabalho de conclusão de curso. Os quais ficou da seguinte maneira: 3° ano “D” e “C” foram sorteadas como GC e 3° ano “A” e “B” GE, respectivamente. Desta maneira, o GC ficou realizando somente as aulas de Educação Física da professora da escola, enquanto o GE realizou o programa de Jogos e Brincadeiras 2 (duas) vezes por semana durante 5 (cinco) meses. Foi realizado um pré–teste com ambos os grupos e um pós–teste com os mesmos após a aplicação prática do trabalho. Feito isto, foi realizado uma análise individual em cada um dos grupos para observar se os Jogos e Brincadeiras tiveram influência na aptidão física relacionada à saúde do GE e qual foi o resultado do GC que contou somente com as aulas de Educação Física regular. Foi utilizado para mensurar as capacidades físicas relacionadas à saúde o protocolo de testes utilizados no observatório denominado Projeto Esporte Brasil – 2012 (PROESP – BR 2012), os instrumentos de coleta de dados foram os seguintes testes:

Flexibilidade (Sentar-e-alcançar): utiliza-se como material fita métrica e fita adesiva. Orientação é que se estenda uma fita métrica no solo. Na marca de 38 centímetros desta fita coloque um pedaço de fita adesiva de 30 centímetros em perpendicular. A fita adesiva deve fixar a fita métrica no solo. O sujeito a ser avaliado deve estar descalço. Os calcanhares devem tocar a fita adesiva na marca dos 38 centímetros e estarem separados 30 centímetros. Com os joelhos estendidos e as mãos sobrepostas, o avaliado inclina-se lentamente e estende as mãos para frente o mais distante possível. O avaliado deve permanecer nesta posição o tempo necessário para a distância ser anotada. Serão realizadas duas tentativas. Anotação: O resultado é medido em centímetros, a partir da posição mais longínqua que o aluno pode alcançar na escala, com as pontas dos dedos. Registram-se os resultados com uma casa após a vírgula. Para a avaliação será utilizado o melhor resultado de cada avaliado.

Força/Resistência abdominal (sit-up). Material: colchonetes e cronômetro. Orientação: O sujeito avaliado se posiciona em decúbito dorsal com os joelhos flexionados a 45 graus e com os antebraços cruzados sobre o tórax. O avaliador, com as mãos, segura os tornozelos do estudante, fixando os pés ao solo. Ao sinal o aluno inicia os movimentos de flexão do tronco até tocar com os cotovelos nas coxas, retornando a posição inicial (não é necessário tocar com a cabeça no colchonete a cada execução). O aluno deverá realizar o maior número de repetições completas em 1 (um) minuto. Anotação: O resultado é expresso pelo número de movimentos completos, realizados em 1 minuto.

Aptidão Cardiorrespiratória (corrida/caminhada dos 6 minutos). Material: Local plano com marcação do perímetro da pista. Trena métrica. Cronômetro e ficha de registro. Orientação: Divide‐se os alunos em grupos adequados às dimensões da pista. Informa‐se aos alunos sobre a execução dos testes dando ênfase ao fato de que devem correr o maior tempo possível, evitando piques de velocidade, intercalados por longas caminhadas. Durante o teste, informa‐se ao aluno a passagem do tempo 2, 4 e 5 minutos (“Atenção: falta 1 minuto”.). Ao final do teste soará um sinal (apito) sendo que os alunos deverão interromper a corrida, permanecendo no lugar onde estavam (no momento do apito) até ser anotada ou sinalizada a distância percorrida. Anotação: Os resultados serão anotados em metros com uma casa após a vírgula.

Medida do Índice de Massa Corporal (IMC). Orientação: É determinado através do cálculo da razão (divisão) entre a medida de massa corporal total em quilogramas (peso) pela estatura (altura) em metros elevada ao quadrado. Anotação: A medida é registrada com uma casa após a vírgula. Todos os dados coletados são comparados aos indicadores de saúde referenciados pelo PROESP – BR 2012. O protocolo foi escolhido por ser de fácil acesso aos professores de Educação Física, bem como, não necessita de materiais sofisticados para sua realização e por possuir tabelas com referenciais embasados em dados de escolares do Brasil todo. É um protocolo que pode ser utilizado para avaliar os padrões de crescimento corporal, estado nutricional, aptidão física e desempenho esportivo de crianças e adolescentes. (GAYA, 2012).

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Após o período de tempo de aplicação das atividades (5 meses), com período de uma semana de férias/recesso. Analisamos os dados a seguir.

A tabela 1 descreve a amostra deste estudo, 64 escolares de ambos os gêneros com faixa etária entre 7 a 10 anos, todos avaliados no ano de 2016. Destes 29 (45%) do gênero masculino (M) e 35 (55%) gênero feminino (F).

Tabela 1: Percentual total da amostra estratificada por Gênero.

Quando analisado por grupos, temos os seguintes dados a respeito do Grupo Experimental (GE) dos 33 alunos que caracterizavam o mesmo, 17 estudantes (52%) do gênero masculino e 16 estudantes (48%) do gênero feminino como mostra a tabela 2:

Tabela 2: Tabela estratificada por gênero da amostra dos grupos experimental e controle.

Já o Grupo Controle (GC) apresenta a seguinte proporção de alunos por gênero, dos 31 alunos totais, 12 (39%) masculino e 19 (61%) composta pelo gênero feminino, como mostra a tabela 2 acima.

No gráfico 1, observa-se os resultados do trabalho realizado com o grupo Experimental, participante do estudo. Deste modo, fica explícito o que ocorreu com os níveis das capacidades físicas, após cinco meses de intervenção com Jogos e Brincadeiras.

Gráfico 1: Grupo Experimental em Zona de Risco (ZR) Pré e Pós -teste; Flexibilidade em Zona de Risco FLEX (ZR), Força/ Resistência Abdominal Zona de Risco FOR/ RES. AB (ZR), Resistência Aeróbica Zona de Risco RES, AR (ZR), Índice de Massa Corporal Zona de Risco IMC (ZR). Grupo Experimental (GE), FONTE: (FORTUNATO, 2016).

No gráfico 2, observam-se os escores obtidos nas capacidades físicas do Grupo Controle após o mesmo período, porém que realizou a programação normal das aulas de Educação Física, com vários conteúdos ministrados pela professora da disciplina.

Gráfico 2: Grupo Controle em Zona de Risco (ZR) Pré e Pós teste; Flexibilidade em Zona de Risco FLEX (ZR), Força/ Resistência Abdominal Zona de Risco FOR/ RES. AB (ZR), Resistência Aeróbica Zona de Risco RES, AR (ZR), Índice de Massa Corporal Zona de Risco IMC (ZR). Grupo Controle (GC). FONTE: (FORTUNATO, 2016).

Devido a escassez de trabalhos sobre a influência de Jogos e Brincadeiras para a aptidão física relacionada à saúde com aplicação de testes motores, serão confrontados alguns dados de pesquisas relacionadas a idade dos escolares e capacidades físicas mensuradas, em relação aos resultados do pré-teste dos Grupos Experimental e Controle.

Desta maneira, quando analisada a capacidade física flexibilidade no Grupo Experimental (GE) nota-se que no pré-teste 27% dos alunos mensurados encontravam-se na zona de risco à saúde em relação ao grupo controle (GC) que participaria das aulas de Educação Física normal, onde 32% dos alunos enquadravam-se na ZR referenciado pelo PROSP-BR 2012. Para força e resistência muscular os dados apontam que no pré-teste existiam 30% classificados com ZR para o GE, já o GC contou com 58% da amostra classificados na ZR conforme os escores do protocolo de testes. Para Resistência Aeróbica os resultados do GE no pré-teste foi o seguinte, 6% enquadrando-se em ZR. Em contrapartida no GC pode-se notar que 16% encontravam-se na ZR no pré-teste. Os resultados do IMC do GE avaliado no pré-teste foi de 9% dos alunos em ZR. Ao contrário do GC que ficou com os escores negativos classificados em 29% do grupo em ZR.

Estes apontamentos sobre o estudo demonstram alguns dados de alta prevalência de crianças em zona de risco parecidos aos de Pereira et al. (2011), os mesmos avaliaram a aptidão física voltada à saúde de 69 crianças, de 7 a 11 anos, de ambos os gêneros, da cidade de Santa Maria – DF, onde encontraram níveis baixos de flexibilidade em 47,8%, força/resistência muscular 34,8% e IMC em 17,4%.

Em outro estudo feito por Strassburger e Borges (2001), que avaliaram a aptidão física relacionada à saúde e desempenho motor de 72 crianças, de 7 a10 anos, de Marechal Cândido Rondon – PR encontrou 56,6% destas em zona de risco à saúde para flexibilidade, para força/resistência muscular localizada 21,4%, resistência aeróbica 40%. Estes resultados também se mostram parecidos aos de Tornquist et al. (2013), que avaliou 626 crianças, entre 8 a 10 anos, em Santa Cruz do Sul – RS, onde foi detectado que em relação ao IMC cerca de 28,0% encontram-se em ZR à saúde, do mesmo modo que para flexibilidade 66,9%, força/resistência muscular localizada 57,0% e resistência aeróbica 62,8% ou seja, um percentual preocupante.

