Electromyographic Analysis of the Tibialis Anterior and Peroneus Longus Muscles in Pilates Proprioceptive Exercises

Ingrid Quartarolo

Physiotherapist, Acupuncturist, Master in Sports Sciences UTAD-Portugal, founder and Instructor of Contemporary Pilates

Luiz Yassunaga Jr.

Physiotherapist, Acupuncturist, Professor of Contemporary Advanced Pilates, Professor of Acupuncture, Auriculotherapy and Shiatsutherapy.

João António Alves Santinha

Physics Department, FCT-UNL, Lisbon, Portugal.

Ronaldo ECD Gabriel

Department of Sports Sciences, Exercise and Health, Centre for the Research and Technology of Agro-Environmental and Biological Sciences (CITAB), University of Trás-os-Montes and Alto Douro, Vila Real, Portugal.

Eric Shamus

PhD, DPT, Chair and Associate Professor, Department of Rehabilitation Sciences, Florida Gulf Coast University, Florida, USA.

AbstractBackground: Dynamic ankle stability depends on the rapid response capability of the tibialis anterior and peroneus longus for protection and joint stability. In ankle rehabilitation, a delay in the activation time of these muscles may cause functional ankle instability. Hypothesis/Purpose: The purpose of this study was to examine the effect of closed chain Pilates exercises on electromyography activity of the tibialis anterior and peroneus longus muscle activations. Study Design: Randomized study Methods: Ten healthy individuals were examined during dynamic exercises on the Reformer and the proprioception exercises on the Step chair of the Pilates. Results: The tibialis anterior muscle had significantly higher electromyography activity on the Step Chair exercises. The peroneus longus presented significantly higher electromyography activity on the Reformer exercises. Conclusion: The results demonstrated an increase of recruitment of the tibialis anterior and the peroneus longus in closed chain exercises that maybe useful in ankle stability rehabilitation.

Introduction

Dynamic ankle stability depends on the rapid response capability of the tibialis anterior and peroneus longus for protection and joint stability.3 Chronic and functional ankle instability, repetitive sprains, and ligament injuries can cause a sensorimotor and proprioceptive deficit, which results in a motor control changes of the tibialis anterior and peroneus longus.5 A delay in the activation time of the tibialis anterior and peroneus longus muscles may cause functional ankle instability.3 Sensorimotor deficit, proprioception deficit, decreased peroneus longus muscle control and balance are related to the instability of the ankle joint.3,4 The proprioceptive deficit produces a decrease in the reflex of the tibialis anterior and peroneus longus, causing a decrease in balance, change in posture control and decreased functional ankle instability.3

Proprioceptive deficit, muscle fatigue and muscle imbalance compromise the muscle spindle which is the most compromised receptor in the ankle stability.3 The fatigue of the lower limb muscles including the hip, knee, and ankle may affect stability and postural control.1,6

Conceição conducted an electromyographic analysis in patients with chronic ankle sprains and found that electrical activation of the peroneus longus muscle was decreased in a state of chronic ankle instability.19 Weakness of the peroneus longus muscle was suspected as a cause of chronic ankle instability and high incidence of ankle sprains by inversion.19 The high incidence of recurrent inversion ankle sprains is likely the combination of the decreasing ankle proprioception with evertor muscle weakness. 19 In a review of the literature on the EMG activation of the leg muscles in proprioceptive exercises in the ankle rehabilitation, there was a higher activation of the lateral muscles, specially the peroneus longus muscle.20

Cunha and Regina21 studied the EMG activation of the tibialis anterior muscle and peroneus longus during posture maintenance on the balance board with single-leg and bipedal supports. The results showed that the anterior tibialis muscle presented higher activation in exercises with balance board and bipedal support, while the peroneus longus muscle presented higher activation in single- leg support exercises.21 Ferreira et al. found the activation of the tibialis anterior and peroneus muscles was observed on stable and unstable surfaces, and it was also found that both muscles have muscle activation on both types of surfaces.22

The Pilates Method has been an option for the treatment of various pathologies, as it is provides core body control and proprioceptive feedback.11 Cruz-Ferreira et al. reported that Pilates exercises are a good resource for improving dynamic balance and healthy adults.12

Proprioceptive training is essential to improve balance, proprioception and ankle stability, which is used in the treatment of ankle injuries and injury prevention. Exercises that promote better postural control, proprioception and balance training are being used in treatment programs for ankle instability.6-8 Repetition and control are crucial for the development of motor coordination exercises that develop body and mind.8-10

The Pilates method has been used in several rehabilitation programs by developing improvement in balance, proprioception, flexibility and motor coordination.14,15 The most used equipment in the Pilates method is the Reformer by incorporating various adjustments and resistors as well as enabling the plyometric exercises.16

The objective of this study was to perform electromyographic analysis of the tibialis anterior and peroneus longus in proprioceptive exercises on the Step chair and Reformer of the method Pilates to determine if there is an increase in muscle recruitment with these closed chain exercises.

Methods

A convenience sample was used according to the sample size calculation. Ten subjects were required for the analysis of tibialis anterior and peroneus longus activations on the Reformer and Step Chair exercises of the Pilates method.

The inclusion criteria were individuals, between 20 and 45 years old. The exclusion criteria were individuals with lower limb injuries, visual impairment or had any vestibular disorders.

To collect the electromyographic activity, an electromyograph BiosignalsPlux with eight channels,12 bits and 1000Hz frequency made by Plux (http://www.plux.info/, Lisbon, Portugal) was utilized for data collection.

For the tibialis anterior baseline calibration (TA), the subject performed five resisted dorsiflexion contractions. Three moments of this contraction were recorded. For the peroneus longus baseline calibration, the subject performed five resisted dorsiflexion with eversion contractions. Three moments of this test were also recorded.

Electromyographic analysis was performed during the six jumping exercises on the Reformer: two-legged hops, one-legged hops, two-legged hops with support on the proprioceptive disc and with eyes open and closed, and one- legged hops with eyes open and closed with proprioceptive disc.

Imagem1

Figure 1- Exercise in Step Chair

Imagem2

Figure 2- Jumping on the Reformer

For the analysis of exercises on the Step Chair, the exercises were performed from the standing position with a lower limb on the long box and another lower limb on the pedal of the Step Chair, performing the following movements:

1. flexion and extension of the knee on the pedal

2. flexion and extension of the knee on the long box

3. alternating flexion and extension of the limb on the pedal and on the Step Chair as well as the limb on the box.

These exercises were performed with eyes open and closed.

The results of the data were analyzed by descriptive and inferential statistical test. A mixed model ANOVA was used for the inferential analysis. All statistical analysis were performed with the statistical package SPSS version 16.0.

Results

The results were calculated from percentage of average muscle activation with and without the disc. No significant differences were found when performing the same exercise with and without the disc. The following results were obtained: 4.30 for the left anterior tibial with disc and 4.25 without disc (p = 0.942); 4.04 for the right tibialis anterior with disc and 4.26 without disc (p = 0.563); 5.09 for the left peroneus longus with disc and 4.72 without disc (p = 0.577); 5.88 for the right peroneus longus with disc and 5.26 without disc (p = 0.443) (Figure 1).

Captura de Tela 2016-04-30 às 16.40.41

Figure 1: Average muscle activation of the tibialis anterior and peroneus longus with and without proprioceptive disc

As for the exercises performed with eyes open or closed on the Reformer no significant difference was found when performing the same exercise, p = 0.986 for the left tibialis anterior, p = 0.147 for the right tibialis anterior, p = 0.230 for the left peroneus longus and p = 0.548 for the right peroneus longus (Figure 2).

Captura de Tela 2016-04-30 às 16.40.49

Figure 2: Average muscle activation of the tibialis anterior and peroneus longus in exercises with eyes open and closed

Considering that the individuals in the sample were all right-handed, the left tibialis anterior was more activated in the left knee flexion exercise on the box with disc and eyes closed on the chair (6.47), and right single-leg hop on the Reformer (5.70) with p = 0.826; the right tibialis anterior was more activated in the right knee flexion on the box with disc, eyes open on the chair (6.61) and two- legged hop with eyes open on the Reformer (5.02) with p = 0.094. Yet, as for the left peroneus longus, there was a higher activation in the exercise on the chair of knee flexion on the box and right leg resting on the pedal (3.78), and single-leg hop with the left leg, with eyes closed and disc (10.09) with p = 0.03.

Finally, the right peroneus longus had increased activation in the knee flexion exercise on the box with disc and eyes open (5.34), and the two- legged hop (13.04) on the Reformer with p = 0.029 (Figure 3).

Captura de Tela 2016-04-30 às 16.41.01

Figure 3: Average muscle activation of the tibialis anterior and peroneus longus in the average of the step chair and reformer exercises.

Discussion

Similar studies suggest a statistically significant electrical activity of the tibialis anterior and peroneus longus which is higher with eyes closed than with eyes open and on unstable surface, and the activation of muscles on both stable and unstable soil.17 In this study, there was higher electrical activity of the peroneus longus muscle during the movement performed with eyes closed and proprioceptive disc on the single-leg hop on the Reformer. The afferent information provided to the balance and posture controls comes from three types of systems: the visual, vestibular and somatosensory. Thus, the exercises were chosen with the lack of vision in order to increase the afferent information from somatosensory receptors and optimize the efferent responses.

The jump exercises performed on the Reformer such as two-legged and single-leg hops, with or without proprioceptive disc, and with eyes open and closed are important for proprioceptive training as they are plyometric exercises. Plyometric exercises increase eccentric-concentric cycle of skeletal muscle, causing its mechanical, elastic and reflex potentiation, being able to promote stimulation of body proprioceptors, influencing the myotatic reflex, Golgi tendon organ reflex and neuromuscular spindle. Plyometrics improve neural efficiency, increase control and neuromuscular coordination as well as joint proprioception. Therefore, plyometric training not only increases joint proprioception and kinesthesia but also restores the functional stability; so, it is a suitable training for athletes’ performance, treatment, injury prevention and strength gains.18

The current study showed that tibialis anterior muscle presented higher EMG activity in exercises on the chair without the proprioceptive disc and with eyes open; and in exercises on the Reformer performed in single- leg hop of the right lower limb, the left contralateral tibialis anterior was the most active. It is believed that the largest number of mechanoreceptors (the Paccini corpuscles, Ruffini and Golgi tendon organ) lie in the ankle ligaments and are responsible for proprioception and joint stability. The exercises performed on unstable surface and on multiple planes of motion bring rapid changes in the ligaments of the ankle, which causes afferent reflex and motor responses and encourages agonist and antagonist co-contraction to produce a rapid joint stability and proprioception increase. Muscle fatigue and chronic ankle instability affect balance and dynamic postural control of the body, creating a proprioceptive deficit and joint damage, respectively.23

Conclusion

It is concluded that the peroneus longus muscle showed higher electromyographic activity and higher statistical significance in the exercises with the balance disc and eyes closed on the Reformer. The tibialis anterior muscle showed higher electromyographic activity and higher statistical significance in exercises performed without disc and with eyes open in the Step Chair. Muscle activation of the tibialis anterior and peroneus longus are important for the stability and proprioception of the ankle. The two exercises maybe useful in exercise protocols for motor control training and rehabilitation for ankle rehabilitation.

Reference

Aquino CF, Viana SO, Fonseca ST, Bricio RS, Vaz DV. Mecanismos neuromusculares de controleda estabilidade articular. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. 2004;12(2):35-42.

Hogervorst T, Brand RA. Mechanoreceptors in joint function. J Bone Joint Surg Am. 1998 Sep;80(9):1365-78. [PMID 9759824]

Munn J. Sullivan SJ, Schneiders AG. Evidence of sensoriomotor defictis in functional ankle instability: A systematic review with meta-analysis. Journal of Science and Medicine in Sport. 2010 Jan;13(1):2-12. [PMID 19442581]

Twist C, Gleeson N, Eston R. The effects of plyometric exercise on unilateral balance performance. J Sports Sci. 2008 Aug;26(10):1073-80. [PMID 18608837]

Hertel J. Sensorimotor deficits with ankle sprains and chronic ankle instability. Clinical Sports Med. 2008;27(3):353-70. [PMID 18503872]

Gribble PA, Hertel J, Denegar CR, Buckley WE. The effects of fatigue and chronic ankle instability on dynamic postural control. J Athl Train. 2004 Dec;39(4):321-9. [PMID 15592604]

Delahunt E. Neuromuscular contributions to functional instability of the ankle joint. J Bodyw Mov Ther. 2007;11:203-13.

Latey P. The Pilates method: history and philosophy. Harcourt Publishers Ltd, 2001.

Quartarolo ILA, Barcelos J, Yasunaga Jr L, Serafini G. The usage of the pilates procedures in the post operatory of bariatic surgeries. Fisioterapia Ser. 2011;6(3):177-81.

Quartarolo I, Magalhaes F, Maciel D, Cupertino A, Sampaio B. Eficacia do metodo Pilates na funcao motora e ampltitude de movimento em portadores de paralisa cerebral em fase escolar. Fisioterapia Ser. 2011;6(4):234-43.

Wells C, Kolt GS, Bialocerkowski A. Defining Pilates exercise: a systematic review. Complementary Therapies in Medicine. 2012;20(4):253-62.

Cruz-Ferreira A,Fernandes J, Laranjo L, Bernardo LM, Silva A. A systematic review of the effects of pilates method of exercise in healthy people. Arch Phys Med Rehabil. 2011 Dec;92(12):2071-81.

Bernardo LM. The effectiveness of Pilates training in healthy adults: An appraisal of the research literature. Journal of Bodywork and Movement Therapies. 2007;11:106-10.

Quartarolo I, Lima MO, Sampaio BM, Yassunaga Jr L, Lamarão FRM. Analise da flexibilidade durante um periodo de nove dias de pratica no metodo pilates. Fisioterapia Ser. 2012;7(3):158-61.

La Touche R, Escalante K, Linares MT. Treating non-specific chronic low back pain through the Pilates Method. J Bodyw Mov Ther. 2008 Oct;12(4)364-70. [PMID 19083695]

Johnson EG, Larsen A, Ozawa H, Wilson CA, Kennedy KL. The effects of Pilates-based exercise on dynamic balance in healthy adults. J Bodyw Mov Ther. 2007;11(3):238-42.

Ferreira LAB, Pereira WM, Oliveira DC, Figueiredo RR. Comparação eletromiográfica dos estabilizadores dinâmicos do tornozelo com os olhos abertos e fechados. 21o Congresso Brasileiro de Engenharia Biomédica, 2008;1715-18. (ISBN: 978-85-60064-13-7)

Rossi LP, Brandalize M. Pliometria aplicada a reabilitacao de atletas. Revista Salus-Guarapuava-PR. 2007 Jan/Jun;1(1):77-85.

Conceição SS. Analise eletromiografica em portadores de entorse cronica de tornozelo. Institutos Superiores de Ensino do Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora (ISECENA), 2009.