Em uma pesquisa feita por Werk et al. (2009), realizada em Campo Grande – MS, com 280 crianças, de 7 a 10 anos com alguns testes relacionados à saúde notou-se que para IMC o valor coletado foi de 33,24% encontrava-se me ZR, força e resistência abdominal em 23,83% e em relação a flexibilidade em 20,0% da amostra que se enquadrou como ZR.

No estudo epidemiológico transversal, de base escolar, realizado por Pelegrini et al. (2011), conduzido com 7.507 escolares (4.114 meninos e 3.393 meninas), de sete a dez anos de idade das cinco regiões brasileiras (Norte, Nordeste Centro-Oeste, Sudeste e Sul). Traz alguns dados ainda mais assustadores sobre a aptidão física relacionada à saúde de escolares. No quesito flexibilidade analisando média geral cerca de 55,5% encontram-se na ZR, força e resistência muscular com 74,5% dos avaliados e a resistência aeróbica em 83,2%.

Outro estudo interessante é o de Burgos et al. (2012), onde avaliaram 1.664 escolares em Santa Cruz do Sul – RS. Obtiveram os seguintes dados: IMC ficou estratificado em 26,7%, abaixo dos índices saudáveis, 49,8% para flexibilidade, 48,0% para resistência aeróbica e 33,3% na força e resistência localizada.

Diante disso, pode-se notar que os trabalhos citados da literatura estão demonstrando que em diferentes regiões do país as crianças entre 7 a 10 anos estão cada vez mais susceptíveis a alguns tipos de doenças, por estarem com níveis inadequados de aptidão física relacionada à saúde.

Neste sentido, agora veremos o que realmente aconteceu com o grupo Experimental e Controle após cinco meses. No que se refere a capacidade física flexibilidade, notou-se no GE, que após a intervenção com Jogos e Brincadeiras houve uma melhora nos níveis de 12%, pois, o pós – teste indicou 15% da amostra em ZR. Em contrapartida o GC que realizou aulas de Educação Física com outros conteúdos, teve uma melhora nos níveis de 6% ficando sua amostra 26% em ZR. Desta forma, cabe salientar aqui que segundo Achour Junior (2009, p. 46), quando se trabalha flexibilidade no ambiente escolar este deve ser aplicado no mínimo duas vezes na semana, necessário pelo menos 15 minutos para que se obtenha o menor ganho em cinco ou seis meses de aplicação juntamente com a aula normal. Todo o dia dentro da escola deveria existir um programa de alongamento depois do recreio, pois, as crianças estariam aquecidas e seria muito mais fácil atingir níveis ótimos do com poucas aulas de Educação Física. (GUISELINI, 1996; ACHOUR JUNIOR, 2009).

Quanto a Força/Resistência muscular abdominal, quando analisado o GE neste aspecto, notou-se que houve uma melhora de 9% dos níveis inadequados da amostra. Em contrapartida parece que as aulas de Educação Física com outros conteúdos se mostram mais eficientes neste aspecto, uma vez que o GC teve uma excelente melhora de 26% nos escores fazendo com que após cinco meses 32% da amostra se qualificassem em ZR à saúde.

Para Resistência aeróbica têm-se os seguintes resultado o GE no pós – teste ficou com escore final de 12% da amostra em ZR, ou seja, deixando a desejar neste aspecto, uma vez que houve um aumento de 6% que estavam na ZS que baixaram a classificação para ZR. O GC não foi diferente, pois, teve um aumento de 13% da amostra que saiu da ZS para a ZR no pós – teste. Bastos (2015) em seu trabalho relata que alguns resultados devem ser interpretados com cautela, pois, há variáveis que podem interferir de maneira negativa nos testes, tais como: condições climáticas, faltas dos alunos, tempo de aula, algumas normas do professor (vestimenta adequada), dentre outras. Desta forma, ao realizar um trabalho, estas são algumas condições que fogem do controle da pesquisa e desta forma podem interferir nos resultados de uma pesquisa.

Fatores como direcionamento de conteúdo pode influenciar nos resultados da pesquisa da seguinte maneira: quando trabalhamos, por exemplo, com Jogos e brincadeiras essas atividades, são de predominância anaeróbica, pois, as crianças correm em alta velocidade e depois param por períodos variáveis. Desta forma, pode comprometer o resultado de aptidão cardiorrespiratória por exemplo. (PAIVA, 2015). Nesta mesma linha de raciocínio, o pesquisador ao trabalhar com capacidades físicas com crianças, deve ter uma atenção muito especial. Pois, existem períodos ótimos de aplicação de estímulos para cada capacidade e se forem estimuladas antes ou depois destes períodos, os resultados não serão iguais aos que encontraria com aplicação de estímulo no período certo. (WERK et al., 2009; BURGOS et al., 2012; PAIVA, 2015).

Em relação ao IMC parece que nenhuma das duas intervenções tanto do GE quando GC teve diferenças positivas significantes para os alunos da amostra. Pois, o GE teve um aumento de 6% da amostra que saiu da ZS e foi para a ZR no pós – teste, ficando com cerca de 15% da amostra em ZR. Já o GC teve uma melhora de 3% da amostra que saiu da ZR e foi para ZS ficando com escore final de ZR em 26% da amostra. Estes dados nos remetem a acreditar no que dizem os autores Guedes (1999), Miranda (2006) e Guedes (2007), quando relatam que as aulas de Educação Física são mais completas e eficazes, quando trabalhadas com vários conteúdos e não somente priorizar um, pois, muitas das vezes o estímulo dado por um determinado conteúdo, não é o suficiente para causar uma adaptação positiva na criança, por isso deve sempre proporcionar novos conteúdos com estímulos diferenciados e que sejam eficazes. Ainda em estudo de Silva et al. (2012), realizado com crianças e adolescentes de 7 a 17 anos, salientam que ao analisar o IMC, deve-se ter uma preocupação com alguns pontos de corte que irá usar dos protocolos. Pois, alguns trazem como o PROESP-BR o escore como Zona Saudável (ZS) e Zona de Risco (ZR). Mas, não necessariamente a criança avaliada estará em ZR se avaliada em períodos menores que 5 meses, pois, ao longo do ano a criança cresce e se desenvolve muito rapidamente.  Desta forma ao se realizar o teste, ela pode ser classificada em ZR pelo simples fato de ganhar altura muito rapidamente e outras mudanças internas que acontecem com a maturação da criança.

CONCLUSÃO

Conclui-se que houve uma melhora nas capacidades físicas mensuradas (Flexibilidade e Força/Resistência muscular) após intervenção, porém, também não houve melhora em outros escores (Resistência aeróbica e IMC), pois, o estudo traz muitas variáveis como: números de aulas por semana, tempo da aula, estações do ano e suas variações térmicas, regras impostas aos alunos pelo professor, doenças, falta de assiduidade, duração da aula, aplicação de estímulo fora de período sensível, aulas em sala de aula e etc. E que diante disso, fogem do controle da pesquisa como mencionado no trabalho acima.

Portanto, isso nos remete a dizer que um conteúdo como os Jogos e Brincadeiras, assim como outros, pode sim trazer inúmeros benefícios para os escolares, mas, se for trabalhado isoladamente por um período de tempo de 5 meses como foi o trabalho, pode não surtir efeito positivo para algumas capacidades físicas. Sendo assim, se associarmos este conteúdo as aulas de Educação Física, pode trazer muito mais benefícios aos escolares.

Diante do exposto, fica claro o dever de priorizar mais aulas de Educação Física durante a semana. E fazer com que elas sejam ricas em vários conteúdos, para que possam proporcionar estímulos mais eficazes e duradouros. Assim sendo, mesmo que os resultados não tenham atingidos o esperado inicialmente, é importante dar continuidade ao trabalho, até o desenvolvimento e a maturação destes escolares, permitir-lhes que interessarem-se também por outros conteúdos da Educação Física que são apropriados a sua faixa etária e desse modo, se tornem adultos saudáveis e educados.

Assim sendo, sugerem-se mais estudos a respeito da interferência do conteúdo Jogos e Brincadeiras não só em relação à aptidão física relacionada à saúde, mas, também direcioná-los a respeito dos seus possíveis benefícios para os aspectos sócio-afetivo e cognitivo. E sugere-se também, que se tenha mais controle de algumas variáveis, para que os resultados da pesquisa tenham menos interferências.

REFERÊNCIAS

ACHOUR JUNIOR, A. Flexibilidade e Alongamento: Saúde e Bem estar. Barueri – SP: Manole, 2009.

ALMEIDA ACPC, SHIGUNOV, V. A Atividade Lúdica e suas Possibilidades. Revista da Educação Física/UEM. 11: 69-76, 2000.

AWAD, H.Z.A. et al. Educação Física Escolar: Múltiplos Caminhos. Jundiaí, SP: Fontoura, 2010.

BARBANTI, V.J. Treinamento esportivo: as capacidades motoras dos esportistas. Barueri, SP: Manole, 2010.

BASTOS, M. V. A importância de trabalhar a aptidão física na escola. Centro Universitário de Brasília – UniCEUB Faculdade de Ciências da Educação e Saúde – FACES. 2015. Disponível em: <http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/7531/1/21258592.pdf>. Acessado em: 01. Out. 2016.

BETTI, M; ZULIANI, L.R. Educação Física Escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte – São Paulo; SP, Ano 1, Número 1, 2002. Disponível em: < http://www.mackenzie.br >. Acessado em 18. Nov. 2015.

BURGOS, M. S. et al. Perfil de aptidão física relacionada à saúde de crianças e adolescentes de 7 a 17 anos. Health Science. Institute, v. 30, n. 2, 2012. Disponível em: <http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2012/02_abr-jun/v30_n2_2012_p171-175.pdf>. Acessado em: 01. Out. 2016.

BRASIL. [Estatuto da criança e do adolescente (1990)]. Estatuto da criança e do adolescente [recurso eletrônico]: Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata. – 11ª ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SE, 2015. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acessado em: 22. Abr. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação e do desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf>. Acessado em: 22. Abr. 2015.

CIVITATE, H. 505 Jogos Cooperativos e Competitivos. 4ª ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2012.

CORDAZZO, S. T. D; VIEIRA, L. M. Caracterização de Brincadeiras de Crianças em Idade Escolar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21(3), 365-373. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil, 2008. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/prc/v21n3/v21n3a04.pdf >. Acessado em: 18. Nov. 2015.

CORDAZZO, S.T.D. et al. Brincadeira em Escola de Ensino Fundamental: Um estudo observacional. Universidade Federal de Santa Catarina. Interação em Psicologia, Curitiba, jan./jun. 2010, 14(1), p. 43-52. Disponível em: <http://www.researchgate.net/profile/Sheila_Cordazzo/publication/269734460_Brincadeira_em_Escola_de_Ensino_Fundamental_Um_estudo_observacional/links/55521b4b08ae6943a86d6cb6.pdf >. Acessado em 18. Nov. 2015.

DARIDO, S.C; RANGEL, I.C.A. Educação Física na Escola: implicações para a prática pedagógica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

DARIDO, S.C; SOUSA JUNIOR, O.M. Para Ensinar Educação Física: Possibilidades de Intervenção na Escola. 7ª ed. Campinas – SP: Papirus, 2013.

DUMITH S.C; SILVEIRA R. M. Promoção da saúde no contexto da Educação Física Escolar: uma reflexão crítica. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte – 2010, 9(1): 03-14. < http://www.mackenzie.br >. Acessado em 18. Nov. 2015.

FARIAS, E.S. et al. Efeito da atividade física programada sobre a aptidão física em escolares adolescentes. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 2010, 12(2):98-105. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v12n2/a03v12n2>. Acessado em: 18. Nov. 2015.

FERRAZ, A. P. C. M., et al. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão, Produção, São Carlos, 2010, 17.2: 421-431. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2>. Acessado em: 18. Nov. 2015.

FREIRE, J.B. O Jogo: Entre o Riso e o Choro. Campinas: Autores Associados, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000188&pid=S2176-6681201400020000200028&lng=pt>. Acessado em: 18. Nov.2015.

GALLAHUE, D.L; OZMUN, J.C. Compreendendo o Desenvolvimento Motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3°. ed. São Paulo – SP: Phorte, 2005.

GALLAHUE, D. L; CLELAND.F.D. Educação Física Desenvolvimentista para Todas as Crianças. 4. ed. Bela Vista – SP: Phorte, 2008.

GAYA, A. et al. Manual do Projeto Esporte Brasil Proesp – Br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2012. Disponível em: < https://www.ufrgs.br/proesp/arquivos/manual-proesp-br-2012.pdf>. Acessado em: 12. Fev. 2016.

GOMES, C. F. Brincadeiras e Jogos no cotidiano escolar da criança ― reflexões e sugestões na formação de professores. XVI ENDIPE – Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino – UNICAMP – Campinas – 2012. Disponível em: < http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivos/acervo/docs/3350b.pdf>. Acessado em: 18. Nov. 2015.

GUEDES, D.P. Implicações associadas ao acompanhamento do desempenho motor de crianças e adolescentes. Revista brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.21, p.37-60, dez. 2007. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&q=GUEDES%2C+D.P.+Implica%C3%A7%C3%B5es+associadas+ao+acompanhamento+do+desempenho+motor+de+crian%C3%A7as+e+adolescentes.+Revista+brasileira+de+Educa%C3%A7%C3%A3o+F%C3%ADsica+e+Esporte%2C+S%C3%A3o+Paulo%2C+v.21%2C+p.37-60%2C+dez.+2007.&btnG=&lr=>. Acessado em: 12. Fev. 2016.

GUEDES, D.P. Educação para a saúde mediante programas de educação física escolar. Motriz, v. 5, n. 1, p. 10-14, 1999. Disponível em: <http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ccs/pebII/Dartagnam_revista_motriz.pdf>. Acessado em: 01. Out. 2016.

GUEDES, D.P; GUEDES, J.E.R.P. Manual Prático para Avaliação em Educação Física. Barueri. São Paulo: Manole, 2006.

GUERRA, S. et al. Relação entre a atividade física regular e a agregação de fatores de risco biológicos das doenças cardiovasculares em crianças e adolescentes. Revista brasileira Saúde Materno Infantil 3.1 (2003): 9-15. Disponível em: < http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=345698&indexSearch=ID>. Acessado em: 12. Fev.2016.

GUISELINI, M. Qualidade de vida: um programa prático para um corpo saudável. 2ª ed. São Paulo, SP: Editora Gente, 1996.

HULSHOF, V. A. Aptidão física relacionada à saúde de alunos do ensino fundamental participantes de programa para mudança do estilo de vida na escola. Dissertação (mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Medicina de Botucatu: SP. [s.n.], 2012. Disponível em: < http://repositorio.unesp.br/handle/11449/98386>. Acessado em: 13. Mar. 2016.

KISHIMOTO, T. M.(Org.). Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. São Paulo: Cortez, 1996.

KISHIMOTO, T. M.(Org.). O Brincar e Suas Teorias. São Paulo: Pioneira, 2002.

LIMA, F. C, et al. Treinamento Resistido na Educação Física Escolar: uma Proposta de Ensino. Revista do Departamento de Educação Física e Saúde e do Mestrado em Promoção da Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc.  Ano 15 – Volume 15 – Número 4 – Outubro/Dezembro 2014. Disponível em:<https://online.unisc.br/seer/index.php/cinergis/article/view/5452/3970>. Acessado em: 08. Mai. 2016.

MALINA, R.M; BOUCHARD, C. Atividade Física do Atleta Jovem: do crescimento a maturação. São Paulo: ROCA, 2002.

MELHEM, A. A Prática da Educação Física na Escola. 2ª ed. Rio de Janeiro: Sprint, 2012.

MINATTO, G. et al. Idade, maturação sexual, variáveis antropométricas e composição corporal: influências na flexibilidade. Revista brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 2010, 12.3: 151-8. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v12n3/a03v12n3>. Acessado em: 22. Jun. 2016.

MILLER, T. Guia para avaliações do condicionamento físico: NSCA – Nacional Strand and Conditioning Association. Barueri, SP: Manole, 2015.

MIRANDA, M. J. Educação física e saúde na escola. Estudos, v. 33, n. 4, p. 643-653, 2006. Disponível em: < http://revistas.ucg.br/index.php/estudos/article/viewFile/143/109.>. Acessado em: 01. Out. 2016.

MOREIRA, et. al. O Lúdico na prevenção de acidentes em crianças de 4 a 6 anos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. Universidade de Fortaleza-Ceará, vol. 18, núm. 2, pp.78-84, 2005, Brasil. Disponível em:< http://ojs.unifor.br/index.php/RBPS/article/view/910>. Acessado em: 14. Dez. 2015.

NICOLAU, M. L. M. A Educação Pré-Escolar: Fundamentos e Didática. 7ª ed. São Paulo: Ática, 1994.

NIEMAN, D.C. Exercício e Saúde: Testes e prescrição de exercícios. 6ª ed. Barueri – SP: Manole, 2011.

NORRIS, C. M. Treinamento Abdominal. Barueri – SP: Manole, 1998.

OLIVEIRA. C. F. E; HACKBART, J. Jogos e Brincadeiras na Educação Infantil. Castelo Branco Científica – Ano II – Nº 04 – julho/dezembro de 2013 – <www.castelobrancocientifica.com.br >. Acessado em: 18. Nov. 2015.

PAIVA, M. V. A. Efeito Agudo de Brincadeiras Tradicionais sobre a Pressão Arterial de Crianças com Sobrepeso/Obesidade. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde Departamento de Educação Física. 2015. Disponível em: <https://monografias.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/1663/1/TCC%20II%20FINAL.pdf>.  Acessado em: 04. Dez. 2016.

PELEGRINI, A. et al. Aptidão física relacionada à saúde de escolares brasileiros: dados do projeto esporte Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 17, n. 2, p. 92-96, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbme/v17n2/v17n2a04.pdf>. Acessado em: 01. Out. 2016.

PEREIRA, C. H. et al. Aptidão física em escolares de uma unidade de ensino da rede pública de Brasília-DF. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 16, n. 3, p. 223-227, 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/view/595>. Acessado em: 01. Out. 2016.