Ferreira LAB, Pereira WM, Vieira FF, Rossi LP. Ativacao eletromiograficia dos musculos da perna em exercicios proprioceptivos na reabilitacao de tornozelo: uma revisao bibliografica. XI Encontro Latino Americano de Iniciação Científica- Universidade Vale do Paraíba, 2009.

Cunha PLB, Regina T. Ativação eletromiográfica em exercícios sobrea prancha de equilíbrio. Revista Fisiterapia Brasil. 2007;8(3):192-7.

Ferreira LAB, Rossi LP, Pereira WM, Vieira FF, Rodrigues de Paula Jr A, Analise da atividade eletromiografica dos musculos do tornozelo em solo estavel e instavel. Fisioter Mov Curitiba. 2009;22(2):177-87.

Abdalla RJ, Cohen M. Lesões no Esporte- Diagnóstico, Prevenção e Tratamento. Ed Revinter, 2003. ISBN 857309608X

Sprinters: amplitude e frequência da passada

Victor Machado Reis

Centre for Research in Sport, Health and Human Development at the University of Trás-os-Montes and Alto Douro (UTAD), Portugal.

Andrigo Zaar

Department of Sport Science, Exercise and Health University of Trás-os-Montes and Alto Douro (UTAD). Portugal. IDEAU, Brazil.

André Luiz Carneiro

Colleges United North Mine (FUNORTE), Montes Claros – MG, Brazil.

Resumo – A influência da velocidade no rendimento da corrida depende principalmente da amplitude e frequência da passada. O objetivo é investigar as diferenças na amplitude e frequência da passada em velocistas de elite e atletas de nível regional. Foram observados os registros em vídeo e determinadas a velocidade média de corrida, a amplitude média da passada, e a frequência média da passada de atletas de elite e atletas de nível regional. A velocidade, a amplitude e a frequência média dos atletas masculinos de elite foram: 9.92 0.14, 2.17 0.06, 4.57 0.11. De nível regional foram: 8.63 0.52, 2.02 0.08, 4.27 0.13. No feminino de elite os resultados encontrados foram: 9.09 0.08, 2.06 0.05, 4.40 0.07. De nível regional foram: 7.83 0.26, 1.76 0.04, 4.45 0.12. As diferenças na prestação entre atletas masculinos de elite e de nível regional parecem resultar da diferença na amplitude e frequência média da passada. No feminino, as diferenças refletem predominantemente diferenças na amplitude de passada.

Palavras-Chave: desempenho atlético; corrida de velocidade; amplitude; frequência

Abstract – The variation of speed on the performance of the race depends mainly on the length and frequency of the stride. The aim was to investigate the differences in stride length and frequency between elite and regional level sprinters athletes. The records were observed on video and it was determined the average speed of the race, the average stride length, and the average stride frequency in both elite athletes and athletes of regional level. Speed, stride length and average frequency of male elite athletes were 9.92±0.14 m/s, 2.17±0.06 m, 4.57±00.11 strides/s. At the regional level they were 8.63±0.52 m/s, 2.02±0.08 m, 4.27±12.13 strides/s. In the elite women’s results were: 9.09±0.08 m/s, 2.06±0.05 m, 4.40±00.07 strides/s. Regional level were 7.83±1.26 m/s, 1.76±0.04 m, 4.45±00.12 strides/s. The differences in performance between male elite athletes and regional level seem to result from the difference in stride length and frequency while in females, the differences mainly reflect differences in stride length.

Keywords: athletic performance; Sprint; stride length; frequency

Introdução

A influência da velocidade no rendimento depende principalmente da amplitude e frequência de passada características da prova, logo, da velocidade de deslocamento. Isto porque a velocidade de deslocamento depende daqueles dois parâmetros e estes, por sua vez, dependem da Força, Técnica e Velocidade. A amplitude da passada não depende apenas da Força e da Técnica. Dependem, também, do comprimento dos membros inferiores do atleta e da flexibilidade específica. No entanto, na perspectiva do desenvolvimento das Capacidades Motoras, parece lógico que aquele parâmetro estará mais relacionado com a Força do que com os outros.

Relativamente à frequência também parece linear que a Velocidade como Capacidade Motora é a que mais a influencia. Aqui importa distinguir dois conceitos: o de Velocidade como Capacidade Motora e o de Velocidade de Deslocamento. A frequência de passada depende da Velocidade (Capacidade Motora), já que a Velocidade de Deslocamento, pelo contrário, depende da primeira (Frequência). Quando falamos acerca do treino de velocidade referimo-nos à velocidade enquanto Capacidade Motora. Como neste setor do Atletismo o gesto específico da competição é a corrida, esta pode ser representada pela Velocidade de Deslocamento ou de Corrida. Feita esta distinção utilizaremos, de seguida, apenas o termo Velocidade. Por tudo isto, é lógico que a importância destas duas Capacidades Motoras, nas provas de Velocidade, é tanto maior quanto mais elevada a Velocidade Média de Deslocamento. Assim, é o propósito deste estudo é investigar as diferenças na amplitude e frequência da passada em velocistas de elite e atletas de nível regional.

Metodologia

Amostra

A amostra foi constituída por 25 atletas de elite do sexo masculino, 16 atletas de elite do sexo feminino, 13 atletas de nível regional do sexo masculino e 11 atletas de nível regional do sexo feminino.

Procedimentos

Foram observados os registros em vídeo de várias provas com atletas de elite (grupo elite): finais de 100m e 200m dos Jogos Olímpicos de Atlanta, provas de 100m masculinos dos Meetings de Oslo e Londres, provas de 100m femininos dos Meetings de Oslo e Bruxelas e prova de 200m masculino do Meeting de Vittel. Foram também observados os registros em vídeo das provas finais de 100m e 200m dos Campeonatos Regionais da Madeira (grupo regional). Através destas observações foi determinada a velocidade média de corrida, a amplitude média de passada e a frequência média de passada. As variáveis foram determinadas com base na cronometragem oficial das referidas provas e na contagem do número de apoios pela visualização dos vídeos. A metodologia usada nesta contagem só coloca problemas na observação do último apoio. Isto porque raras vezes se verifica uma coincidência do último apoio com a linha de chegada. O observador foi instruído a considerar frações de ½ ou ¼ da última passada. Mesmo considerando uma margem de erro de ½ passada na observação, a margem de erro total na contagem dos apoios seria 1% nos 100m e 0.5% nos 200m.

Estatística

Os dados foram analisados com o software SPSS 10.0 (SPSS Science, Chicago, USA). A análise exploratória dos dados incluiu medidas descritivas e identificação de out-liers. As diferenças entre grupos foram testadas pelo t-teste de medidas independentes. Os resultados são apresentados como médias desvios padrão.

Resultados

No quadro 1 são apresentados os resultados observados nas variáveis medidas.

Sem título

Como era de esperar, a velocidade média de corrida foi significativamente superior no grupo de elite, independentemente da prova ou do sexo. O mesmo se verificou para a amplitude média de passada. No que respeita à frequência média de passada, no sexo masculino observamos valores significativamente mais elevados no grupo de elite, quer-nos 100 quer-nos 200m. Contudo, para o sexo feminino, as diferenças entre grupos foram mínimas (não significativas), sendo o valor médio mais elevado no grupo regional para os 100m e no grupo elite para os 200m. Assim, parece que no sexo masculino, a melhor prestação do grupo elite resultará de um efeito combinado de valores superiores na amplitude e na frequência de passada. Isto significa que tanto diferenças nos níveis de força específica quanto diferenças na coordenação intermuscular parecem determinar a evolução em provas de velocidade para o sexo masculino. O mesmo não se pode concluir para o sexo feminino. Com efeito, os valores muito semelhantes na frequência de passada, indicam que as diferenças na prestação derivam quase exclusivamente das diferenças na amplitude de passada. Logo, serão prioritariamente as diferenças nos níveis de força específica que contribuirão para a evolução das mulheres nesta prova. Como suporte adicional desta ideia, verificamos que nos atletas de elite os homens apresentaram valores superiores de frequência média de passada em ambas as distâncias, enquanto que no grupo regional sucedeu o contrário.

Nos atletas de elite, verificamos que não existem diferenças significativas nos valores das três variáveis medidas nos 100m ou nos 200m (para ambos os sexos). O mesmo se verificou para os atletas de nível regional. Não obstante, as diferenças na velocidade média foram maiores no grupo regional, indiciando um menor índice de resistência específica destes atletas. Esta menor velocidade média nos 200m no grupo regional parece resultar prioritariamente de uma menor frequência média de passada, uma vez que a amplitude média de passada foi praticamente igual nas duas provas. Contudo, este raciocínio tende a ser desvalorizado na nossa amostra, dada a inexistência de significado estatístico nas diferenças observadas.

Podemos observar no quadro 1, as diferenças de prestação entre os grupos. Com efeito, mesmo as mulheres de elite apresentam uma prestação melhor do que os homens do grupo regional em ambas as provas (diferenças significativas). Verificamos melhor estas diferenças e verificamos que nos, 100m, e melhor prestação das mulheres resultava principalmente de uma frequência média de passada superior (p<05), já que na amplitude média de passada as diferenças não eram significativas. Estes dados suportam a ideia previamente apresentada de que os atletas masculinos do grupo regional apresentam um evidente déficit em termos da sua frequência média de passada. Nos 200m, não se verificaram diferenças significativas entre as mulheres do grupo elite e os homens do grupo regional nestas duas variáveis, sendo assim mais difícil identificar qualquer destes parâmetros como responsável pela melhor prestação das primeiras.

Conclusão

As diferenças na prestação entre atletas masculinos de elite e atletas de nível regional parecem resultar quer de diferenças na amplitude média como de diferenças na frequência média de passada (tanto em 100m como nos 200m). No caso de atletas do sexo feminino, as diferenças de prestação entre os mesmos grupos parecem refletir predominantemente diferenças na amplitude de passada. Logo, é provável que a evolução das atletas regionais dependa principalmente de melhorias nos seus níveis de força específica, enquanto que no caso dos atletas masculinos, parece evidente que, para além deste componente, estes apresentam ainda uma margem de evolução considerável no que respeita à coordenação intermuscular.

Predição da performance de Usain Bolt para o RIO 2016

Andrigo Zaar

Department of Sport Science, Exercise and Health University of Trás-os-Montes and Alto Douro (UTAD). Portugal. IDEAU, Brazil.

Éderson Szlachta

Specialist in Management Information Systems. Anglican College Erechim, Rio Grande do Sul, Brazil.

Resumo: Nos Jogos Olímpicos todos desejam conhecer o homem mais rápido da terra. Usain Bolt bicampeão olímpico e recordista mundial dos 100 e 200m almeja tornar-se uma lenda do esporte ao conquistar o tricampeonato olímpico no RIO 2016. O objetivo foi predizer a performance de Bolt com base na progressão dos resultados desportivos obtidos nos últimos 15 anos. Um modelo matemático de regressão linear com recurso retrospetivo a bases de dados existentes. Verifica-se que os resultados expressos pelo modelo matemático apresentam uma predição da performance para os 100m 9.88s (94,6%) e para os 200m 19.50s (98,4%). Apesar da sua primazia, as evidências não são favoráveis à conquista do tricampeonato olímpico, sua performance lhe assugura uma medalha apenas nos 200m sem quebra de recorde mundial.

Palavras-chave: Atletismo; Performance Esportiva; Modelação.

Abstract: The Olympics everyone wants to know the fastest man on earth. Usain Bolt Two-Time Olympic Championship and world record holder of the 100 and 200m aims to become a legend of the sport to win the Olympic third championship in RIO 2016. The objective to predict Bolt’s performance based on the progression of sporting results over the last 15 years. A mathematical model linear regression with retrospective application to existing databases. It was observed that the results were expressed by the mathematical model predicting the performance feature to 100m 9.88s (94.6%) and 200m 19.50s (98.4%). Despite its primacy, the evidence is not conducive to the achievement of the Three-Time Olympic Championship, your performance you just ensure a medal in the 200m free world record breaking.

Keywords: Athletics; Sports Performance; Modeling.

Introdução

Em 21 junho de 1960, em Zurique, na Suíça, o alemão Armin Harry surpreendeu o mundo ao alcançar o que foi considerado o limite fisiológico para os 100m rasos com 10s. Foi em 20 de junho de 1968, em Sacramento na Califórnia que Jim Hines correu os 100m quebrando esta barreira, com 9.9s. Nos anos seguintes muitos velocistas correram esta distância abaixo dos 10s, mas 31 anos foram necessários para diminuir o recorde de Harry por 0.14s (Carl Lewis, 25 de agosto de 1991, em Tóquio, Japão). O atual recorde mundial de 9.58s foi estabelecido por Usain Bolt, que também detém o recorde mundial dos 200m 19.19s no 12º Campeonato Mundial de Atletismo em Berlim, Alemanha (2009).

Nos últimos anos muitos pesquisadores tem investigado a evolução da performance dos corredores (Gómez et al. 2013; Zaar et al. 2013; Barrow, 2012; Majumdar & Robergs, 2011). O desempenho de Usain Bolt nos 100m é do nosso interesse, uma vez que atingiu, até agora, acelerações e velocidades que nenhum outro corredor já obteve.

Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi predizer a performance do bicampeão olímpico e recordista mundial Usain Bolt para o RIO 2016.

Metodologia

A pesquisa foi do tipo descritiva, com dados quantitativos e com recurso retrospetivo a bases de dados existentes. A amostra foi constituída pelos tempos registrados no ranking mundial da IAAF (International Association of Athletics Federations) nos últimos 15 anos alcançados pelo velocista Usain Bolt nas provas de 100 e 200m. Os dados recolhidos no âmbito deste estudo foram organizados para formulação de um modelo de predição da performance para os Jogos Olímpicos do RIO 2016.

Modelação Matemática

Para o cálculo da predição da performance dos resultados desportivos por distância, foi aplicado o modelo matemático de previsão de resultados através de regressão linear expresso pela equação:

y=m*x+b

Sendo: y – Previsão; m – Inclinação da Regressão com base nos valores conhecidos;

x – Referência futura para obtenção da Previsão (idade do atleta no dia da competição);

b – Intercepção da Regressão com base nos valores conhecidos.

http://www.bertolo.pro.br/AdminFin/StatFile/Image7.gif

No sentido de relativizar a pontuação da prova de acordo com a idade em questão, de tal forma que a pontuação correspondente a um determinado tempo seja coerente com o constrangimento fornecido pelo recorde mundial (equivalente ao escore de 1.000 pontos) na referida prova e coerente com a idade no qual este tempo é obtido, foi utilizada a média dos tempos do atleta ao longo da sua carreira, retirada da tabela de rankings atualizado da IAAF. Desta forma, uma constante (Cprova) específica, para as provas de 100m e 200m, foi calculada.

Análise Estatística

Para o cálculo da predição da performance dos resultados, foi utilizado um modelo de regressão linear obtendo-se assim a marca predita para o RIO 2016.