RAMPAZZI, R. A; GUARIZI, M. R; SOUSA, R. R. Recreação e Brincadeiras na Infância: excelente meio para aprimorar a coordenação motora. FIEP BULLETIN – Volume 82 – Special Edition – ARTICLE I – 2012. <http://www.fiepbulletin.net>. Acessado 20. Nov. 2015.

RHEA, M. Treinamento de força para crianças. Bela Vista, SP: Phorte, 2009.

SILVA, D. A. S. et al. Comparação do crescimento de crianças e adolescentes brasileiros com curvas de referência para crescimento físico: dados do Projeto Esporte Brasil. Archivos de Pediatría del Uruguay, v. 83, n. 3, p. 220-226, 2012. Disponível em: <http://www.sup.org.uy/revistas/adp83-3/pdf/adp83-3-brasil-crecimiento.pdf>. Acessado em: 04. Dez. 2016.

SILVA, M. N. S DA; DOUNIS, A. B. Perfil do desenvolvimento motor de crianças entre 9 e 11 anos com baixo rendimento escolar da rede municipal de Maceió, AL. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 22, n. 1, p. 63-70, 2014. Disponível em: < http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/cto.2014.007>. Acessado em 22. Jun. 2016.

SILVA, T.A.C.; GONÇALVES, K.G.F. Manual de Lazer e Recreação: o mundo lúdico ao alcance de todos. São Paulo: Phorte, 2010.

STRASSBURGER, M; BORGES, G. A. Aptidão física relacionada à saúde de escolares de 7 a 10 anos de Marechal Cândido Rondon–PR. Caderno de Educação Física, v. 3, n. 1, p. 67-78, 2001. Disponível em: < http://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica>.  Acessado em: 01. Out. 2016.

TORNQUIST, D. et al. Aptidão física relacionada à saúde de escolares das séries iniciais: um estudo entre turmas assistidas e não assistidas pelo profissional de Educação Física. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, v. 18, n. 3, p. 298, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBAFS/article/download/2899/pdf82>. Acessado em: 01. Out. 2016.

VELASCO, C.G. Brincar, o Despertar Psicomotor. Rio de Janeiro: Sprint, 1996.

VIRGILIO, S. J. Educando crianças para a aptidão física: uma abordagem multidisciplinar. 2ª ed. Barueri – SP: Manole, 2015.

WEINECK, J. Treinamento Ideal: Instruções técnicas sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações específicas de treinamento infantil e juvenil. 9ª. ed. Barueri – SP: Manole, 2003.

WERK, Rafael et al. Aptidão física relacionada à saúde de crianças de uma escola estadual de Campo Grande/MS. Ciência. Cuidado. Saúde, v. 8, n. 1, p. 42-47, 2009. Disponível em: <http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/7771/4407>. Acessado em: 01. Out. 2016.

BLOOM, B. S. Innocence in education. The School Review, v. 80, n. 3, p. 333-352, 1972.

CORBIN, C. B; PANGRAZI, R. P. Guidelines for appropriate physical activity for elementary school children 2003 update. Position Statement Council for Physical Education for Children (COPEC) of the National Association for Sport and Physical Education an association of the American Alliance for Health Physical Education and Recreation. 2003.

CLARKE, D. Predicting Certicied Weight of Young Wrestlers. Medicine and Science in Sports, 6, 52 – 57. 1975.

CLAPARÈDE, E. – Psicologia da Criança e Pedagogia Experimental – (tradução Turiano Pereira e Aires da Mata Machado) – Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais, 1934.

ANALISE DOS ASPECTOS DA ANSIEDADE PRÉ COMPETIÇÃO EM ATLETAS INICIANTES DE JUDÔ

Murilo Henrique dos Santos1, Diogenes Felipe Adorna Miranda1, Davdy Alysson Luis1, Jeferson de Oliveira Souza1, Fabien Pereira da Silva2, Adel Luiz Youssef1,2, Agata Cristina Marques Aranha2

1Departamento de Educação Física da Faculdade Dom Bosco, Curitiba  Brasil.

2Departamento de Ciências do Desporto da Universidade Trá-os-Montes e Alto Douro – Vila Real  – Portugal.

 
Resumo

O presente estudo investigou o nível de ansiedade-estado pré competitiva no judô, a amostra deste estudo foi composta por 28 judocas, do gênero masculino iniciantes abaixo da faixa-verde, que participaram de um campeonato oficial, os judocas foram submetidos ao questionário Sport Competition Anxiety Test (SCAT), desenvolvido por Martens (1977). Os níveis de ansiedade acima do normal podem ser desfavoráveis para atividades competitivas como o judô, que necessita de habilidades complexas e de precisão, principalmente quando o atleta pode não obter o resultado esperado ao final da luta.

Palavras chaves: judô, ansiedade e competição.

 

Introdução

O esporte moderno para um melhor desempenho não depende somente de aspectos técnicos, motores, físicos, sabe-se que outros fatores, podem interferir para um melhor desempenho, entre eles, o aspecto psicológico onde são analisados aspectos como a ativação, estresse e ansiedade.

Segundo WEINBERG & GOULD (2001) a ansiedade é um estado emocional negativo caracterizado por nervosismo, preocupação e apreensão e associado com ativação ou agitação do corpo. Portanto, a ansiedade tem um componente de pensamento chamado de ansiedade cognitiva. Ela tem também um componente de ansiedade somática, que é o grau de ativação física percebida. Além da diferenciação entre as ansiedades cognitiva e somática, uma outra diferença importante a fazer é entre ansiedade estado e ansiedade traço.

A pratica de atividade esportiva é citada pelos especialistas como uma atividade que pode regular a afetividade e emoções de quem pratica (Franchini 2001). Já em relação à competição a mesma pode ser caracterizada por um processo social que avalia o rendimento do atleta com base em outros atletas no mesmo evento, sendo um processo social aprendido, pois pode ser influenciado pelo ambiente social (incluindo técnicos, pais, amigos, psicólogos do esporte e etc), sendo, portanto, a competição nem boa nem ruim (WEINBERG e GOULD, 2001).

A grande parte das competições faz com que os atletas fiquem expostos à avaliação social e esta se constitui no principal motivo de ansiedade e stress em jovens (Viana 1989), mesmo tendo outros fatores que influenciam, como, por exemplo, o medo da competição, medo do criticismo dos técnicos pós luta e dificuldades particulares entre outros fatores Franchini (2001).

Entre as muitas modalidades esportivas que podem sofrer interferência, em função do componente psicológico, encontra-se o judô, em função de apresentar características únicas como domínios físicos e psicológicos em função do enfretamento direto com um oponente que está motivado a impedir a concretização dos objetivos estabelecidos pelos oponentes. O judô ainda é caracterizado como um esporte complexo e é visto como cultura de movimento, em que todas as partes do corpo entram em ação, podendo ser desenvolvido de forma harmoniosa as competências físicas, como, força, equilíbrio, flexibilidade e um preparo mental e domínio cognitivo das atividades (FRANCHINI 1999).

Esta modalidade tem o intuito de defesa e ataque simultâneos, tolerando um estado de grande tensão, ajustando suas intenções com o oponente com variáveis de estresse, tomando decisões em tempo limitado, e tendo que lidar com a agressividade do adversário, buscando a melhor resposta tática e técnica do movimento para obter o sucesso (ANSHEL e PAYNE, 2006).

Constitui-se então no objetivo deste estudo analisar os aspectos de ansiedade e estresse pré-competição, relacionado aos iniciantes na pratica de judô, procurando demonstrar alguns fatores determinantes no comportamento, e no rendimento dos atletas.

Nas circunstâncias de combate no judô os competidores se confrontam por um período de 3 a 4 minutos consecutivos. O confronto demanda dos atletas, uma exigência física de alta intensidade em resposta à estímulos em períodos intercalados de tempo extremamente curtos, impondo aos atletas um grande domínio emocional e dos estados mentais, os quais estão sujeitos a flutuações em função da dinâmica da luta (BLUMENSTEIN, 2005).

Esta dinâmica do confronto, caracterizada como uma atividade extremamente intensa e de curta duração, exige dos atletas uma prontidão e excelência em nível técnico-tático e o desenvolvimento pleno de capacidades físicas determinantes para o sucesso desportivo, nesta modalidade, como por exemplo: a capacidade de força, capacidade aeróbia, flexibilidade, potência e resistência anaeróbia, entre outras.

Nas competições que envolvem o esporte de rendimento, a importância da preparação física torna-se muito relevante e deve ser desenvolvida de modo harmônico com outras capacidades, ou seja, a forma desportiva depende além do aspecto físico, de componentes psicológicos, parâmetros técnicos entre outros, e pequenas alterações em qualquer variável que influencie o desempenho, podem determinar o resultado de uma luta ou competição, segundo ROCHA (2010). Sendo assim, os aspectos psicológicos devem ser alvo da preparação do atleta de judô, pois fatores como stress pré-competição, medo, insegurança, ansiedade entre outros, podem ser determinantes e interferir no resultado desportivo, o que sugere uma linha de investigação, sobre este componente, o que pode oferecer importantes contribuições a esta modalidade (MATSUMOTO, 2000, ROCHA, 2010).