Resultados

Na tabela 1 e 2, são apresentadas as marcas que serviram de base à construção do modelo de regressão em cada distância. Na tabela 3, são evidenciados os resultados que decorreram da análise das marcas de Usain Bolt, com o cálculo da predição da performance para o RIO 2016. Este tende a obter 9.88s nos 100m e 19.50s para os 200m.

Tabela 1 – Principais resultados de Usain Bolt para os 100m rasos

1

Tabela 2 – Principais resultados de Usain Bolt para os 200m rasos

2

Tabela 3. Equações de regressão linear para obtenção da predição da performance

3

Ao analisar a evolução dos resultados desportivos confrontam-se os valores preditos pelos modelos matemáticos em função das marcas obtidas por Bolt ao longo do tempo (Figura 1 e 2). Verifica-se um declínio da performance nos 100m e um incremento do rendimento ao longo do tempo nos 200m.

Figura 1 – Predição da performance para os 100m rasos

C:\Users\Andrigo Zaar\Desktop\Meus documentos\Artigos AZ\ATUAL\Bolt 2016\Gráficos\100.png

Figura 2 – Predição da performance para os 200m rasos

Discussão

O propósito deste estudo foi predizer a performance de Usain Bolt, o homem mais rápido da terra, bicampeão olímpico dos 100 e 200m para os Jogos Olímpicos do RIO 2016.

Bolt pode ser o melhor velocista que já existiu, no entanto, poucos teriam imaginado que ele iria correr tão rápido os 100m depois de passar a treinar para os 200m e 400m na adolescência. Seu treinador decidiu mudá-lo para os 100m para melhorar a sua velocidade básica de corrida. Com biótipo peculiar ninguém esperava que ele brilhasse, ledo engano! Ao invés de conquistar ocasionalmente um centésimo de segundo do recorde mundial, como seus antecessores, ele arrebatou o mundo (Figura 3). Primeiro, ele reduziu o tempo de Asafa Powell de 9.74s a 9.72s em Nova Iorque (Maio de 2008), em seguida baixou para 9.69s (na verdade 9.683s) nos Jogos Olímpicos de Pequim, reduzindo-o drasticamente para 9.58 s (na verdade 9.578s) no Campeonato Mundial de 2009 em Berlim. Sua progressão nos 200m foi ainda mais surpreendente, reduzindo o supostamente o “imbatível” recorde de 19.32s (na verdade 19,313s) de Michael Johnson 1996 a 19.30s (na verdade 19,296s) em Pequim e em seguida para 19.19s em Berlim.

Figura 3. Progressão do recorde dos 100m masculino. Cronometragem eletrônica para 1 centésimo de segundo tornou-se obrigatória em 1977 (Barrow, 2012)

Estes resultados equivalem a 94,6% do recorde mundial nos 100m e 98,4% para os 200m. Ao analisar o desempenho dos medalhistas olímpicos nos últimos 20 anos, a predição da performance de Bolt o levaria a 4ª posição nos 100m e a medalha de prata nos 200m na final olímpica do RIO 2016.

Segundo Barrow (2012), para Bolt melhorar sua marca, precisaria melhorar o tempo de reação no bloco de partida. Os atletas são julgados ter falsa largada quando estes reagem através da aplicação de pressão do pé para seus blocos de partida no prazo de um décimo de segundo da largada. Notavelmente, Bolt tem uma das largadas mais lentas entre os principais velocistas, sendo o segundo mais lento de todos os finalistas em Pequim e o terceiro mais lento em Berlim, quando ele correu 9.58s. A reação e tempos de Berlim para todos os finalistas são apresentados na Tabela 4.

Tabela 4 – Tempo de reação e corrida dos finalistas dos 100m no Campeonato Mundial em Berlim

Na final olímpica de Pequim, o tempo de reação de Bolt foi 0.165s, apenas a frente de Burns, o que permitiu uma velocidade média de 10,50 m/s e em Berlim, onde ele reagiu mais rápido foi 10,60 m/s.

Para Gómez et al. (2013), Bolt possui uma reação lenta, mas não significa que ele tenha um início de prova lento. O velocista possui estatura elevada e membros longos, o que prejudica os movimentos iniciais, com grandes momentos de inércia. Para se mover, atletas do topo levam cerca de 0.3s para sair dos blocos. Bolt poderia iniciar abaixo de 0.13s o que é muito bom, mas não excepcional, então ele iria reduzir o seu recorde de 9.58s para 9.56s. Se ele pudesse obtê-lo de forma consistente, reduziria para 0.12s assim, seria possível obter 9.55s e se ele respondesse tão rapidamente quanto a regra permite com 0.10s, teríamos 9.53s.

Na Figura 4 são apresentados os tempos de reação masculina e feminina preparados por Lipps et al. (2009) tomadas a partir de 425 velocistas nos Jogos Olímpicos de Pequim. O tempo de reação média dos homens foi de 168 m/s (±160-178 m/s) e a média para as mulheres foi de 191 m/s (±180-205 m/s).

4

Figura 4 – Tempo de reação dos 425 velocistas participantes dos Jogos Olímpicos de Pequin. Tempos de reação das mulheres são 23 m/s mais lentos do que dos homens (Lipps et al. 2009)

Incontestavelmente esta modelação matemática é apenas uma forma bruta de estimar as marcas de Bolt para RIO 2016 considerando seu desempenho nos últimos 15 anos, são desconsiderados aspectos como auxílio do vento e altitude, fatores que poderiam tornar seu resultado ainda mais surpreendente.

A velocidade do vento é um assunto esquecido no atletismo que pode contribuir com a melhora do recorde mundial. O limite da velocidade do vento para este fim é de 2 m/s, imaginemos que este vento esteja a favor dos atletas, será suficiente para Bolt correr 0,2-0,5 m/s mais rápido (Majumdar & Robergs, 2011). Muitos recordes mundiais usufruiram do vento. O conjunto mais notório de recordes mundiais em corridas de velocidade e saltos horizontais foram estabelecidos nos Jogos Olímpicos do México em 1968, onde o anemômetro gravou 2 m/s no momento do recorde mundial. Mas este certamente não é o caso para o registro corridas de Bolt, em Berlim, ao correr 9.58s a velocidade do vento estava em 0,9 m/s a favor e em Pequim não havia vento, então em condições vantajosas de vento Bolt poderia melhorar o recorde. Para um atleta típico, cerca de 3% do seu esforço é dispendido pelo arrasto do vento (Mureika, 2001), assumindo que Bolt corresse os 100m com vento a favor de 2 m/s, resultaria em cerca de 0.11s melhor em comparação a Pequim. Então, se Bolt combinásse um tempo de reação de 0.12s com uma assistência máxima permitida do vento, ele poderia transformar os 9.58s alcançados em Berlim para 9.50s. E se ele pudesse atingir o limite do tempo de reação teórica de 0.10s, com o auxílio máximo do vento ele estaria chegando a incríveis 9.48s.

É de realçar que Bolt domina as provas de velocidade nos últimos 10 anos e considera encerrar sua carreira no RIO 2016, fato que corrobora com os achados deste estudo, os valores expressos pela análise dos dados revelam que Bolt encontra-se em declíneo da velocidade de base para a performance nos 100m, o que é natural com o passar dos anos, entretanto, permanece soberano nas pistas.

Para quebrar os recordes mundiais Bolt necessitaria da influência de outros fatores, como da altitude (Pritchard, 1993). Cada 1.000 m de altitude vai reduzir seu tempo nos 100m por cerca de 0.03s, devido à queda na densidade do ar (Eriksen et al. 2009). Se ele corresse na altitude da Cidade do México, poderia ser 0.07s mais rápido, no entanto, para fins de registro, os recordes são válidos até 1.000m de altitude.

Em síntese, para Usain Bolt melhorar seu recorde mundial de 9.58s, necessita melhorar o seu tempo de reação, utilizando o limite teórico na largada, onde obteria 9.48s. Com a assistência máxima permitida do vento de 2 m/s, ele pode chegar a 9.45s, e correndo com a melhor altitude legal de 1.000m ele pode atingir 9.43s e 9.41s no México.

Esta evolução surpreendente pode acontecer sem grande progresso da performance de Bolt, ilustrando o quão longe estamos do “limite” do ser humano. A modelação matemática utilizada para a predição da performance nos possibilita verificar que Bolt não é o homem mais rápido do mundo. Seu companheiro de treino, Yohan Blake, que possui a segunda melhor marca mundial para os 200m com 19.26s (vento 0,7 m/s) correu de forma extraordinária, largando letargicamente (0,269s), portanto a corrida de Blake foi 18.99s contra 19.06 de Bolt (Barrow, 2011). Se dividirmos pela metade estes tempos encontramos 9.495s para Blake contra 9.530s para Bolt. São mais rápidos do que o recorde dos 100m por se tratar de uma corrida lançada, apesar do glamour sobre os 100m, são os 200m que você realmente quer ver!

Os resultados obtidos, em conjunto com os fatos apontados na presente discussão, nos deixam ansiosos pelos Jogos Olímpicos do RIO 2016, para testar o nosso modelo com os dados experimentais obtidos a partir de tais registros, bem como, a expectativa se o homem mais rápido na terra é capaz de bater seu próprio recorde mundial mais uma vez.

Conclusão

No presente estudo verificamos que apesar da primazia, as evidências não são favoráveis à conquista do tricampeonato olímpico. Sua performance lhe assugura a medalha apenas nos 200m, sem obtenção do recorde mundial.

Referências

BARROW, J.D. Slow off the mark, Athletics Weekly, September 29th, (2011).

BARROW, JOHN D. “How Usain Bolt can run faster–effortlessly.” Significance 9.2; (2012): 9-12.

ERIKSEN, HANS KRISTIAN, et al. “How fast could Usain Bolt have run? A dynamical study.” Am. J. Phys 77.3; (2009): 224-228.

GÓMEZ, JJ HERNÁNDEZ, V. MARQUINA, AND R. W. GÓMEZ. “On the performance of Usain Bolt in the 100 m sprint.” European Journal of Physics 34.5; (2013): 1227.

LIPPS, D. B., ECKNER, J. T., RICHARDSON, J. K., GALECKI, A. and ASHTON-MILLER, J. A. On gender differences in the reaction times of sprinters at the 2008 Beijing Olympics. American Society of Biomechanics Annual Assembly, State College, Pennsylvania; (2009): August.

MUREIKA, J. R. “A realistic quasi-physical model of the 100 m dash.” Canadian Journal of Physics 79.4 (2001): 697-713.

MAJUMDAR, ADITI, and ROBERT ROBERGS. “The science of speed: Determinants of performance in the 100 m sprint.” International Journal of Sports Science and Coaching 6.3; (2011): 479-494.

PRITCHARD, W.G. Mathematical models of running. SIAM Review, 35; (1993): 359–379.

ZAAR, A. et al. “Performance progression in Brazilian middle-distance runners from early training to peak performance: a pilot study.” Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano 15.5; (2013): 570-577.

 

O Processo de aprendizagem das Lutas na Educação Física Escolar: novas propostas de uma cultura corporal através das três dimensões dos conteúdos

Jefferson Campos Lopes

Brazilian Union of Education. São Vicente, SP

Resumo: As lutas têm conquistado nos últimos anos seu espaço na educação física escolar dentro da grade curricular de alguns estados Brasileiros. No entanto há um distanciamento existente entre a formação inicial nas Instituições do ensino superior com a realidade encontrada no campo profissional em desenvolver nos ciclos (5 ao 9) e médio das escolas públicas trazendo lacunas e dificuldades no aprendizado pedagógico. Para tal foi realizado uma revisão da literatura nos últimos três anos abordando os seguintes tópicos: ensino das lutas na educação física escolar, a temática das lutas na cultura corporal e desenvolvimento das lutas através de conteúdos. Concluímos que as lutas precisam ser aprimoradas no ensino superior para que os profissionais possam aprender a desenvolvê-las de forma teórica e prática através das dimensões de conteúdos gerando assim aulas que visem a objetividade do movimento corporal como um todo.

Palavras-chave: Lutas, educação física escolar e conteúdo.

Abstract: The struggles have won in recent years its place in school physical education in the curriculum of some Brazilian states. However there is an existing gap between initial training in higher education institutions with the reality found in the professional field to develop in cycles (5-9) and secondary public schools bringing the gaps and difficulties in teaching learning. For this was carried out a literature review in the last four years covering the following topics: teaching of fights in school physical education, the theme of fights on body culture and development of the struggles through content. We conclude that the struggles need to be improved in higher education so that professionals can learn to develop them theoretical and practical manner through the contents of dimensions generating lessons that address the objectivity of body movement as a whole.

Keywords: Fights, physical education and content.

Introdução

As lutas sempre se fizeram presentes na história da humanidade, sejam ligadas contra a hostilidade do meio ambiente, para caça de alimentos, conquista de mulheres e razões de disputas políticas, territoriais e de riqueza.

O substantivo luta do Latim lucta, significa combate, com ou sem armas, entre pessoas ou grupos; disputa (LANÇANOVA, 2006), como o termo arte marcial, é uma composição em Latim arte, (conjunto de preceito ou regras para bem dizer ou fazer qualquer coisa), e maratiale (referente à guerra; bélico, relativo à militares ou a guerreiros),

Segundo (PAIVA, 2015) lutas são jogos regidos pela lógica da oposição entre duas ou mais pessoas no qual, embora o objetivo seja variável onde possui características especificas de ataque e defesa de alvos intrínsecos aos indivíduos e a possibilidade de ataque simultâneo e mútuo.

Na atual educação física brasileira como é direcionada pelos PCN’S , os conteúdos são organizados e selecionados da seguinte forma: conhecimento sobre o corpo; esporte; jogos; lutas; ginásticas e atividades rítmicas e expressivas. Onde o mesmo traz a seguinte definição sobre luta:

As lutas são disputas em que o(s) oponente(s) deve(m) ser subjugado(s), mediante estratégias de desequilíbrio, contusões, imobilizações ou exclusão de um determinado espaço na combinação de ações de ataque e defesa. Caracterizam-se por uma regulamentação específica, a fim de punir atitudes de violência e de deslealdade. Podem ser citados exemplos de luta desde brincadeiras de cabo-de-guerra e braço-de-ferro até práticas mais complexas como da Capoeira, do Judô e do Caratê (BRASIL, 1998).

Segundo os PCN’s (BRASIL, 1988: 96) os objetivos da prática das lutas na escola, são: a compreensão por parte do educando do ato de lutar (por que lutar, com quem lutar, contra quem ou contra o que lutar); a compreensão e vivência de lutas no contexto escolar (lutas X violência); vivência de momentos para a apreciação e reflexão sobre as lutas e a mídia; análise dos dados da realidade positiva das relações positivas e negativas com relação à prática das lutas e a violência na adolescência.

Esse conteúdo da Educação Física escolar está presente no cotidiano social de forma concreta, sobretudo pelo forte apelo midiático das lutas de competição. Nesse contexto, emerge um grande leque de oportunidades para o desenvolvimento de valores, potencialidades, limites e disciplina, além de manifestações socioculturais que permitem ao aluno vivenciar experiências motoras, contato corporal, elaboração de estratégias e troca de informações. Para tanto, propõe-se:

i) Conhecer os aspectos históricos, filosóficos e origem das lutas trabalhadas como conteúdo específico; ii) Apresentar os diversos tipos de lutas e seus desdobramentos na atualidade; iii) Vivenciar movimentos característicos das lutas trabalhadas em outras práticas corporais; iv) Vivenciar as relações corporais consigo mesmo e com o outro; v) Diferenciar formas de apresentação das lutas; vi) Identificar e compreender a influência da mídia, ciência e indústria cultural no âmbito das lutas; vii) Vivenciar modalidades e características peculiares de diferentes lutas; viii) Compreender aspectos relativos a apresentações, festivais e competições de lutas; ix) Ampliar repertório pessoal de movimentos (CONFEF, 2000).

Já Correia e Franchini (2010) admitem que o termo “luta” possui um investimento diversificado de representações e significados, o que lhe confere uma dimensão “polissêmica”.

Em relação ao contexto dos embates físicos/ corporais, o termo “luta” é circunscrito por intenções de subjugações entre os sujeitos a partir de conflitos interpessoais e, algumas vezes, por conteúdos humanos contraditórios e ambivalentes.

Assim percebemos que podemos trabalhar as lutas através dos blocos de conteúdos que segundo Coll et al. (2000) definem conteúdo como uma seleção de formas ou saberes culturais, conceitos, explicações, raciocínios, habilidades, linguagens, valores, crenças, sentimentos, atitudes, interesses, modelos de conduta etc., cuja assimilação é considerada essencial para que se produza um desenvolvimento e uma socialização adequada ao aluno.

Esses conteúdos não devem ser ensinados e aprendidos pelos alunos apenas na dimensão do saber fazer (dimensão procedimental dos conteúdos), mas devem incluir um saber sobre esses conteúdos (dimensão conceitual dos conteúdos) e um saber ser (dimensão atitudinal dos conteúdos), de tal modo que possa efetivamente garantir a formação do cidadão a partir de suas aulas de Educação Física escolar. (DARIDO; RANGEL, 2005)

As lutas são um conteúdo legítimo da Educação Física e podem ser trabalhadas a partir das mais variadas e criativas maneiras. Inúmeros autores as citam e defendem sua utilização. O ensino de uma determinada luta, ou de apenas um determinado gesto, é muito pouco, perto dos inúmeros benefícios que as lutas podem trazer para o aluno. Este é um grande universo que se encaixa perfeitamente às aulas de Educação Física.

Discussão

Através desta revisão bibliográfica obteve-se 14 títulos referentes ao tema Lutas. Na educação física escolar onde abaixo optamos por seguir as perguntas de nossa pesquisa que se refere na abordagem dos tópicos do resumo deste estudo:

1

Figura 1- Tabela de publicações sobre lutas.

Nesta revisão bibliográfica podemos identificar que as lutas corporais devem ser ensinadas porque elas fazem parte da cultura corporal, ou seja, são práticas historicamente importantes e que acompanharam os seres humanos ao longo do tempo, sendo uma das mais elementares manifestações dessa cultura. (CORREIA, 2015; GOMES, 2014; RUFINO, 2013).

Outro fator importante é como definir os objetivos é premissa básica para a prática pedagógica das lutas corporais. Pois através do objetivo ele ajuda a orientar melhor a atividade do aluno no processo de construção de conhecimentos, e também permite que os professores decidam melhor o tipo e grau de ajuda que devem proporcionar. Além disso, é preciso ter em mente o público que será atendido, conhecimentos prévios dos envolvidos nos processos de ensino e aprendizagem, disponibilidade individual para a prática, motivação para realização das atividades, entre outros fatores.

As lutas proporcionam aos alunos oportunidades de desenvolvimento auto perceptivo, pois quando utilizado como instrumento de aprendizagem o seu ensino, colocam dificuldades motoras e psicológicas que ajudam na resolução de problemas. O professor de educação física deve proporcionar aos seus alunos a ampliação do repertório gestual, de maneira a capacitar o corpo para o movimento. Como referências de conteúdos possamos ter como direção o currículo do Estado de São Paulo (2010). (GONÇALVES, 2013; GOMES, 2014; LOPES, 2015).

O professor deve saber enxergar o potencial educacional que diversos conteúdos podem apresentar dentro de suas aulas. Muitos profissionais não tão bem qualificados ainda as consideram um espaço para o aluno exercitar apenas o corpo e aprender a jogar de acordo com as regras e as técnicas previstas em cada esporte, além da ênfase dada às competições.

Para ensinar as lutas na aula de educação física, o professor pode contar com inúmeros recursos como pesquisas na Internet, através dos sites das Federações e Confederações de diferentes lutas, artigos e livros publicados também nos trazem inúmeras informações. Assistir a vídeos e também passá-los aos alunos. Jogos de videogame, desenhos animados, revistas e gibis são ótimos, pois fazem parte do universo da criança. Não devemos abordar somente os aspectos teóricos, mas também os práticos, que por sua natureza mais dinâmica, acabam retendo mais a atenção. O professor também pode contar com a ajuda de outros professores especializados em determinadas lutas no momento de montar as aulas. Ele pode assistir a algumas aulas em academias ou em outras escolas e até mesmo convidar um profissional para ir até a escola em que atua. (GOMES, 2013; LUDGERO, 2014; SILVEIRA, 2014; CORREIA, 2015).

Novas possibilidades do ensino das lutas

Existe a necessidade de procedimentos didáticos pedagógicos do professor que pretende ensinar diversos conteúdo da temática das lutas, sem se prender à apenas uma prática marcial, abrangendo diversos tipos de modalidades diferentes. Dessa forma, GOMES (2008) contribui para a compreensão das lutas/ artes marciais ao propor que a luta é uma:

Prática corporal imprevisível, caracterizada por determinado estado de contato, que possibilita a duas ou mais pessoas se enfrentarem numa constante troca de ações ofensivas e/ou defensivas, regida por regras, com o objetivo mútuo sobre um alvo móvel personificado no oponente.

Assim proponho para uma melhor visualização o modelo adaptado do sistema de interação de lutas (ALMEIDA, 2010) conforme abaixo:

Figura 2- Distâncias e condições de lutas.

Quando falamos em modalidade de lutas estamos descrevendo todas que possam ter um tipo contato físicos. Segundo (GOMES, 2008) uma modalidade de curta distância possui um espaço praticamente nulo entre os oponentes e, para a realização das técnicas e alcance dos objetivos da luta, é necessário que os praticantes se coloquem em contato direto, na distância média seria um espaço moderado que permite a aproximação em situações de ataque entre os oponentes, pois a intenção e o propósito ofensivo vão determinar a distância entre os lutadores e na longa distância, definida pela presença de um implemento, deve haver uma distância maior entre os oponentes para que os mesmos possam manipular de forma adequada esse implemento, fazendo com que o contato entre eles seja através de um objeto.

Seguindo o modelo acima iremos identificar para um melhor entendimento das formas de condição:

  1. TIPO DE CONTATO – pode ocorrer de várias maneiras (através das mãos, dos punhos, dos braços, das pernas, do corpo inteiro ou mediado por um implemento; contínua ou intermitentemente) e deve acontecer para que haja Luta e para que ela se desenvolva. Essa condição exige que os oponentes se toquem (intenção/ propósito) de alguma forma (técnica-tática) para conquistarem o objetivo da luta e obter êxito sobre os adversários.
  2. FORMAS DE ATAQUE /DEFESA – é a interação entre os indivíduos (em alguns momentos é difícil saber se os lutadores estão realizando ações ofensivas ou defensivas) ou nas ações de um dos lutadores (que pode defender com a perna e atacar com os membros superiores concomitantemente).
  3. REGRAS – as Lutas dependem das regras para sua legitimidade e elas devem ser respeitadas para que aconteça um combate. O que é permitido ou proibido tende a determinar as técnicas e táticas usadas pelos lutadores.
  4. IMPREVISIBILIDADE – por mais que se treine ou se planeje uma forma de atuação numa luta, é a relação entre os oponentes que dita uma nova organização ou reestruturação do planejado a cada novo momento durante o combate. Essa imprevisibilidade faz com que o pensar a luta seja tão importante quanto o realizar a ação da luta.
  5. ALVO – os alvos são os próprios lutadores, o contato é o meio pelo qual deverão atingi-los, além de poder ser um fim à medida que determinadas técnicas dependem dele. Com o alvo personificado no adversário, a luta torna-se incondicionalmente imprevisível.

Dessa forma proponho ainda seguir um caminho onde possamos trabalhar as 03 dimensões existentes dentro do Pcn´s. Para que haja essa ampliação das dimensões (COLL, POZO, SARABIA e VALLS 2000) propõem que eles devem ser tratados em três diferentes dimensões: atitudinal, conceitual e procedimental. A dimensão conceitual deve responder à pergunta: “o que se deve saber?” A dimensão procedimental relaciona se à pergunta: “o que se deve fazer?” E, por fim, a dimensão atitudinal abrange a seguinte indagação: “como se deve ser?”

Podemos entender as três dimensões seguindo este modelo de Tese de qualificação Doutorado em Ciências do desporto (UTAD/PORTUGAL) do autor deste artigo com o título de Propostas Metodológicas do ensino das lutas na Educação física escolar:

Captura de Tela 2016-04-30 às 16.03.28

Figura 3- Modelo de ensino de lutas.

Considerações finais

Esperamos que nossas reflexões em torno da construção da cultura corporal pelo ensino das lutas partam da premissa de que esse é um tema exigem um continuo e progressivo de pesquisa pelos interessados da área. Assim significa dizer que o nosso desenvolvimento profissional depende, por um lado, da organização sistemática do trabalho que desenvolvemos durante a prática cotidiana e, por outro, da reelaboração. A cada dia devemos desenvolver sobre os nossos próprios saberes para ensinar as lutas nas aulas de Educação Física para que possamos refletir sobre as nossas próprias possibilidades e limitações que enfrentamos no cotidiano escolar. Tivemos a intenção de evidenciar os componentes técnicos da aprendizagem da modalidade bem como propor intervenções pedagógicas que se fazem necessárias para uma melhor condição da aprendizagem. A intervenção sobre essa realidade para transformá-la exige que os próprios profissionais da área mobilizem-se para tornar público os saberes articulados e operacionalizados para atuar no espaço escolar bem como em outros. Estudar sobre os saberes docentes indica e implica que a prática pedagógica dos professores de Educação Física escolar e profissional precisa passar por uma introspecção, sistematização e partilha de saberes. Esse exercício criativo foi muito desafiador para este pesquisador, mesmo considerando que existe poucas publicações expressivas e que se trata de conhecimentos que devem compartilhados e discutidos durante a experiência para o ensino das lutas. Verificou-se que o ensino através das três dimensões do conteúdo ao proporem uma pedagogia dos esportes às Lutas. São exemplos do conceitual: ao trabalhar com os aspectos históricos das Lutas; procedimental: a aprendizagem do saber fazer corporal preconizado nas situações propostas nos diferentes jogos; atitudinal: ao desmitificar os comportamentos violentos associados às Lutas. Vale ressaltar ainda, que tais conteúdos devem estar em consonância com os objetivos almejados, bem como com as estratégias e métodos de ensino e sua consequente avaliação (GOMES et al., 2013). Para finalizarmos gostaria de relembrar que a formação dos profissionais depende dos seus docentes. Segundo (DEL VECCHIO E FRANCHINI, 2006) relatam pelos seus conhecimentos no assunto que os docentes da disciplina de lutas, são frequentemente praticantes ou ex-praticantes de determinado tipo de luta, o que ameniza a falta de domínio do conhecimento, porém limita este domínio para um único estilo ou modalidade de luta.

Referências

  1. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, MEC/SEF, 1998.
  2. CORREIA, W. R.; FRANCHINI, E. Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Motriz. Rio Claro, v. 16, n. 1, p. 01 – 09. 2010.
  3. CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA – CONFEF. Carta Brasileira de Educação Física, 2000.
  4. COLL, C.; POZO, J.I.; SARABIA, B.; VALLS, E. Os conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Porto Alegre: Artmed, 2000
  5. DARIDO, S.C; RANGEL. I. C. A. Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.
  6. DEL VECCHIO, Fabrício. B.; FRANCHINI, Emerson. Lutas, artes marciais e esportes de combate: possibilidades, experiências e abordagens no currículo da Educação Física. In: SOUZA NETO, Samuel; HUNGER, Dagmar. Formação profissional em educação física: estudos e pesquisas. Rio Claro: Biblioética, 2006.
  7. GOMES, M. S. P. Procedimentos pedagógicos para o ensino das lutas: contextos e possibilidades. 2008. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.
  8. GOMES, Nathalia C. et al. O conteúdo das lutas nas séries iniciais do ensino fundamental: possibilidades para a prática pedagógica da Educação Física escolar. Motrivivência, Florianópolis, n. 41, p. 305-320, nov. 2013.
  9. LANÇANOVA, J. E. S. Lutas na Educação Física Escolar: alternativas pedagógicas. 2006. 70 f. Monografia (Licenciatura em Educação Física) – Universidade da Região da Campanha, Alegrete, 2006.
  10. PAIVA, LEANDRO. Olhar clínico nas lutas, artes marciais e modalidades de combate. 1 ed. Manaus; OMP EDITORA, 2015.
  11. SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: linguagens, códigos e suas tecnologias. São Paulo: SEE, 2010.

Valores: interesses, papéis profissionais e a inveja em atletas

Marcos Alencar Abaide Balbinotti

Département de Psychologie, Université du Québec à Trois-Rivières, Québec, Canadá

Daniela Wiethaeuper

Evandro Morais Peixoto

Department of Psychology, University of Campinas, São Paulo, Brazil.

Resumo: Este artigo abordará um tema pouco explorado na literatura sobre valores: a inveja em atletas e praticantes regulares de atividades físicas. Para tanto, serão apresentadas algumas noções sobre o conceito “valores”, e suas relações com os interesses e com os papéis profissionais, principalmente na área do desenvolvimento de carreira. Desta forma, acredita-se poder explicar o sentido de inveja como um valor que pode ser o ponto central da motivação e do interesse de praticantes destas atividades. Adicionalmente, pretende-se com este trabalho estimular pesquisas e, quem sabe, transformar este tema numa área forte de estudos em Psicologia do Esporte. Notadamente, esta é uma área de estudo largamente conhecida e explorada em diversos contextos, contudo nos estudos desenvolvidos com praticantes de atividades físicas e esportivas o valor “inveja” pode ser considerado a “criança esquecida” seja da Teoria dos Valores, seja da Psicologia do Esporte. Parece mais fácil explorar temas (valores, afetos, emoções) com caráter mais positivo do que temas de natureza mais negativa. Contrariando tais percepções, neste trabalho, a inveja não é abordada, necessariamente, como um tema unicamente nefasto e destrutivo. A inveja também tem seu lado positivo.

Palavras-chave: psicologia do esporte; valores; emoção; afeto; inveja.