Estes aspectos, psicológicos, que interferem nos esportes de modo em geral, o objetivo deste estudo foi observar e determinar a influencia da ansiedade de judocas iniciantes em competições oficiais.

 

Metodologia

Esta pesquisa é do tipo transversal e caracteriza‐se como descritiva‐observacional e exploratória.

A amostra deste estudo foi composta por 28 judocas, graduados até a faixa verde, do gênero masculino, iniciantes na pratica do Judô, que participaram de uma competição oficial, sendo o processo de escolha da amostragem foi aleatório. Como principal critério de exclusão foi que os indivíduos não tenham participado de nenhuma competição oficial.

Foi utilizado, o questionário Sport Competition Anxiety Test (SCAT), desenvolvido por Martens (1977) e validado com um α de Cronbach de 0,77 de confiabilidade por Rollo (2003). O questionário foi aplicado 15 minutos antes do atleta entrar na luta, para avaliar a ansiedade-estado pré competitiva.

O questionário é composto por 15 perguntas que descrevem como o individuo se encontra em determina situação. A classificação é apresentada em escores, sendo oito itens de ativação, dois de desativação e cinco de efeito placebo. A pontuação é de um a três para os itens de ativação, e de três a um para os de desativação, sendo que o escore e a classificação seguiram o protocolo de Martens (1977) e a classificação: i) 10 até 12 pontos, ansiedade baixa; ii) 13 até 16 pontos, abaixo da média; iii) 17 até 23 pontos, média; iv) 24 até 27 pontos, acima da média, e; v) > 28 pontos, ansiedade alta.

Resultado e discussão

De acordo com os resultados obtidos através deste questionário que trata do nível de ansiedade dos atletas na fase de concentração pré competição, pode-se verificar que segundo a classificação SCAT, que  46,42% dos atletas encontravam-se no momento pré-luta, em um estado de ansiedade acima da media ou alta ansiedade como podemos observar no gráfico 1.

Gráfico 1: Estado de ansiedade pré-competitivo ( concentração).

Um dos fatores que pode justificar este quadro diz respeito à experiência competitiva dos praticantes, haja vista, que dos 28 indivíduos avaliados, 100% da amostra é composta por atletas que nunca participaram de uma competição oficial, ou seja, são todos iniciantes, independente da idade. Outro aspecto a destacar está no fato de que em um dos critérios de exclusão consta que atletas com experiência em competições oficiais, não poderiam participar deste estudo.

Sabe-se que atletas menos experientes estão mais sujeitos à todo tipo de pressão e stress exercida pela competição, quer tenha origem na torcida, familiares ou no treinador.

Um estudo feito por Scanlan (1984) e replicado por Cruz (1996) mostra que certas modalidades são mais exigentes no quesito de avaliação, são o caso de esportes individuais, pois se trata do desempenho individual, induzindo níveis elevados de stress. Cruz (1996) mostra que o stress pode se manifestar pelo grau de avaliação social das competências atléticas, sendo estas demostradas em publico.

Em estudos recentes colocam como um fator determinante que o jovem que pratica um esporte deverá participar de competições quando atingir seu estado de prontidão competitiva, que ocorre a partir do equilíbrio de fatores como o crescimento, desenvolvimento e a maturação sexual. A partir deste estudo que têm como tema principal a ansiedade esportiva comparada à faixa etária, mostrou que os grupos mais jovens apresentam níveis de ansiedade maiores pelo fato de serem mais inexperientes (Interdonato, 2010).

Por outro lado, 53,58% dos indivíduos, encontravam-se no momento pré-luta em um estado de ansiedade médio ou abaixo da média segundo SCAT. Estes valores podem se justificar através de variáveis tais qual a graduação, pois a maioria dos atletas eram faixas laranja, limite de graduação para participar da pesquisa, pois os mesmos já haviam participado de algum tipo de competição não oficial, eram maior que o restante dos participantes.

Notou-se que o aporte psicológico e cognitivo oriundo dos treinadores fez diferença no que se tratava de manter o atleta em um nível de prontidão adequado.

Em um estudo feito por Franchini (2001) observou-se que em modalidades individuais, a interferência do treinador no momento da disputa esportiva é frequente. A importância da preparação psicológica e o relacionamento positivo entre o atleta e o técnico esta evidente, na modalidade de lutas este fator aparece a todo o momento, demonstrando uma preciosa contribuição referente às instruções sugeridas pelos técnicos e as execuções realizadas pelos atletas em busca do resultado positivo.

Talvez treinadores e técnicos da modalidade de judô possam se apoiar no fato de que quando se trata de atletas menos graduados ou mais novos, em competição, o componente psicológico deva ser abordado com mais cuidado e ênfase, a presença na competição é de suma importância, principalmente quando relacionado ao apoio e instruções positivas.

Observamos no gráfico 2, em relação à colocação dos atletas, chegou-se ao resultado que 32,14% dos participantes da pesquisa subiram ao pódio, destes, 17,85% conquistaram a 1° colocação, sendo que 3 destes primeiros colocados 10,71% não tiveram adversários da sua categoria para competir, mas receberam a premiação normalmente, e estes tinham de se submeter a categoria acima caso desejassem lutar. Dos indivíduos deste estudo 10,71% ficaram em 2° lugar e 3,57% em 3° lugar. Os indivíduos que não subiram ao pódio corresponderam a 67,86%.

No que diz respeito ao nível de ansiedade dos medalhistas (32,14%), 2 atletas ficaram com a pontuação abaixo da média, 4 na média e 3 acima da média, nenhum atleta do pódio atingiu as extremas pontuações (ansiedade baixa e ansiedade alta) em relação ao SCAT. O que se pode concluir é que os medalhistas se encontravam no momento da concentração com um nível ótimo de ativação, ou seja, nem abaixo ou poder-se-ia dizer desconcentrados, e nem acima, poder-se-ia dizer estressados, o que reforça a teoria do “U invertido”, à medida que ocorre um aumento na ativação assiste-se a um aumento no rendimento até um ponto ótimo, a partir do qual, aumentos posteriores da ativação geram decréscimos do rendimento.

Figura 1 – Relação ativação/rendimento predições das hipóteses do U-Invertido.

Para corroborar os dados obtidos nesta pesquisa, em um estudo realizado por Sarason (1980, apud VIANA, 1989): refere que a ansiedade pode ter efeitos positivos, desde que o sujeito seja exposto a níveis moderados de stress. Esta exposição pode ajudar os jovens a aperfeiçoarem um conjunto de competências psicológicas necessárias para lidar com situações futuras com ansiedade similar. Passer (1984, apud VIANA 1989): refere que, as consequências da ansiedade de competição dependem, da frequência, duração e intensidade dessa ansiedade, assim como, de outros fatores, como o tipo de tarefa a realizar, e influência exercida pelos grupos sociais de suporte.

Destaca-se também em alguns dados laboratoriais de campo e de prática clínica que a realização desportiva pode ser prejudicada se os níveis de ansiedade forem muito elevados Martens (1974 e Smith 1980 apud FELGUEIRAS 2003). Cruz (1996) afirma que a ansiedade pode também afetar resultados além do rendimento, como por exemplo, o abandono da competição, pelo fato de ser vista por alguns como demasiadamente ameaçadora ou negativa.

 

Considerações finais

Com base neste estudo, pode-se verificar que os atletas iniciantes de judô, sofreram diferentes tipos de influências psicológicas, a nível de estresse e ansiedade relacionados à competição, estudos indicam que em modalidades individuais o grau de criticidade é elevado quando comparado com outras modalidades, referindo-se esta afirmação em relação aos técnicos, torcida, familiares, adversários e público em geral.

Por intermédio do questionário SCAT pode-se verificar que os níveis de ansiedade dos atletas encontravam-se em sua maioria na média e acima da média, com apenas dois atletas apresentando um quadro de ansiedade alta (limite da classificação), estes resultados justificam-se por variáveis, como por exemplo, a pouca experiência em competições, o que se justifica pelo pouco tempo de prática.

A classificação no pódio deixa claro que nenhum dos atletas mostrou-se com a ansiedade extrema (ansiedade alta ou baixa ansiedade), a maior parte dos atletas ficaram com o nível de ansiedade na média ou acima da média, que dentre os estudos abordados é considerada uma ansiedade ideal para favorecer o nível de ativação adequado ou estado ótimo de ativação, sem interferir no desempenho, pois sabe-se que a ansiedade ao extremo desfavorece o rendimento segundo teoria do u invertido.

O questionário SCAT mostrou-se ser um bom instrumento para mensurar o nível de ansiedade, pois é um teste com execução simples, de baixo custo e não invasivo.

Este estudo confirma o fato de que atletas menos experientes estão mais sujeitos a todo tipo de pressão e stress exercidos pela competição, quer tenha origem na torcida, familiares ou no treinador, o que reforça uma condição determinante para atletas iniciantes, os quais deveriam participar de competições, somente após atingirem seu estado de prontidão competitiva, o que ocorre a partir do equilíbrio de fatores como o crescimento, desenvolvimento e a maturação sexual.