Abstract: This article will address a topic poorly explored in the literature about values: envy in athletes and physical activities regular practitioners. Therefore, the concept of “values” will be presented as well as their relationship with professional interests and roles, especially in the career development field. Thus, the concept of envy can be explained as a value that can be it is possible to explain the sense of envy to a value that might be the centerpiece of physical activities practitioners’ motivation and interests. Additionally, this study intends to encourage research in this field and perhaps contribute to the development of this theme as a strong Sport Psychology field of study. This is a widely known field of study, and explored in different contexts. However, in studies conducted with samples of physical activities and sports practitioners “envy” is not a discussed topic, neither in the theory of values, nor in the Sport Psychology. It seems easier to explore issues (values, feelings, emotions) with more positive characteristics than those with characteristics that are more negative. Conversely, in this study, envy is not addressed as a harmful and destructive theme exclusively once it also has its positive side.

Keywords: sport psychology; values; emotion; affection; envy.

Introdução

Este texto abordará um tema pouco explorado na literatura especializada dos valores: a inveja em atletas e praticantes regulares de atividades físicas. Para tanto, no início vai-se apresentar algumas noções sobre o conceito “valores”, e suas relações com os interesses e com os papéis profissionais, principalmente na área do desenvolvimento de carreira. Desta forma, acredita-se poder explicar o sentido de inveja como um valor que pode ser o ponto central da motivação e do interesse de praticantes destas atividades.

Valores, seu senso comum

Quando se fala em “valores”, é comum definirmos como “preço”, “custo”, “cotização”, etc. Também se pode pensar em “mérito”, “utilidade”, “importância”, etc. Todas estas são, na realidade, definições comumente utilizadas por nós mesmos em nosso dia-a-dia; isto é, definições facilmente encontradas em quase todos os tipos de dicionários (de micros a grandes) . Se efetivamente chegarmos a consultá-los, encontraremos ainda outras definições, inclusive seus antônimos: “desinteresse”, “inutilidade”, etc. Estas definições (sinônimos e antônimos) já são suficientes para começarmos a construir a estrutura de uma dimensão mais geral que, quando adequadamente formulada, constituirá um dos pilares da Teoria dos Valores. Tendo sido isto dito, cabe, agora, descrever o conteúdo desta dimensão geral, diga-se, do que ela é feita. Os elementos que a compõe são exatamente essas definições, costurando-as, isto é: todo elemento, objeto, produto, comportamento, atitude, etc., que valorizamos, que acreditamos que nos será útil, que damos importância, enfim, que nos interessamos. Tudo que nos interessa atribuímos valor, nos custa. Este primeiro passo, aquele do entendimento dos elementos constitutivos básicos do valor, não é tudo, mas nos é suficiente para compreendermos e imaginarmos que muitas coisas podem nos interessar e, portanto, torna-se necessária a decomposição de todos os possíveis elementos constitutivos do valor. E para isso, uma primeira decomposição em, no mínimo, duas partes, é necessária. Neste sentido, podemos começar a descrever os valores como “gerais” e “específicos”.

Valores gerais e específicos

Deve-se saber distinguir valores mais gerais, diga-se, aqueles que correspondem à finalidades da existência humana, daqueles outros valores, os mais específicos, que concernem campos particulares da nossa vida. Aderir a certos valores é pensar que existem objetos e maneiras de se comportar que são preferíveis quando comparadas às outras. Se não esquecermos que o desinteresse é um dos possíveis antônimos dos “valores”, fica fácil compreender que a noção de “interesses”, “necessidades” e “papéis” são conceitos vizinhos dos valores, e servem para podermos entender um pouco melhor as noções que integram a Teoria Geral dos Valores.

É claro que os valores são mais gerais, mais abstratos, mais fundamentais que os interesses. No entanto, os interesses podem manifestar escolhas de valores na medida em que as preferências por situações ou atividades particulares são meios de alcançar finalidades mais gerais ou mais elevadas. Mas a relação interesses-valores é comumente mais complexa, isto é, um tipo de valor não é necessariamente associado, de forma linear, com um tipo de interesse. As associações não se dão, necessariamente, desta forma. O exemplo proposto por Guichard e Huteau (2001) deve ser suficiente para começar a entender essa complexidade: pode-se querer satisfazer valores altruístas seja cuidando de doentes em um hospital (interesse social), seja sendo administrador do banco mundial (interesse empreendedor). Ainda, não são aspectos da personalidade humana que surgem no mesmo momento do ciclo vital humano. Na realidade, os interesses surgem primeiro, ainda na infância, e são facilmente detectáveis. Pais mais atentos podem observar que seu filho (ou filha) se interessa mais por um brinquedo que outro, por uma cor que outra. Em direção ao fim da adolescência, os interesses já vão se estabilizando, permitindo, inclusive, uma tomada de decisão de carreira profissional. Já os valores, esses quase nunca se estabilizam antes da vida adulta, e esta é uma das razões que explicam o entendimento frequente do fato que os valores são necessidades de ordem superior.

Quais são os grandes valores dos quais a literatura se refere? Não se encontra, na Teoria dos Valores, o relativo consenso que existe acerca das funções cognitivas, dos traços de personalidade ou dos tipos ou categorias de interesses. De maneira geral, o que os diversos autores apresentam são listas de valores humanos. Rokeach (1973), por exemplo, lista 36 valores. Ele distingue 18 valores “terminais” e 18 valores “instrumentais”. O primeiro grupo de 18 valores, os terminais, podem ser subdivididos em: aqueles que designam objetivos mais pessoais (ter uma vida fácil; ter uma vida emocionante…) e aqueles que designam grandes objetivos sociais (igualdade, liberdade…). O segundo grupo de 18 valores, os instrumentais, podem ser subdivididos em: aqueles que designam comportamentos tendo uma conotação moral mais positiva (respeito…) e aqueles que testemunham competências (ambicioso, de espírito aberto, honesto, responsável…). Schwartz (1992), autor que continuou os trabahos de Rokeach, propõe uma lista de cinquenta e cinco valores agrupados em dez classes, organizados segundo um modelo circular e universal (independe da cultura). Sobre um eixo, os valores relativos a “transcendência” (universalismo, benevolência…) se opõem aos valores relativos a “autoafirmação” (poder, autorealização…); sobre o outro eixo, ortogonal ao precedente, os valores relativos à “mudança” (autonomia, hedonismo…) se opõem aos valores relativos à “continuidade” (conformismo, segurança, tradição…) (Guichard e Huteau, 2001).

Conforme Guichard e Huteau (2001), as listas de valores propostas por Rokeach e Schwartz contemplam todos os setores da existência. Já outros autores, propuseram outras listas de valores suscetíveis de se manifestarem, especificamente, em suas próprias áreas de estudo. Por exemplo, no contexto da Sociologia e mesmo da Antropologia, os grupos dominantes de valores podem ser divididos em função de certas culturas, épocas, áreas geográficas, ou ainda, faixas etárias. Em Psicologia, o estudo dos valores se concentra em suas variabilidades no interior dos grupos em estudo, e é a partir dessas variabilidades que se procura explicar as diferenças no comportamento de resposta dos indivíduos no interior de cada um desses grupos. Sendo assim, duas áreas de estudo são privilegiadas: aquela dos comportamentos socioeconômicos e políticos (que neste momento nos interessa menos) e aquela dos comportamentos em relação às atividades profissionais e esportivas (que, neste momento, nos concerne mais diretamente). Por exemplo, a lista dos valores associados às atividades profissionais salientadas por Super (1970, 1991) comporta quinze itens: altruísmo, estética, criatividade, estimulação intelectual, sucesso, independência, prestígio, gestão, vantagens econômicas, segurança, ambiente de trabalho, relacionamento interpessoal (pares e superiores), tipo de vida, flexibilidade (adaptabilidade). Ainda no contexto das atividades profissionais em geral (atletas ou não atletas), se pode citar a lista de valores do trabalho proposta por Perron (1981); esta lista comporta cinco itens que podem ser chamados “dimensões valorativas”. São eles: o Status (desejo de ser admirado, de ocupar um cargo elevado, dispor de rendimentos importantes…), a Realização (desejo por atividades criativas que permitam a expressão do si-mesmo), o Clima (desejo por um ambiente organizado e agradável), o Risco (desejo por situações imprevistas e de competição), e, finalmente, a Liberdade (desejo de se expressar como se é). No caso específico das atividades físicas ou esportivas (profissionais ou amadoras), se pode citar, neste contexto, as seis dimensões motivacionais propostas por Balbinotti (2011) como exemplos de valores; afinal, os elementos constitutivos de tais dimensões conduzem os interessados a agregarem valor (importância, investimento, etc.) a esse tipo de atividade, resultando em uma prática regular de atividades físicas ou esportivas. São elas: Controle do estresse (a pessoa valoriza a prática de uma atividade física ou esportiva para poder melhor relaxar, etc.), Sociabilidade (a pessoa valoriza a prática de uma atividade física ou esportiva, pois considera importante conhecer outras pessoas, etc.), Competitividade (a pessoa valoriza a prática de uma atividade física ou esportiva para demonstrar sua superioridade sobre os outros, etc.), Saúde (a pessoa valoriza a prática de uma atividade física ou esportiva para obter índices adequados de saúde, etc.), Estética (a pessoa valoriza a prática de uma atividade física ou esportiva para manter o corpo em forma, etc.) e, finalmente, Prazer (a pessoa valoriza a prática de uma atividade física ou esportiva para poder se divertir, etc.).

Todas essas listas de valores ou dimensões valorativas podem ser entendidas como princípios diretores da vida, ou mesmo de uma parte dela. Esses princípios têm como base a idéia de que um indivíduo busca situações de trabalho (atividades profissionais) ou de lazer (atividades físicas ou esportivas) que correspondem a seus próprios valores; da mesma forma que indivíduos buscam esses mesmos tipos de atividades, pois correspondem à sua própria personalidade (em uma análise geral), ou, inclusive, com seus próprios interesses pessoais ou profissionais (em uma análise mais específica). É esta a dinâmica que explica, ao menos em parte, nossa preferência por certas atividades, em detrimento de outras; nossa escolha por uma profissão, em detrimento de outras. A satisfação do indivíduo, nessa perspectiva, depende do acordo ou da interação de seus próprios valores com aqueles que o exercício da atividade permite ser colocado em ação. Por exemplo, fazer atividades físicas regulares poderia permitir a manutenção de um corpo em boa forma física. Se o importante para o sujeito é a Estética, tal atividade poderia lhe causar satisfação. Ainda, esta mesma atividade poderia satisfazer um sujeito que em sua hierarquia de valores principais estivessem listados outros, como: amizade, prazer, competitividade, saúde, etc. Mas não é lendo histórias para doentes em hospitais que lhe fará ficar em boas condições para a competição de halterofilismo neste final de mês, por exemplo. Levantar pesos não seria a melhor forma de exercitar seu altruísmo. Portanto, a interação destas duas atividades, não lhe proporcionaria a satisfação desejada, ao menos naqueles momentos.

Valores e interesses profissionais

A relação entre valores e orientação em direção a certas atividades profissionais e esportivas já foi muitas vezes testada. As relações entre os interesses profissionais e os valores têm demonstrado resultados interessantes. Os valores intrínsecos aos tipos de personalidade Holland (1997) encontram-se, geralmente, associados com as características desses mesmos tipos. Por exemplo, vários estudos demonstraram que o tipo investigador valoriza a performance científica; o tipo artístico valoriza a estética; o tipo social, o altruismo. Holland menciona outros estudos, indicando que os valores são associados com a escolha profissional efetuada ou a profissão exercida, e isso se aplica a atletas ou outros tipos de profissão ou atividades. Segundo Holland, a questão dessa associação entre valores e tipos de personalidade, por já ter sido tantas vezes comprovada, é um tema de pesquisa que tende a desaparecer. Ele indica que os principais resultados podem ser encontrados na literatura especializada, mas o mais importante é que, nesta relação (e considerando os instrumentos ainda disponíveis), não é possível discriminar, de forma efetiva, os setores específicos das atividades profissionais. Sendo assim, ainda não parece prudente escolher a profissão de atleta somente baseado em resultados obtidos por inventários de valores; outros instrumentos (maturidade, interesses motivação, etc.) necessitam ser utilizados para uma avaliação mais completa e precisa, mas esse assunto pode ser explorado em um outro momento, agora cabe exemplificar os resultados mais comumente encontrados entre a relação valores e tipos de personalidade profissional.

Um dos possíveis exemplos é o estudo realizado por Sagiv (1999). Este autor se preocupou com a relação entre os tipos de personalidade vocacional propostos por Holland e os valores de Schwartz, e concluiu que: (1) os interesses intelectuais são ligeira e positivamente associados com universalismo (preservação do ambiente, beleza, tolerância, justiça, igualdade e paz) e com autonomia, e negativamente associados com conformismo; (2) os interesses artísticos são moderada e positivamente associados com universalismo, e negativamente associados com conformismo; (3) os interesses sociais são forte e positivamente associados com benevolência; (4) os interesses empreendedores são moderada e positivamente associados com poder e com auto-realização, e negativamente associados com universalismo; (5) os interesses convencionais são moderada e positivamente associados com segurança e com conformismo, e negativamente associados com universalismo, autonomia e estimulação; (6) os interesses realistas, que nas Américas correspondem a um número particularmente elevado de empregos e profissões, não se associam a nenhum dos valores avaliados por Schwartz… Este último resultado pode ter consequências interessantes. Contrariamente às colocações de Holland, me parece que a relação tipo de personalidade (particularmente o tipo realista) e valores ainda não está esgotada. Novos estudos deveriam explorar mais profundamente essa relação com o intuito de demonstrar quais os valores estão associados com o Tipo Realista de personalidade. Mesmo porque, o próprio Holland indica que o atleta profissional tem um perfil de personalidade que deve compreender as características (valores e interesses) dos tipos Social, Realista e Convencional, nesta ordem. Portanto, os jovens, praticantes de atividades físicas ou esportivas, que vislumbram a possibilidade de se tornarem atletas profissionais, deveriam poder ser auxiliados neste sentido, pelo viés da Teoria dos Valores. Como afirmam Bujold e Gingras (2000), no prolongamento dos interesses, as preferências dos indivíduos pelas formações e profissões devem estar ligadas a certos valores. Quando um indivíduo possui um sistema de valores afirmados, ele está, geralmente, menos indeciso quanto a seu futuro profissional e se engaja mais fortemente na construção de uma identidade profissional.

Valores e papéis profissionais

Brown (1996) apresentou um conjunto de proposições sobre a função que os valores ocupam nas escolhas de papéis e, notadamente, os papéis profissionais. Estas proposições visam sintetizar os conhecimentos disponíveis assim como permitem abrir novas pistas de pesquisa. Elas tratam dos fatores que modulam o efeito dos valores. Seu modelo se apóia, fundamentalmente, sobre os trabalhos teóricos e empíricos conduzidos por Rokeach, mas também nos trabalhos de Super (1970, 1991), especificamente aqueles que concernem o lugar fundamental dos valores e dos papéis profissionais no desenvolvimento de carreira dos jovens e adultos. Após ter demonstrado a importância dos valores no curso do desenvolvimento de carreira, Brown afirma que os valores são crenças que contém componentes cognitivos, afetivos e conativos (comportamentais) e que provém das necessidades de uma pessoa. Para este autor, os valores são as fontes da motivação e, portanto, tem um papel importante no processo de tomada de decisão, pois são eles que orientam o comportamento em direção a um objetivo, evoluindo em interação com as características dos indivíduos, suas experiências vividas e seus papéis profissionais.

Para facilitar a compreensão de seu modelo, o autor apresenta uma série de seis proposições que demonstram, entre outras, a importância dos valores para o processo de tomada de decisão, assim como seu efeito sobre a escolha dos papéis profissionais efetuada. São elas: (1) cada pessoa possui um número limitado de valores hierarquizáveis; (2) os valores determinam, em grande parte, as escolhas que concernem o exercício profissional de diferentes papéis; (3) os valores são adquiridos graças às informações provenientes da interação entre as características do indivíduo e do ambiente; (4) uma vida satisfatória e feliz depende da medida na qual uma série de papéis sociais e profissionais permitem a expressão dos valores essenciais de uma pessoa; (5) a ênfase acordada a um papel da vida em particular, está relacionada com o grau de satisfação que ele proporciona em termos de valores considerados mais importantes; (6) o sucesso na atuação dos papéis depende de uma combinação de fatores (por exemplo: a motivação, as capacidades físicas, cognitivas e afetivas). Em um outro texto, Brown e Crace (1996) formulam uma sétima proposição: “as pessoas de grande eficácia especificam e hierarquizam seus valores” (p. 219), portanto os tem no nível da consciência. Como já mencionado anteriormente, essas proposições devem ser suficientes para termos uma boa idéia sobre a importância dos valores, e mais especificamente, sobre a importância de se conscientizar de nossa própria hierarquia de valores.

Mas quem sabe agora, não seja a hora de falar de um único valor, de um valor normalmente considerado unicamente destrutivo, de um valor que pode, efetivamente, ter consequências nefastas para a própria pessoa e para os outros também (pois, até agora, falou-se de valores em contexto amplo, isto é, “valores gerais e específicos”, “valores e interesses profissionais” e “valores e papéis profissionais”). Vamos falar sobre a inveja. A inveja é sempre destrutiva? Para algumas pessoas parece ser importante viver na inveja. Para algumas pessoas parece ser importante ter o que o outro tem, ser o que o outro é, seja lá o que for. E é por essa razão que, segundo alguns autores, a inveja pode ser a motivação de viver de algumas pessoas, o valor fundamental e primeiro em sua hierarquização dos valores. Falemos, então, da inveja em praticantes de atividades esportivas.

Inveja em praticantes de atividades esportivas

A prática regular de atividades físicas ou esportivas, seja ela de natureza profissional ou amadora, não é somente uma atividade onde reina a excelência e o divertimento, são espaços onde pode reinar o prestígio e as relações de poder, isso sem falar da riqueza (fortuna) e suas consequências, em seus vários sentidos, no caso específico do esporte profissional. O talento não tem idade, e com isso quer-se dizer que, mesmo nas atividades de lazer, com jovens e adultos de qualquer classe social, alguém pode invejar a performance de seu colega, e transformar essa emoção no valor fundamental de sua existência. Mas antes de aprofundarmos esse tema, vamos explicar mais profundamente o que é a inveja, diferenciando-a do ciúme.

Para Habimana e seus colaboradores (2011), a inveja implica em comparações entre duas pessoas: o invejoso e o invejado. A primeira deseja as qualidades, as habilidades, a notoriedade, a beleza, as possessões da pessoa invejada e este desejo acompanha afetos diversos (positivos e negativos). A pessoa invejada pode saber ou ignorar totalmente a existência desta inveja. Quando ela desconfia da inveja do outro e imagina seu sofrimento, ela pode tentar usar diversos meios para atenuar esta inveja: minimizar sua superioridade, descrever os problemas associados de possuir as vantagens invejadas, testemunhar uma gentileza excessiva em relação ao invejoso e em certos casos, se colocar em posição de xeque-mate para não perder o contato com a pessoa invejosa.

Para esses mesmos autores, existe muita confusão entre os conceitos “inveja” e “ciúmes”. Mas estes afetos são totalmente diferentes. A inveja é a pulsão de se apropriar de um objeto ou coisa que não nos pertence. O ciúme, entretanto, se observa inicialmente nas relações triangulares: o ciumento, a pessoa amada e o rival (real, potencial ou imaginário). O ciúme está associado ao medo de se perder o objeto que se possui. Contrariamente à inveja, que é essencialmente relativa às possessões, o ciúme é, antes de tudo, um sentimento do coração, uma relação romântica. Além do romantismo, existem, é claro, outras formas de ciúme, notadamente o ciúme fraternal ou entre amigos. No ciúme fraternal, a emoção é iniciada pela crença de que um pai dá privilégios a um irmão ou irmã, quando deveria distribuir igualmente os favores. Entretanto, um irmão ou uma irmã pode ter qualidades que o outro não tem e se ele é amado por causa destas qualidades se está, de fato, na dinâmica da inveja. Ainda, desejar guardar seus amigos para si mesmo é uma manifestação de ciúme. Mas, um amigo que tem um talento de chamar outros amigos para si mesmo é uma qualidade invejada. E este rival, que termina por ter a atenção do amigo que é amado por outros, inicia inevitavelmente a inveja, pois pode-se invejar esta facilidade que ele tem de seduzir os amigos dos outros e de consegui-los para si. É possível, então, que no ciúmes entre amigos, se possa estar, a um mesmo tempo, invejoso em relação ao rival e em relação ao próprio amigo. Após essas explicações que devem ter servido para compreendermos melhor a inveja, diferenciando-a do ciúme, cabe agora entrar diretamente no tema da inveja no esporte, ou em praticantes de atividades físicas e esportivas.

Desde o ano de 1994, a imprensa internacional, notadamente a norte-americana, não se cansa de noticiar as diversas nuances com respeito à Síndrome de Harding. Do que se trata esta síndrome? Pouco antes dos Jogos Olímpicos de Inverno em Lillehammer, em 1994, na Noruega, a patinadora americana, Nancy Kerrigan foi agredida e machucada no joelho, com uma barra de metal, por conhecidos de sua rival, Tonya Harding. Machucando sua rival, ela esperava aumentar suas chances de integrar a seleção americana, pois suas chances eram menores, se Kerrigan continuasse competindo. Mas para compreender melhor esse fato, cabe relatar um pouco do histórico dessas duas patinadoras e de sua rivalidade.

No Campeonato dos Estados Unidos, em 1991, Kerrigan ganha o bronze e Harding o ouro. Mas, esta situação iria se reverter depois, pois em 1992, Kerrigan é segunda e Harding terceira, sendo que em 1993 Kerrigan ganha o ouro e Harding perde o pódio e termina na quarta posição. No Campeonato do Mundo de Munique 1991, Kerrigan termina em terceiro lugar e Harding em segundo, mas, no ano seguinte, em Oakland (USA), Kerrigan suplanta Harding, pois a primeira é medalha de prata e Harding cai para sexta posição. Nos Jogos Olímpicos de Inverno de Albertville, em 1992 no Canadá, Kerrigan termina em terceiro e Harding em quarto. As duas concorrentes se preparam para Lillehammer, mas com o ouro no pescoço em 1993, pelo Campeonato Norteamericano, como estava se sentindo Harding que era a quarta? Será que ela seria selecionada para representar seu país? Quais são suas chances para se livrar da favorita? O destino deve ter escutado suas queixas, pois algumas semanas antes dos Jogos Olímpicos, um “desconhecido” atacou Kerrigan, quebrando-lhe a perna com uma barra de ferro. Harding ganha a medalha de ouro no Campeonato Americano, estando certa de ser selecionada nos Jogos Olímpicos. Mas, pouco tempo depois, um inquérito policial mostrou que alguém tinha ajudado o destino e que eram os conhecidos de Harding que haviam cometido tal delito: seu ex-esposo e seu guarda-costas. Harding foi condenada a pagar uma grande indenização e perdeu sua medalha de ouro, ganha pouco depois do ataque contra a sua rival no Campeonato dos Estados Unidos.

Nos diversos artigos que foram escritos sobre a situação Kerrigan-Harding, pode-se perceber que o termo “inveja” nunca foi mencionado, mas, como afirmam Greenleaf (2009) e Epstein (2003), não se pode ser ambicioso e competitivo sem invejar. O mundo acadêmico e o mundo do esporte são áreas de excelência, nas quais se pode observar facilmente a inveja. Conforme Epstein (2003), quem não conhece a inveja deveria assistir à entrega dos Prêmios MacArthur, destinado anualmente às personalidades mais relevantes das melhores universidades americanas.

No esporte, para ganhar, todos os meios parecem ser bons: boatos que englobam desde o dopping, à corrupção dos árbitros, dos membros dos Comitês Olímpicos, por meio da manipulação dos resultados de certas partidas. Ainda que o termo inveja não seja utilizado quando acontecem estes escândalos, é importante sondar os afetos dos atletas que buscam e requerem ajuda psicológica. Por causa da inveja, por causa desta gana de ser primeiro, alguns correm o risco de se destruir ou cair em depressão ou na toxicomania.

Para Habimana e seus colaboradores (2011), um outro escândalo no mundo do esporte que ilustra uma faceta da inveja é o dossiê Woods, que se pode qualificar como o “homem adúltero”. No caso de Woods, um homem que é a referência no seu esporte, que ganha um salário altamente invejado, que, somado aos patrocínios, chega a centenas de milhões. Muitas pessoas amaram o golfe, simplesmente olhando o jogo de Tiger Woods. Implicado em um conflito conjugal de caráter sexual, mas de consequências menos graves que o incesto, a pornografia infantil, e outras práticas do gênero, ele é abandonado por todos, sua vida arrastada na praça pública, a ponto de os admiradores de ontem, se deliciarem com seus desgostos conjugais. Por que tão pouca empatia em direção a um homem tão adulado? Por que, em nome da moral judaico-cristã (a mesma que nos convida a não jogar a pedra na mulher adúltera), tanto desprezo em direção a um homem fraco, que sucumbiu às solicitações de fãs ardentes e desejosas que corriam em sua direção anos à fio? Esta história ilustra outro lado sórdido da inveja: destruir pela fofoca um ser altamente superior a nós, para se consolar de nossa mediocridade em relação a ele. Sua excelência neste esporte é tamanha que humilha seus concorrentes e vê-lo implicado num escândalo qualquer representa um bálsamo, um alívio. Nota-se um padrão de se sentir melhor que ele, por acreditar que se pode resistir à tentação, sentindo uma alegria que somente a língua alemã traduz adequadamente em uma única palavra: “Schadenfreude”. Este termo é um amálgama de duas palavras: “schaden” que significa dano, mal, adversidade, e “freude” que significa alegria. Em outros termos, uma alegria provocada pela infelicidade dos outros. Epstein (2003), Greenleaf (2009) e Schoeck (1969), consideram o Schadenfreude como a irmã caçula da inveja, no sentido em que o invejoso não provocou a infelicidade como na inveja pura, mas ele está feliz, pois o destino se encarregou da situação. Mas afinal, como se desenvolve esse valor fundamental? Como nasce a inveja?

A inveja nasce de um contexto de comparação social. Inveja-se uma pessoa a quem se possa comparar: aquele que partilha ou partilhou nossa condição, que era ou possuía o mesmo que nós, mas que, por alguma razão, nos supera. Salovey (1991) enumera três condições que emergem da inveja: (a) quando a comparação com esta pessoa nos é desvantajosa. Por exemplo, meu companheiro de jogo na escola que nos ultrapassa em talento e habilidade e que doravante integra a seleção nacional; (b) quando estas comparações são feitas em uma área particularmente importante e pertinente para seu autoconceito. O antigo jogador de futebol inveja particularmente os jogadores de futebol e não necessariamente os de tênis; (c) e quando as comparações implicam uma pessoa que vive no mesmo ambiente semelhante ao seu. É mais fácil invejar a estrela crescente, originária de seu bairro, que um estrangeiro. Contudo, o nível de inveja difere de um sujeito a outro. Alguns tomam consciência de sua inveja, ficam chateados, mas conseguem aceitar as diferenças e a superioridade das pessoas que eles invejam. Esta tomada de consciência é salutar, pois ela atenua o sofrimento e empurra o sujeito a funcionar sobre o princípio da realidade. Outros ficam submersos por uma gama de emoções: vergonha, humilhação, tristeza, depressão e, até mesmo, a cólera, a raiva, a ponto de se destruir ou de destruir o rival. Estes afetos são acompanhados de reações fisiológicas, tais como, as palpitações cardíacas, a tensão muscular, a secura na boca, reações embaraçosas como um silêncio repentino, um sorriso forçado e uma reação que raramente engana: o ranger dos dentes (Habimana e cols, 2011). A inveja não é uma emoção, um afeto ou um valor como os outros, ela engloba vários outros afetos e atitudes e tem muitas outras emoções e valores negativos que se integram. Se a proximidade e a comparação social favorece a emergência e a perenidade da inveja, ela pode ser também difusa, ou pode ser dirigida contra um corpo profissional ou uma classe social totalmente afastada da nossa, como por exemplo, a inveja que se pode sentir contra os políticos, os altos funcionários, os nobres, etc., na medida em que consideramos que tais pessoas detém vantagens inacessíveis ao comum dos mortais. Este tipo de inveja pode levar à zombaria, ao desprezo, à caricatura, a ponto de levar certas pessoas invejosas à cometer crimes contra tais pessoas invejadas, mas principalmente contra seus bens e propriedades, o que, de certa forma, explica os atos de vandalismo.