O nível de ansiedade também pode refletir diretamente no resultado desportivo, tendo sido verificado neste estudo, que nenhum atleta que tenha chegado ao pódio atingiu as extremas pontuações (ansiedade baixa e ansiedade alta) em relação ao SCAT, o que pode estabelecer que um ótimo nível de concentração é proporcional a um nível ótimo de ativação, ou seja, um atleta com baixo nível de ativação pode estar desconcentrado, bem como um atleta muito ansioso, com um alto nível de ansiedade,  pode-se dizer que o mesmo está estressado, o que reforça a teoria do “U invertido”, a qual destaca que à medida que ocorre um aumento na ativação assiste-se a um aumento no rendimento até um ponto ótimo, a partir do qual, aumentos posteriores da ativação geram decréscimos do rendimento.

Notou-se que o aporte psicológico e cognitivo oriundo dos treinadores fez diferença no que se tratava de manter o atleta em um nível de prontidão adequado, o que é reforçado por Franchini (2001), que destaca que em modalidades individuais, a interferência do treinador no momento da disputa esportiva é frequente. Estas afirmações impõem relevância ao tema, pois fica evidenciado a importância da preparação psicológica e o relacionamento positivo entre o atleta e o técnico, em especial na modalidade de lutas este fator aparece a todo o momento, demonstrando uma preciosa contribuição referente às instruções sugeridas pelos técnicos e as execuções realizadas pelos atletas em busca do resultado positivo. Este quadro indica uma necessidade relacionada ao processo de treinamento e nos momentos de competição, pois, os treinadores e técnicos da modalidade de judô devem se apoiar no fato de que quando se trata de atletas menos graduados ou mais novos, em competição, o componente psicológico deva ser abordado com mais cuidado e ênfase, no entanto, o mesmo deve compor as rotinas de treinamento, constituindo aspecto de grande importância, principalmente quando relacionado ao apoio e instruções positivas.

Recomenda-se que sejam realizadas novas pesquisas sobre o nível de ansiedade de atletas, se possível com uma maior amostragem e mais abrangente em relação à idade, gênero e nível técnico, contemplando também aos treinadores e comissão técnica.

O presente estudo permitiu evidenciar dados importantes em relação ao componente psicológico de atletas, e especificamente ao nível ansiedade, o qual pode ser determinante no sucesso desportivo, e ao mesmo tempo impõe a necessidade de se contemplar esta questão desde categorias iniciantes até atletas graduados, por se tratar de um aspecto importante do treinamento desportivo, evidenciando a necessidade de adoção de uma metodologia e processos que contemplem tal componente, ou seja, os treinadores não podem ignorar os efeitos negativos e principalmente deixar de explorar os benefícios de uma abordagem psicológica adequada. Por fim não pode se perder a dimensão da mesma, pois, afeta não somente o clube ou a equipe, já que trata de uma questão esportiva, social, familiar e principalmente de uma pessoa denominada de atleta.

Este estudo apesar de tratar de uma questão acadêmica, denota relevância e trata de um tema bastante abrangente e frequente da vida esportiva e social de milhares de pessoas no mundo inteiro, e espera-se que o mesmo possa servir de referência e base para estudos futuros e que possa oferecer influência positiva no ambiente de lutas.

 

Referências Bibliográficas

ANSHEL, M. H.; PAYNE, J. M. Sport Psychology for Martial Arts. The Sport Psychologist’s Handbook, p. 333-374, 2006.

BLUMENSTEIN, Boris; LIDOR, Ronnie; TENENBAUM, Gershon. Periodization and planning of psychological preparation in elite combat sport programs: The case of judo. International journal of sport and exercise psychology, v. 3, n. 1, p. 7-25, 2005.

ROCHA, C. Alberto. HUMOR E ESTRESSE DE JUDOCAS EM TREINAMENTO E COMPETIÇÃO. UDESC, 2010.

DETANICO, Daniele; DOS SANTOS, Saray Giovana. Variáveis influenciando e sendo influenciadas pela ansiedade-traço pré-competitiva: um estudo com judocas. Lecturas: Educación física y deportes, n. 90, p. 29, 2005.

FRANCHINI, E.; RUBIO, K. Aspectos Psicológicos do Judô Competitivo. 2001.

FRANCHINI, E. Judô: desempenho competitivo. Manole, 2001.

FRANCHINI, E. Bases para a detecção e promoção de talentos na modalidade judô. I Premio INDESP de Literatura Esportiva, v. 1, p. 15-91, 1999.

FELGUEIRAS, André Mendes. Ansiedade e influência dos pais na prestação desportiva dos jovens atletas: estudo realizado no 2º e 3º agrupamento da modalidade de natação. 2003.

INTERDONATO, Giovannna C.; MIARKA, Bianca; FRANCHINI, Emerson. Análise da ansiedade pré competitiva e competitiva de jovens judocas. 2013.

LITTLE, N,G. Psysical performance attributes of junior and senior women, juvenile, junior and senior men judokas. The jornal of sportes medicine and physical fitness torino, v. 13, p. 510-20,1991.

LIPOMA, M.; CORRADO, D. D.; NUOVO, S. D. Stress, adattamento interpersonale e prestazione sportiva. Passegne e Articoli. v. 12, n. 2, p. 125-128, 2005.

MAHN, P. A. O efeito da ansiedade no desempenho de tenistas em uma competição. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 19, n. 7, p. 3-8, 2009.

MIARKA, Bianca et al. Técnica y táctica en judo: una revisión. Revista de Artes Marciales Asiáticas, v. 5, n. 1, p. 91-112, 2010.

MIARKA, Bianca et al. A comparison of time-motion performance between age groups in judo matches. Journal of sports sciences, v. 30, n. 9, p. 899-905, 2012.

MARTENS, Rainer. Sport competition anxiety test. 1977.

MARTENS, R. ; VEALEY, R.; BURTON D. Competitive Anxiety in Sport. Champaign Hlinois, Human Kinetics,1990.

ROCHA, Carlos, A. Dissertação de mestrado Ciências do Movimento

Humano: HUMOR E ESTRESSE DE JUDOCAS EM TREINAMENTO E COMPETIÇÃO, 2010.

ROLLO, F. J. G. Habilidades Psicológicas e Ansiedade no Basquetebol de Alta Competição. Monografia em Ciências do Desporto e Educação Física, Universidade de Coimbra, 2003.

RUBIO, KATIA. Psicologia do esporte aplicada. Casa do Psicólogo, São Paulo, 2003.

VIANA, M. Competição, ansiedade e auto-confiança: implicações na preparação do jovem desportista para a competição. Treino desportivo, v. 13, p. 52-61, 1989.

VOSER, ROGERIO DA CUNHA. Futsal: princípios técnicos e táticos. 2° ed. Canoas. Editora da ULBRA, 2003.

WEINBERG, Robert S.; GOULD, Daniel. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. Artmed. 2001.

SPIELBERG, C. D. Anxiety and behavior. New York, 1966.

SUZUKI, L. A história do judô no Paraná. 1994. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 1994. Disponível em: <http://www.paranajudo.org.br/destaque.php?id=42>. Acesso em: 06/11/2015.

ALTERAÇÕES TERMOGRÁFICAS EM JOGADORES DE FUTSAL APÓS UMA SESSÃO DE TREINAMENTO TÉCNICO

Fábio Júnior da Silva, Rafael Magalhães Carvalho dos Santos, Elielbson Santos de Souza, Weberti Veloso Mendonça, Noeme Alves de Morais, Ricardo Alexandre Rodrigues Santa Cruz

Universidade Estadual de Roraima (UERR)
Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Física e Esportes (GEPEFE)

RESUMO

O estudo teve como objetivo verificar as alterações termográficas de atletas de futsal após uma sessão aguda de treinamento técnico. A amostra foi composta por 13 atletas de futsal (16,6±1,38 anos) da categoria Sub-17. Foram coletados termogramas do quadríceps e isquiotibiais dos jogadores contralateralmente antes e após uma sessão de treinamento de fundamentos técnicos com ênfase na condução, drible, passes e chute. Para a coleta das imagens termográficas utilizou-se uma câmera da marca Flir® Systems, modelo TG – 165, com detector Lepton®, e precisão de 1,5%, ≤0,01ºC de sensibilidade. O teste T de student foi utilizado para comparar as diferenças nos momentos pré e pós treinamento, com nível de significância de p <0,05. Os resultados dos termogramas apresentaram variações com diminuição da temperatura de -0,2°C do lado direito e de -0,3°C no lado esquerdo do quadríceps, -0,4°C do lado direito e -0,3°C do lado esquerdo para os isquiotibiais após os esforços curtos dos atletas ao executarem fundamentos do futsal. O presente estudo nos permite concluir que houve uma redução na temperatura do quadríceps e isquiotibiais dos atletas após a sessão aguda de treinamento. Pode-se concluir ainda, que a termografia é um método sensível para detectar a intensidade do treinamento e sistemas energéticos predominantes, observado principalmente pelas alterações da temperatura da musculatura ativada.