Não se inveja as coisas ou as pessoas (e seus talentos e habilidades) com o mesmo grau e observam-se igualmente diferenças entre os sexos. Apesar da crença popular de que as mulheres são mais invejosas que os homens, isto não é totalmente verdadeiro. Mulheres e homens invejam coisas diferentes. Habimana e Massé (2000) realizaram um estudo mostrando que, entre os objetos, aspectos ou condições mais invejáveis, quatro se destacam. Em primeiro lugar: a popularidade. Este aspecto concerne também à sedução e à projeção social, à atração sexual, à beleza física e a liderança, não esquecendo, é claro, do talento no esporte. Em segundo lugar: o bem-estar pessoal. Este aspecto concerne a sentir-se seguro de si mesmo, à autoconfiança e ao fato de ter boas relações com seus amigos e seus parentes. Em terceiro lugar: o bem estar material, que significa ter dinheiro, um melhor emprego, ganhar prêmios, ter possessões materiais e uma boa qualidade de vida, como viagens e diversas opções de lazer em geral. Por fim, inveja-se, particularmente a inteligência e o talento. As diferenças interpessoais e sexuais são observadas considerando estas categorias. No interior de uma mesma categoria, pode-se invejar aspectos diferentes. Por exemplo, no nível da popularidade, as mulheres são mais inclinadas a invejar a beleza e os homens mais inclinados a invejar a liderança e a projeção social. Naturalmente, no mundo acadêmico, a inteligência é a coisa mais invejada e no mundo esportivo, é o talento. Contudo, estes autores demonstraram que, de maneira geral, a área que suscita mais inveja é o bem-estar material, seguido pela inteligência, o talento, o bem-estar sócioafetivo e, em último lugar, a sedução social. Pode-se, então, notar a importância acordada à inteligência e ao talento, aspecto sobre o qual se interessou Desnoyers (1999). Esta autora observou que os estudantes praticantes de esportes individuais manifestavam mais inveja nas áreas de bem-estar socioafetivo, inteligência e talento, do que aqueles que praticavam esportes coletivos. Ela formula a hipótese que a pressão na competição é mais acentuada nos esportes individuas, onde o atleta assume sozinho o resultado da mesma, que nos esportes coletivos, pois os esforços são divididos. Teria, então, mais rivalidade e, por consequência, mais inveja nos esportes individuais, onde o atleta se compara diretamente a um adversário preciso. Ela acrescenta que, em um esporte de equipe, existe maior cooperação e, por consequência, a inveja deverá ser menor, como em todas as outras áreas onde se observa mais colaboração que competição.

Conclusão

A área de estudo sobre os valores é largamente conhecida e explorada, em diversos contextos, principalmente no contexto do desenvolvimento de carreira (interesses, papéis profissionais, motivações, etc.), mas o valor “inveja” em praticantes de atividades esportivas pode ser considerado a “criança esquecida” seja da Teoria dos Valores, seja da Psicologia do Esporte. Parece mais fácil explorar temas (valores, afetos, emoções) com caráter mais positivo do que temas de natureza mais negativa. Mas a inveja não é necessariamente um tema (valor, afeto, emoção) unicamente nefasto e destrutivo. A inveja também tem seu lado positivo.

Na verdade, como sublinham Spielman (1972) e Parrot (1991), existem quatro intensidades de inveja: a emulação, a ferida narcísica, a luxúria e, finalmente, a cólera contra a pessoa ou o objeto invejado. O primeiro nível de inveja, o mais comum e o menos patológico seria a emulação. Admira-se aquele que nos ultrapassa, por exemplo aquele que é mais talentoso que nós; pode-se até tentar se igualar (quem sabe até tentar ser melhor), inclusive ultrapassá-lo, sem nenhuma intenção destrutiva. Entretanto, e muito mais comum, damo-nos conta que o outro nos ultrapassa e que é em vão esperar igualar-se a ele. Percebe-se e aceita-se sua superioridade, seu talento, com tristeza, com resignação, com humildade, podendo-se chegar à raiva de si mesmo ao ponto de querer se autodestruir; esta ferida narcísica pode conduzir à depressão, à desvalorização do eu, mas em casos normais, as pessoas se recuperam e aceitam o segundo ou outro lugar no pódio. O terceiro nível, a luxúria, a pessoa invejosa deseja arduamente possuir aquilo que é cobiçado. Ela pode se lançar numa luta competitiva (por exemplo, começa a praticar a atividade esportiva com uma determinação fora do comum, fora do esperado), e em certos casos, até conseguir inverter a situação em seu benefício; mas se não consegue, seja por que aceita a superioridade do outro, se consola tendo tentado de tudo e faz a paz com ela mesma e com a pessoa invejada, seja por que ela passa para a etapa seguinte: a destruição do rival. O último nível de inveja se caracteriza pela cólera, a maldade, a raiva, a fofoca e diversos outros afetos, atitudes, valores, emoções e comportamentos negativos com relação à pessoa invejada (aqui sim estamos no nível de inveja destrutiva). Isso pode até mesmo destruir o objeto invejado, como por exemplo o caso Kerrigan-Harding, e porque não dizer o caso Caim-Abel (Caim matou seu irmão Abel porque o Senhor tinha preferido a oferenda de Abel àquela de Caim).

Finalmente, este texto deve servir, entre outros, para também estimular pesquisas e, quem sabe, transformar este tema numa área forte de estudos. Alguns colegas e nós mesmos estamos trabalhando no desenvolvimento de um inventário sobre comparações sociais (inveja) que deverá ver a luz do dia em breve. Com um instrumento desta natureza, validado e preciso para uso no Brasil, acreditamos que facilitará o desenvolvimento sistemático e contextualizado desta área.

Referências

Balbinotti, M. A. A. (2011). IMPRAFE-132: A nova versão de um instrumento de avaliação de motivos que levam à prática regular de atividade física e esportiva, Porto Alegre, Ed. UFRGS (no prelo).

Brown, D. (1996). Brown’s Values-based, holistic model of career and life-role choices and satisfaction. In D. Brown, L. Brooks and Cols., Career choice and Development (3ªEd. P. 337-372). San Francisco: Jossey-Bass.

Brown, D. & Crace, R. K. (1996). Values in life role choices and outcomes: A conceptual model. The career Development Quarterly, 44(3), 211-223.

Bujold, C. & Gingras, M. (2000). Choix professionnel et développement de carrière : Théories et recherches. Montréal, Gaëtan Morin Éditeur.

Desnoyers V. (1999). Étude du niveau d’envie chez les jeunes athlètes pratiquant une discipline individuelle ou d’équipe à l’intérieur du programme sport-études du Québec. Dissertação de mestrado não-publicada, Université du Québec à Trois-Rivières.

Epstein J. (2003). Envy: the Seven Deadly Sins. New York: Oxford University Press.

Greenleaf V.C.G. (2009). Envy. A Survey of Its Psychology and History. California: Fort Bragg, Cypress House.

Guichard, J. & Huteau, M. (2001). Psychologie de l’orientation, Paris, Dunod.

Habimana, E. et Massé L. (2000). Envy manifestations and personality disorders. European Psychiatry, 15, Suppl. 1, 15 – 21.

Habimana, E., Balbinotti, M. A. A., Denoyers, V. & Massé, L. (2011). Inveja e Esporte : o lado escuro e não declarado da competição esportiva. Porto Alegre, Ed. UFRGS (no prelo).

Holland, J. L. (1997). Making Vocational Choices: A Theory of Vocational Personalities and Work environments (3ªEd.). Odessa, FL: Psychological Assessment Resources.

Parrott W G. (1991). The emotional experience of envy and jealousy. In: Salovey P, ed . The Psychology of Envy and Jealousy. New York: The Guilford Press; p. 3-30.

Perron, J. (1981). Questionnaire de valeurs de Travail, Sainte-Hyacinte, QC, Edisem.

Rokeach, M. (1973). The Nature of Human Values, New York, Free Press.

Sagiv, L. (1999). Vocational Interests and basic values, Jerusalem, The Hebrew University of Jerusalem Press.

Salovey P. (1991). Social Comparison Processes in Envy and Jealousy. In: Suls J, Wills T A, eds . Social Comparison: Contemporary Theory and Research. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates; p. 261 – 86.

Schoeck H. (1969). Envy: A Theory of Social Behaviour. New York: Harcourt, Brace, and World. Inc.

Schwartz, S. H. (1992). Universals in the content and structure of values: tests in 20 countries. In M. Zanna (Ed.), Advances in experimental and Social Psychology, 25, Orlando, FL., Academic Press, 1-65.

Spielman P M. (1971). Envy and jealousy: an attempt at clarification. Psychoanalytic Quarterly 40: 59-82.

Super, D. E. (1970). The Work Values Inventory, Boston, Houghton Mifflin Editor.

Super, D. E. (1991). Questionnaire de valeurs professionnelles, Paris, ECPA, Première Edition Américaine, 1970.

Filosofia, Ética e Moral: Um estudo dos valores inerentes às artes marciais

 

Jefferson Campos Lopes 

Marcello Arias Dias Danucalov

Brazilian Union Educational College of São Vicente (UNIBR)

Resumo: As artes marciais têm origem milenar e foram utilizadas ao longo deste tempo para as guerras, autodefesa, saúde e esporte. Este artigo busca produzir informações sobre o contexto da Filosofia nas artes marciais, percorrendo seus significados e possibilidades a serem utilizados na vida pessoal, na convivência na sociedade e como forma de educação da construção da autonomia e sua consciência. Este estudo foi descritivo e exploratório bibliográfico buscando apresentar uma nova perspectiva do verdadeiro caminho entre uma ligação entre a verdade interior e pessoal com sua praticidade global.

Palavras Chaves: Filosofia, artes marciais, educação e sociedade.

Abstract: Martial arts have ancient origin and were used throughout this time for war, self-defense, health and sport. This paper aims to produce information about the context of philosophy in martial arts, running their meanings and possibilities for use in personal life, in living in society and as a means of education of the construction of autonomy and consciousness. This study was descriptive and exploratory bibliographic seeking to present a new perspective on the true path of a link between the inner and personal truth with its overall practicality.

Key words: philosophy, martial arts, education and society.

Filosofia, Ética e Moral

A palavra Filosofia é originária do verbo grego philosophein, que significa amar philia – a sabedoria – sophia – ou ainda, a busca amorosa pela verdade, dependente da corajosa reflexão e do pensar acerca da vida; do mundo; do universo; das relações; das interseções entre distintas consciências. A Filosofia tem sido edificada com base nos questionamentos das práticas políticas, das conquistas da Ciência, da aplicação das novas tecnologias, dos dilemas enfrentados pela Ética, dos desafios econômicos, entre outros como afirmam Pacheco e Nesi (2007). Dentro da Filosofia existem duas linhas que convergem diretamente dentro dos processos da experiência humana que são a Ética e a Moral. Marcondes (2007) diz que etimologicamente, a palavra “Ética” origina-se do termo grego ethos, que significa o conjunto de costumes, hábitos e valores de uma determinada sociedade ou cultura. Os romanos o traduziram para o termo latino mos, moris (que mantém o significado de ethos), dos quais provém moralis, que deu origem à palavra moral em português. De todas as áreas da Filosofia, a Ética ou Filosofia Moral será nosso eixo norteador neste artigo. Segundo Danilo Marcondes, a Ética é:

[…] Uma das áreas que maior interesse desperta no campo da filosofia, sobretudo porque diz respeito diretamente à nossa experiência cotidiana, levando-nos a uma reflexão sobre os valores que adotamos, o sentido dos atos que praticamos e a maneira pela qual tomamos decisões e assumimos responsabilidade em nossa vida (MARCONDES, 2007, p.9).

Etimologicamente, a palavra “ética” origina-se do termo grego ethos, que significa o conjunto de costumes, hábitos e valores de uma determinada sociedade ou cultura. Os romanos o traduziram para o termo latino mos, moris (que mantém o significado de ethos), dos quais provém moralis, que deu origem à palavra moral em português (MARCONDES, 2007, p.9).

Logo, Ética e Moral são a mesma coisa? Sim e não. Apesar dos termos serem sinônimos, aos poucos foi se estabelecendo na sociedade uma diferenciação entre eles.

Na época moderna, considerou-se com frequência que o termo “moral” pudesse estar reservado ao tipo de normas e valores herdados do passado e da tradição, ou então da religião. “Moral” especializou-se mais ou menos no sentido daquilo que “é transmitido”, como código de comportamentos e juízos já constituídos, mais ou menos cristalizados. Nesse sentido, aceitamos ou rejeitamos a moral de uma família ou de um meio, seguimos os preceitos que a caracterizam ou os transgredimos. A moral parece constituir um conjunto fixo e acabado de normas e regras. […] Hoje, ao contrário, o termo “ética” é empregado principalmente para os campos em que as normas e regras de comportamento estão por ser construídas, inventadas, forjadas por meio de uma reflexão que é geralmente coletiva. […] Em resumo, se nós quisermos distinguir os dois termos, “moral” seria referente às normas herdadas, “ética”, às normas em construção. “Moral” designaria principalmente os valores existentes e transmitidos; “ética”, o trabalho de elaboração ou de ajuste necessário em face das mudanças em curso (DROIT, 2012, p.18-19).

Segundo (COTRIM, 2004) a ação humana é fruto de uma escolha entre o certo e o errado, e entre o que é bom e o que é mal. O indivíduo procura se basear em parâmetros socialmente aceitos que lhe permite conviver com as outras pessoas. Em outras palavras, ele busca sempre se guiar pelos conceitos que norteiam a prática dos valores positivos e das qualidades humanas. Tanto a Ética quanto a Moral ocupam-se do estudo dos valores e das condutas humanas, e este estudo é imprescindível para que possamos compreender melhor as condutas consideradas corretas pelos antigos praticantes de artes marciais.

Todos nós lidamos diariamente com desafios éticos. Conjecturamos sobre o bem e o mal, o certo e o errado, o justo e o injusto. Presenciamos o desenrolar da Ética e do estudo dos valores quando, por exemplo, um aluno escolhe sua futura carreira na fase pré-vestibular; um cliente toma uma decisão difícil durante um processo terapêutico qualquer; ou uma equipe de trabalho decide enfrentar um desafio corporativo lançando mão de uma, dentre dezenas de estratégias possíveis. Em todas essas situações estaremos escolhendo vidas supostamente mais valorosas e deixando de viver inúmeras outras que julgamos ter valor menor. Logo, estamos no coração da Ética quando fazemos as seguintes perguntas: Qual escolha é a mais adequada neste momento?; O que ganho se decidir trilhar o caminho A e não o B?; O que perco ao ir em direção de A ou de B?; Como o sistema no qual estou inserido será afetado pela minha escolha?; O que este sistema poderá perder?; O que poderá ganhar?; Como esta escolha afetará a minha vida nos próximos anos? Sendo assim, a Ética ou a Filosofia Moral pode ajudar-nos em pelo menos dois aspectos. O primeiro diz respeito às conjecturas que faz sobre os códigos e sistemas morais elaborados ao longo de nossa história, assim como seus impactos em nossa trajetória existencial. O segundo relaciona-se à organização dos princípios de vida ou valores de conduta capazes de nos orientar para uma ação eticamente correta durante processos deliberativos – ainda que isso seja discutível e enormemente complexo. Se levarmos em consideração a diferenciação dos termos comentada mais acima, o primeiro aspecto estaria relacionado à Moral, e o segundo a Ética.

Independente da cultura em que se esteja inserido, sempre será possível encontrar ideias que definem o que é considerado importante, válido e desejável para uma dada comunidade. Tais ideias refletem os princípios ou valores transmitidos de geração em geração, ou seja, os códigos morais que concedem sentido e direção aos agentes sociais que compõe essa comunidade e ajudam a erigir uma determinada cultura.