Palavras-chave: Termografia; Treinamento; Futsal

 

ABSTRACT

The study had as objective to verify the thermographic changes of futsal athletes after an acute session of technical training. The sample consisted of 13 futsal athletes (16.6 ± 1.38 years) of the ander-17 category. Thermograms were collected from the quadriceps and hamstrings of the players contralaterally before and after a technical fundamentals training session with emphasis on driving, dribbling, passing and kicking. A Flir® Systems model TG-165, with Lepton® detector and 1.5% accuracy, ≤0.01ºC sensitivity, was used to collect the thermographic images. Student’s T test was used to compare differences in pre and post training moments, with a significance level of p <0.05. The results of the thermograms presented variations with a decrease in the temperature of -0.2°C on the right side and -0.3°C on the left side of the quadriceps, -0.4°C on the right side and -0.3°C on the left side for the hamstrings after the athletes’ short efforts while executing futsal fundamentals. The present study allows us to conclude that there was a reduction in the quadriceps and hamstrings temperature of the athletes after the acute training session. It can also be concluded that thermography is a sensitive method to detect the intensity of training and predominant energy systems, observed mainly by the changes in the temperature of the activated musculature.

Key Words: Thermography; Training; Futsal

INTRODUÇÃO

A termografia é um método utilizado para registrar padrões térmicos do corpo, de forma não invasiva, sem contato com o avaliado e sem emissão de radiação (MARINS et al., 2015). É uma técnica que consiste no monitoramento da temperatura corporal do individuo em tempo real, gerando um perfil térmico através da divisão do corpo em regiões de interesse (CUEVAS et al., 2014).

Fernandes et al. (2016) indicam que essa técnica pode ajudar na compreensão das ocorrências de alterações na temperatura da pele, fornecendo relevantes informações relacionadas à eficiência do sistema termorregulatório em diferentes fases do exercício.

Meira et al. (2014) apontam que os sensores das câmeras termográficas (termógrafos) utilizando radiação infravermelha geram os termogramas, que são imagens com base na quantidade de calor emitido na superfície do corpo. Os termogramas apresentam uma palheta de cores que possibilita identificar as diferenças de acordo com as variações de temperatura, como por exemplo, o azul informa baixa temperatura, o vermelho aponta alta temperatura e o preto indica o espaço de ar, podendo assim realizar um acompanhamento da temperatura e suas variações (HILDEBRANDT, 2010; RASCHNER; AMMER, 2010).

No campo esportivo o uso da termografia pode trazer bons resultados, pois a mesma possibilita diagnósticos de riscos e lesões, tendo em vista que os treinamentos e competições provocam altos níveis de estresse na musculatura dos atletas (CÔRTE e HERNANDES, 2016).

Nesse contexto, torna-se importante monitorar as alterações termográficas em atletas, avaliando os processos inflamatórios gerados nos músculos após sessões de treinamentos ou jogos, evitando dessa forma possíveis lesões causadas pelo desgaste, os quais podem alterar diversos processos fisiológicos e metabólicos com impacto direto na geração de calor.

No treinamento esportivo, Neves e Reis (2014) indicam que os termogramas obtidos por imagens específicas nas regiões corporais de interesse se constituem em importante ferramenta para auxiliar técnicos, preparadores físicos e fisioterapeutas na quantificação e recuperação da carga de trabalho em modalidades esportivas individuais e coletivas.

O futsal é um desporto coletivo, de cooperação/oposição que apresenta alta intensidade em suas ações, sendo caracterizado por estímulos/pausas e movimentos em diversas direções, exigindo dos atletas um alto desempenho físico-motor (SANTA CRUZ et al., 2014).

É uma modalidade esportiva que exige dos atletas ações simultâneas de ataque e defesa em espaço reduzido da quadra,  com acelerações e desacelerações, sprints curtos e rápidos, que resultam em uma recuperação incompleta dos sistemas energéticos (SANTA CRUZ et al., 2016).

No futsal o controle dos aspectos físicos, técnicos e táticos intervenientes durante os jogos torna-se um fator decisivo para a performance da equipe, e monitorar alguns desses aspectos durante as partidas pode ser um ponto chave para a comissão técnica (SANTA CRUZ et al., 2013).

Santos et al. (2017) ressaltam que as respostas termográficas agudas causadas pelas ações na musculatura de maior envolvimento nesse esporte, a comparação contralateral entre os segmentos corporais antes e após os esforços e a compreensão do impacto da prática do futsal sobre o sistema termorregulador ainda não foram descritas. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi verificar as alterações termográficas de atletas de futsal após uma sessão aguda de treinamento técnico.

 

MÉTODOS

Amostra

O estudo foi realizado com 13 atletas do sexo masculino, integrantes de uma equipe de futsal da categoria da categoria Sub-17 com idades compreendidas entre 15 e 17 anos. Os atletas realizavam entre duas e três sessões de treinamentos semanais, com duração variando entre 60 e 90 minutos e participavam de competições escolares.

Cuidados Éticos

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa de uma Universidade local sob o protocolo nº 1.801.214. Os membros da comissão técnica e os responsáveis legais dos atletas assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido, no qual foram informados sobre os procedimentos e objetivos do estudo, bem como os possíveis riscos e benefícios do experimento. Os atletas assinaram um termo de assentimento livre e esclarecido antes do início da pesquisa.

Desenho Experimental do Estudo

Antes das avaliações serem realizadas os atletas foram instruídos a não consumir bebidas cafeinadas ou estimulantes quatro horas antes; não utilizar hidratante corporal na superfície da pele nas últimas seis horas; não usar medicamento 24 horas antes; não realizar exercícios físicos vigorosos no período de 24 horas que antecedeu o treinamento; não massagear, pressionar, esfregar ou coçar a pele dos membros inferiores em nenhum momento até que estivesse completado todo o exame termográfico.

Avaliações antropométricas

A massa corporal foi mensurada utilizando-se uma balança eletrônica, com precisão de 0,1 kg, e a estatura foi determinada em um estadiômetro portátil, com precisão de 0,1 cm, de acordo com os procedimentos descritos por Guedes. A mensuração do percentual de gordura foi realizada com auxílio de adipômetro, avaliada por meio da técnica de espessura do tecido celular subcutâneo. A gordura corporal relativa foi estimada pelas equações de Slaughter.

Coleta das imagens termográficas

Em uma sala previamente preparada com climatização de 22°C foram realizadas as imagens termográficas (termogramas). Para que ocorresse um equilíbrio térmico e aclimatação os atletas permaneceram por 10 minutos na sala, antes que se iniciasse o processo de aquisição das imagens. Foi utilizado um termógrafo da marca Flir® Systems, modelo TG – 165, com detector Lepton®, e precisão de 1,5%, e 0,01°C de sensibilidade.

O atleta permaneceu em uma posição anatômica diante do avaliador, em cima de uma plataforma de 10cm a uma distância de 2 metros da câmera, para a medição de quatro imagens termográficas nas regiões anterior (quadríceps) e posterior (isquiotibiais) da coxa dos lados direito e esquerdo. Foi realizada a identificação da temperatura das áreas de interesse em °C, para comparação dos momentos pré e pós treinamento técnico, sendo feita a análise contralateral da incidência de calor entre os segmentos corporais.

Protocolo do Treinamento Técnico

A sessão de treinamento técnico foi caracterizada pela execução de ações técnicas de condução, drible, passe e chute com intervalos de recuperação de 30 segundos entre cada ação. A realização dos fundamentos seguiu a seguinte sequência por duas vezes:

  • Condução da bola em linha reta na distância de 15 metros no regime de ida e volta com duração de um minuto;
  • Dribles com bola entre cones, separados por uma distância de dois metros, com percurso total de 10 metros, em regime de ida e volta com duração de um minuto;
  • Passes rasteiros curtos (5 metros), médios (10 metros) e longos (20 metros), com os atletas em duplas frente a frente e duração de um minuto por tipo de passe;
  • Chutes ao gol, com a bola parada na marca de 10 metros em relação a trave. Cada atleta realizou 10 chutes com a máxima força possível.

Análise Estatística

Para verificar a normalidade dos dados coletados nos termogramas foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk. Os dados são apresentados em estatística descritiva com média e desvio padrão. A diferença entre as médias da temperatura dos músculos antes e após a sessão de treinamento técnico foi testada pelo teste t-Student para amostras pareadas. Foi adotado um nível de significância p < 0,05. As análises foram realizadas utilizando-se o pacote estatístico SPSS versão 13.0.

RESULTADOS

            Os resultados referentes a idade, massa corporal, estatura e percentual de gordura dos atletas estão descritos na tabela 1.

Tabela 1. Caracterização geral dos atletas.

Legenda: Kg – Quilogramas; cm – centímetros; % – percentual.

A tabela 2 apresenta os valores médios e desvio padrão da temperatura dos músculos dos membros inferiores (quadríceps e isquiotibiais) dos lados direito e esquerdo dos jovens atletas antes e após a sessão de treinamento técnico de futsal.

Tabela 2. Temperatura dos músculos dos membros inferiores de jovens atletas de futsal.

O objetivo do presente estudo foi verificar as alterações termográficas de atletas de futsal após uma sessão aguda de treinamento técnico. Arnaiz et al. (2014) apontam que o uso da termografia revela a resposta térmica ao treinamento, tornando-se uma das áreas mais promissoras do processo de controle e monitoramento do desgaste muscular, sendo capaz de prever os músculos que serão ativados em função dos esforços que os atletas realizam.

DISCUSSÃO

Os resultados encontrados após a sessão de treino com ênfase nos aspectos técnicos do jogo, apontaram reduções na temperatura dos músculos dos atletas quando comparados com os termogramas na condição pré-treino. Os termogramas apresentaram variações com diminuição da temperatura de -0,2°C do lado direito e de -0,3°C no lado esquerdo do quadríceps, -0,4°C do lado direito e -0,3°C do lado esquerdo para os isquiotibiais.

Pode-se perceber, mesmo que não tenha sido constatada diferença estatisticamente significativa, que o treinamento dos fundamentos técnicos do futsal de forma intervalada, com estímulos de um minuto em cada série e recuperação de 30 segundos entre os exercícios de condução da bola em alta velocidade entre distâncias de 15 metros no regime de vai e vem, dribles consecutivos entre cones de forma sinuosa, passes acelerados com variações de distâncias e uma sequencia de chutes promoveu um ajuste térmico específico, com redução na temperatura local dos músculos dos membros inferiores dos jogadores.

Esses resultados, estão alinhados com os apontamentos de Cuevas et al. (2014) em que esclarecem que a redistribuição do sangue da pele para a região do músculo ativo é inibida por uma maior necessidade de perda de calor interna, e que indivíduos expostos a esforços constantes e prolongados, sofrem um aumento na temperatura corporal média, enquanto os indivíduos expostos a esforços intermitentes máximos, realizados em curto período de tempo, sofrem uma diminuição na temperatura corporal média.

Diferente dos achados do presente estudo, Santos et al. (2017), encontraram aumentos da temperatura da musculatura dos membros inferiores de jovens atletas de futsal após uma partida simulada. Os resultados mostraram variação de 0,5°C para os isquiotibiais e aumento significativo (2,7°C) para a temperatura do quadríceps após a partida. Quando comparadas, as regiões de interesse dos membros dominantes e não dominantes, verificou-se maior percentual (51,2%) de incidência de focos de calor na coxa dominante.

Um estudo semelhante foi realizado por Morais et al. (2017) que avaliaram por meio da análise termográfica os esforços de 17 jogadoras do sexo feminino pertencentes a seleção roraimense infanto-juvenil antes e após uma partida de voleibol. Foram coletados termogramas do bíceps, tríceps, quadríceps e isquiotibiais das atletas. Os resultados apresentaram variações nos termogramas de 0,8°C no lado direito e 0,7°C no lado esquerdo do bíceps, 0,7°C e 0,8°C para o tríceps direito/esquerdo respectivamente. Nos músculos dos membros inferiores, a avaliação termográfica revelou maiores variações para a musculatura do quadríceps após a partida, com valores de 1,5°C para o lado direito e 1,1°C para o lado esquerdo. Os músculos isquiotibiais dos lados direito e esquerdo apresentaram aumentos de 0,7°C.

Outro estudo com modalidade coletiva, foi conduzido por Bandeira et al. (2014) que avaliaram o impacto de jogos e treinamentos em atletas de rúgbi, analisando diversos grupos musculares. Foram realizados termogramas 48 h pós-treino e 48 h pós-jogo para avaliação da temperatura da pele nos músculos de interesse. Os pesquisadores coletaram imagens do tronco e das coxas, nas incidências anterior e posterior. Os resultados indicaram uma tendência de aumento de temperatura nos músculos avaliados com amplitude de diferença de temperatura entre 0,2ºC e 0,8ºC.

Os estudos de Santos et al. (2017), Morais et al. (2017) e Bandeira et al. (2014) evidenciaram que em modalidades coletivas, o volume total do jogo acarreta em aumento substancial na temperatura muscular, pois se configura como uma atividade aeróbia pelo tempo de duração total das partidas.

Corroborando com os resultados do presente estudo, Chudecka e Lubkowska (2012) avaliaram a temperatura da pele de atletas de voleibol, antes e após uma sessão de treinamento físico, em que os resultados evidenciaram ter ocorrido uma diminuição na temperatura da superfície dos membros superiores dos atletas.

Reforçando a hipótese que exercícios curtos e intensos tendem a diminuir a temperatura local dos músculos, Hidebrandt et al. (2012) investigaram as características térmicas do exercício aeróbio e anaeróbio em bicicleta estacionária em doze homens ativos (26,0 ± 2,7 anos) que realizaram exercício anaeróbio (5 minutos, 80rpm, 90% FCmax) e exercício aeróbio (45 minutos, 80rpm, 60% FCmax) sob condições termo-neutras. As imagens termográficas foram realizadas antes e logo após as duas condições de exercício na musculatura do quadríceps. Os autores constataram um aumento na temperatura da pele (0,7 °C) após o exercício aeróbio e uma diminuição (-1,5 °C) após o exercício anaeróbio.

CONCLUSÃO

Pode-se concluir que o treinamento de fundamentos técnicos de condução, drible, passe e chute em alta intensidade promoveu reduções na temperatura da musculatura dos membros inferiores dos atletas participantes do estudo. Concluímos ainda, que a termografia é uma ferramenta fidedigna para avaliações de equilíbrios térmicos e alterações de calor da pele nos atletas de futsal, podendo ser utilizada por técnicos e preparadores físicos para diagnósticos e acompanhamentos dos esforços promovidos pelos treinamentos físicos, técnicos e táticos.

  

REFERÊNCIAS

ARNAIZ, L.J; CUEVAS, I.F.; LÓPEZ, C.D.; GOMES-CARMONA, P.; SILLERO-QUINTANA, M. Aplicación práctica de la termografía infrarroja en el fútbol profesional. Revista de Preparación Física en el Fútbol. v.13, n.3, p.6-15, 2014.

BANDEIRA, F.; NEVES E.B.; MOURA, M.A.M.D.; NOHAMA P. A termografia no apoio ao diagnóstico de lesão muscular no esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v.20, n.1, p.42-47, 2014.

CÔRTE, A.C.R.; HERNANDEZ, A.J. Termografia médica infravermelha aplicada à medicina do esporte. Rev Bras Med Esporte. v.4, n.22, p.315-319, 2016.

CUEVAS, I.F.; SILLERO-QUINTANA, M.; GARCIA-CONCEPCION, M.A.; SERRANO, J.R.; GOMEZ- CARMONA, P.; MARINS, J.C.B. Monitoring Skin Thermal Response to Training with Infrared Thermography. New Studies in Athletics. n.1, p.57-71, 2014.

CHUDECKA, M.; LUBKOWSKA, A. The use of thermal imaging to evaluate body temperature changes of athletes during training and a study on the impact of physiological and morphological factors on skin temperature. Human Movement. v.13, n.1, p.33-39, 2012.

FERNANDES, A.A.; AMORIM, P.R.; BRITO, C.J.; SILLERO-QUINTANA, M.; MARINS J.C.B. Regional Skin Temperature Response to Moderate Aerobic Exercise Measured by Infrared Thermography. Asian J Sports Med. v.7, n.1, p.1-8, 2016.

HILDEBRANDT, C.; RASCHNER, C.; AMMER, K. An overview of recent application of medical infrared thermography in sports medicine in Austria. Sensors. v.10, n.5, p.4700-4715, 2010.

MARINS, J.C.B.; FERNÁNDEZ-CUEVAS, I.; ARNAIZ-LASTRAS, J.; FERNANDES, A.A. Y SILLERO-QUINTANA, M. Aplicaciones de la termografía infrarroja en el deporte. Una revisión. Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y el deporte. v.15, n.60, p.805-824, 2015.

MEIRA, L.F.; KRUEGER, E.; NEVES, E.B. NOHAMA, P.; ABREU, M. Termografia na área biomédica. Pan Am J Med Thermol. v.1, n.1, p. 31-41, 2014.

MORAIS, N. A., ARAÚJO, V. A., CARVALHO, L. S., SOUSA, P. de A. C. e SANTA CRUZ, R. A. R. Respostas termográficas dos esforços em atletas de voleibol. Corpoconsciência, v.21, n.2, p. 8-14, 2017.

NEVES, E.B., REIS, V.M. Fundamentos da termografia para o acompanhamento do treinamento desportivo. Revista Uniandrade. v.15, n.2, p.79-86, 2014.

SANTA CRUZ, R.A.R., OLIVEIRA, R.M., GALIASSO, C.A.F.; PELLEGRINOTTI, I.L. Alterações de indicadores neuromusculares em atletas de futsal durante um macrociclo. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. v.6, n.4, p.153-159, 2014.

SANTA CRUZ, R.A.R; CAMPOS, F.A.D; GOMES, I.C.B; PELLEGRINOTTI, I.L. Percepção subjetiva do esforço em jogos oficiais de Futsal. R. bras. Ci. e Mov. v.24, n.1, p.80-85, 2016.

SANTA CRUZ, R.A.R.; VESPASIANO, B.S.;  OLIVEIRA, R.M.; PELLEGRINOTTI, I.L. Quantificação dos aspectos técnicos de uma equipe de futsal durante uma competição oficial. Rev. Acta Brasileira do Movimento Humano. v.3, n.4, p.57-67, 2013.

SANTOS, R.M.C.; SOUZA, E.S. DE; SILVA, F.J. DA; ARRUDA, J.R.L.; SANTA CRUZ, R.A.R. Análise termográfica dos esforços no futsal. Coleção Pesquisa em Educação Física. v.16, n.1, p.15-22, 2017.