As Artes Marciais

As Artes Marciais tem como definição nas suas palavras uma divisão de categorial gramatical/gênero onde Arte é um substantivo feminino e Marcial é um adjetivo de dois gêneros. Assim sua etimologia vem do Latim onde “Ars” significa técnica, capacidade de fazer alguma coisa e “Martiale” refere-se ao Deus Romano da Guerra no sentido de guerra ou militares. Sendo assim segundo (PAIVA, 2015) Artes Marciais são atividades de combate fortemente relacionadas ao regionalismo, no qual o objetivo de defesa e conquista de uma comunidade ou território. As AM sofreram alterações ao longo do tempo, modificando-se com as sociedades em que estão inseridas, mas com alguns aspectos tradicionalistas continuam enraizados, como as de origem oriental. Segundo (DRIGO ET AL. 2005) outra mudança importante foi a transformação de várias delas em modalidades esportivas que podem ser chamadas de esportes de combates e estão inseridas em competições de grande repercussão mundial. Nesta evolução da humanidade foram criadas diversas artes marciais que podemos distingui-las em orientais (Ásia, china e Japão) e ocidentais (mundo) abaixo algumas delas:

  1. Orientais – Judô, karate, jiu jutsu, aikido, kung fu, kendo, taewondo, muay tae, sumo, hapkido, ninjutsu
  2. Ocidentais – boxe, esgrima, kick boxe, capoeira, full contact, savate, sambo, MMA, grego romana.

A sistematização corporal de cada arte marcial terá como diferenciação a sua função em relação às outras. Um dos objetivos na realização do golpe pode ser a imobilização ou projeção como no caso do Jiu Jutsu/Judo, a percussão de golpes com varias partes do corpo com a intenção de causar o nocaute ou minar o adversário como no caso do karate/boxe/muay tae. Assim podemos dizer que a um objetivo duplamente constituído nesta sistematização que o de golpear e não ser golpeado. Cada arte marcial tem uma objetividade característica diferenciada e no cotidiano atual de civilização entendemos que precisamos exercita-la constante par chegarmos a perfeição e controle. Neste sentido um dos caminhos para o alcance desse objetivo é o duelo onde segundo (BARREIRA, 2008) aproxima os participantes de atitudes e comportamentos reais como instrumentalização eficiente das técnicas desenvolvidas em cada arte marcial. Na prática a adesão à guerra é meramente figurativa, pois existe uma linha muito próxima que transita os caminhos da violência e da brutalidade que contradizem a intenção e o aperfeiçoamento natural de seus praticantes. Temos que entender que o duelo através de um combate é meramente um estímulo da qualificação e adequação aos objetivos e subjetivos que visa à preservação da integridade moral e física dos praticantes levando-os a consciência e responsabilidade de uma conduta ético-corporal para manutenção e desenvolvimento do ser humano de vínculo consigo e com seu oponente.

Bases filosóficas das artes marciais

Apesar de muitos estudiosos afirmarem que a Filosofia é oriunda do Ocidente, mais especificamente da Grécia, é inegável que o Oriente, representado, por exemplo, pela Índia, China, Japão, entre outras nações, sempre foi conhecido por seu rico pensamento, identificado por muitos autores como sendo Filosofia Oriental (ZIMMER, 2003). Confucionismo, Budismo, Taoismo e o Hinduísmo são exemplos clássicos do pensamento filosófico Oriental. Parte da Filosofia Oriental caracteriza-se por: reclusão monástica; ascetismo; meditação; oração; exercícios de yoga; cultos diversos e, apesar de diferirem em muitos aspectos, parte de suas Filosofias compartilham a noção de que tais ensinamentos devem nortear a convivência pelo resto da vida.

Inspiradas na Filosofia budista, as artes marciais sempre foram vistas como algo bem mais profundo e significativo do que o mero desenvolvimento técnico com vistas a moldar o corpo e desferir golpes perfeitos. Para os primeiros praticantes, o desenvolvimento de virtudes como fidelidade, tolerância e disciplina, patrocinava o autoconhecimento e guiavam as condutas na vida cotidiana. O “Budismo Zen” surgiu na Índia, onde nasceu o príncipe Sidarta Gautama, o iluminado. Porém, de início, não foi bem aceito lá, alcançando aceitação somente na China e Japão, onde se encontrou com as culturas do Taoismo e Xintoísmo, respectivamente. Assim, o Budismo subdividiu-se em diversas formas de “arte zen” que chegaram ao Ocidente, como a cerimônia do chá, o Ikebana, os Haikais e as artes marciais. Àqueles que buscavam o Budismo para receber orientação sobre a vida-e-morte, os monges transmitiam os ensinamentos de Buda e os métodos de meditação, principalmente o Zazen. É interessante notar que o Zazen passou a ser a técnica por excelência dos praticantes de artes marciais, pois além de levar a pessoa a despertar sua visão interior para contemplar a Verdade, ou seja, a vida-e-morte assim como ela é, proporcionava uma tranquilidade mental e espiritual que se refletia na própria técnica do guerreiro. Podemos conceituar o Budō como o “Caminho Marcial”, sendo a combinação de outros dois conceitos: Bujutsu, que se refere especificamente à aplicação prática de táticas marciais e técnicas de combate real, e Bugei, aperfeiçoamento dessas táticas e técnicas com foco no caráter pessoal e desenvolvimento espiritual. Praticar o Budō significa adotar o Bushido, ou seja, a Moral que subjaz às artes marciais, o código de conduta do praticante. O Bushido enfatiza a disciplina, a tenacidade e o treinamento físico e espiritual. Segundo a filosofia do Budō moderno, o combate não se dá com um inimigo externo, e sim com o “ego”, considerado um inimigo interno, devendo ser combatido e derrotado.

Desenvolvido entre os séculos IX e XII, o Bushido amparou-se nos conceitos do Budismo, Xintoísmo e Confucionismo para elaborar seu próprio ensinamento. Assim, os guerreiros samurais eram treinados para não sentirem medo da morte, pois acreditavam que através da morte, caso esta fosse digna, renasceriam novamente como guerreiros. Essa crença na existência pós-morte foi herdada do budismo, assim como as técnicas de meditação Zen que eliminavam o temor do guerreiro samurai diante situações de perigo. O Xintoísmo contribuiu para a criação de preceitos como a lealdade, o patriotismo e principalmente a referência aos antepassados. A devoção que o samurai deve ter para com o seu povo e o representante do mesmo, o Imperador, são parte de sua essência. Traição ou desonra não se refletiam apenas sobre o malfeitor: todos seus ancestrais e descendentes seriam contaminados por ela. Quanto ao Confucionismo, ele ressalta as obrigações interpessoais de um samurai, seja para com um irmão, um pai, sua mulher etc. Todas essas obrigações são sempre conduzidas pelo ideal de justiça, amor e benevolência. A harmonia com a natureza também era contemplada no código Bushido, apoiada na crença de que a Terra não existe apenas para suprir as necessidades dos seres humanos. Um seguidor do Bushido acredita que a Terra é residência sagrada dos deuses e dos espíritos de seus antepassados e, portanto deve ser zelada com um amor intenso. Todos estes ideais já explanados são identificados em sete virtudes do Bushido: 1. GI = Justiça; 2. YUU = Coragem; 3. JIN = Benevolência; 4. REI = Educação; 5. MAKOTO = Sinceridade; 6. MEIYO = Honra; 7. CHUUGI = Lealdade.

Relação entre a Ética Oriental e a Ocidental

De todas as propostas éticas e morais que surgiram no ocidente, provavelmente a de Immanuel Kant é a que mais se assemelha àquela atrelada às artes marciais. Kant nasceu em Königsberg – atual Kaliningrado – em 22 de abril de 1724 e faleceu nessa mesma cidade em 12 de fevereiro de 1804. É interessante notar que, apesar serem oriundas culturas distintas, a proposta Ética de Kant e aquela encontrada no Bushido guardam entre si algumas similaridades.

É célebre o início de sua obra Crítica da razão pura, onde Kant escreve: “A razão humana, num determinado domínio dos seus conhecimentos, possui o singular destino de se ver atormentada por questões, que não pode evitar, pois lhe são impostas por sua natureza, mas às quais também não pode dar respostas por ultrapassarem completamente as suas possibilidades” (KANT, 1985, p.3). As questões as quais Kant se refere são oriundas da tradição Metafísica: O mundo teve ou não um começo?; O mundo sempre existiu ou foi criado?; A alma humana é imortal ou mortal?; Os seres humanos gozam de liberdade ou seus atos são totalmente determinados pelas leis da natureza? Esta última questão fez com que Kant se debruçasse sobre a Ética, arguindo-se sobre a melhor maneira que um ser humano deveria conduzir sua vida.

Em duas de suas obras, Fundamentos da metafísica dos costumes de 1785 e Crítica da razão prática de 1788, Kant apresentará suas ideias a respeito das maneiras como acredita, o homem deveria conduzir sua vida e orientar suas condutas. Apesar de ser um cristão convicto, para Kant a Moral não pode ser fundamentada em Deus, uma vez que é impossível conhecê-lo. E mesmo que tivéssemos certeza da existência de Deus, ainda assim a Moral seria impraticável, pois nossas ações seriam fundadas no temor e na esperança, no medo da punição e na perspectiva da recompensa, e não na liberdade deliberativa. Agiríamos de forma interessada, e isso para Kant é inadmissível, pois ele ampara sua proposta de filosofia moral em três noções basilares: A liberdade; a definição da virtude como intenção desinteressada; e a universalidade à qual deve tender a ação boa. No que diz respeito à questão Moral, Kant não parte de Deus e sim da antropologia de Rousseau expressa em seu texto Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens de 1750:

Em todo animal vejo apenas uma máquina engenhosa, à qual a natureza deu sentidos para retornar à sua própria origem e para se garantir até certo ponto de tudo o que tende a destruí-la ou perturbá-la. Percebo exatamente as mesmas coisas na máquina humana; com a diferença de que a natureza sozinha faz tudo nas operações do animal, enquanto o homem participa das suas na qualidade de agente livre. Uma escolhe ou rejeita por instinto, e a outra, por um ato de liberdade: o que faz com que o animal não possa afastar-se da regra que lhe é prescrita, mesmo quando lhe fosse vantajoso fazê-lo, e com que o homem se afaste dela muitas vezes em seu próprio prejuízo. Assim, um pombo morreria de fome perto de uma bacia repleta das melhores carnes, e um gato, sobre montes de frutas ou grãos, embora um e outro pudessem muito bem nutrir-se do alimento que desdenham se ousassem prová-lo. Assim, os homens dissolutos entregam-se a excessos que lhes causam febre e morte, porque o espírito deprava os sentidos e a vontade continua a falar quando a natureza se cala […] Porém, quando as dificuldades que cercam todas essas questões deixam em alguma ocasião de discutir essa diferença entre o homem e o animal, há outra qualidade muito específica que os distingue e sobre a qual não pode haver contestação: é a faculdade de se aperfeiçoar, faculdade que, graças a circunstâncias, desenvolve sucessivamente todas as outras e reside entre nós tanto na espécie quanto no indivíduo; enquanto um animal, ao final de alguns meses, é aquilo que será por toda a vida, e sua espécie, ao final de mil anos, é aquilo que era no primeiro desses mil anos. Por que apenas o homem está sujeito a tornar-se imbecil? Não seria porque, desse modo, ele retorna a seu estado primitivo e, ao perder pela velhice ou outros acidentes tudo o que sua perfectibilidade lhe havia feito adquirir, chega a descer a um nível ainda mais baixo do que o próprio animal, que, por nada ter adquirido nem perdido, continua sempre com seu instinto? (ROUSSEAU, 1983, p.242-243; FERRY, 2012, p.93).

Note que, para Rousseau, a diferença entre o ser humano e o gato não é sustentada por uma fronteira de grau, explicitada na frase “O homem é mais inteligente que o gato”. A diferença repousa no fato de pertencermos a categorias diferentes. Homem é homem e transcende sua natureza. Vai além dela. Já o gato é somente porta voz de sua natureza. Somente manifesta o seu instinto. Somente dá vazão aos seus desejos. Daí emana a conhecida frase de Rousseau: “A vontade ainda fala quando a natureza cala”.

Em sua obra Fundamentação da metafísica dos costumes de 1785 (KANT, 1964) Kant quer determinar por meio da pesquisa o princípio supremo da moralidade, ou seja, aquilo que antecede qualquer dilema moral efetivamente vivido; aquilo que paira sobre tais dilemas; aquilo que está além deles; que os transcenda e seja independente deles; que não esteja atrelado a qualquer tipo de particularidades circunstanciais. Mas, de onde Kant tirou isso? Qual é o conteúdo desse a priori moral? Ao se perguntar sobre o valor das coisas, Kant observa que quase tudo que é assumido como sendo bom pode ser tomado por ruim, e vice versa. A beleza, por exemplo, pode ser usada para amar ou para subjugar; dominar; seduzir com intenções espúrias. A inteligência pode estar a favor da paz ou da guerra. Enfim, aparentemente não há nada que seja intrinsecamente bom ou ruim. O valor das coisas parece não estar ancorado em nada, ao contrário, flutua à deriva e ao sabor das circunstancias. Logo, é necessário encontrar o que é indiscutivelmente bom, e a constatação que Kant faz é que a única coisa que é incontestavelmente boa é a boa vontade. O que é indubitavelmente bom é uma produção a priori da mente, do intelecto. É um juízo sintético feito a priori! Age bem aquele que quis agir bem! A vontade – que é uma característica eminentemente humana -, transcende a natureza humana. Subjuga o desejo; refreia as paixões; contém as inclinações; sobrepuja as pulsões.

No senso comum é bastante recorrente que usemos a palavra vontade como sinônimo de desejo. Todavia, para Kant esses termos são opostos entre si. O homem tem vontade, e ela traduz sua capacidade de deliberar a vida para além de sua natureza, para além de seus impulsos mais desejantes. Como nos ensina Rousseau, o homem não é totalmente governado pelos seus instintos. O homem não nasce pronto. Tem que aprender a viver ao longo de sua trajetória existencial. Por este motivo que o ponto de partida da Moral kantiana é a vontade, pois, segundo Kant, por meio dela podemos decidir agir na contramão dos instintos.

Opondo-se ao senso comum, que costuma definir o homem livre como sendo aquele que faz o que quer, Kant nos convida a pensar de forma radicalmente diferente. Para ele, um homem que satisfaça constantemente os seus desejos não poderá ser considerado um homem livre, pois se tornou escravo dos seus apetites. Sua razão é subjugada pelos seus instintos, suas pulsões, suas paixões, seus desejos. Para Kant, o homem só é verdadeiramente livre quando delibera agir na contramão de seus desejos, ou seja, quando faz aquilo que não quer. Desejos são inclinações do corpo e vontade é um atributo da razão. A vontade negocia constantemente a possibilidade e a conveniência da satisfação de certos desejos, e é uma das bases da responsabilidade, tão cara nos de tomada de decisão. É forçoso transcender a própria natureza por meio da vontade – razão. Daí o significado dos Fundamentos da metafísica dos costumes. A vontade vai além – meta -, dos desejos – natureza/plano físico. Para Kant, a boa vontade é o único bem incondicionado. Todos os demais valores não são bons a priori. Tudo depende de confirmação, exceto a boa vontade. A boa vontade é um valor bom a priori. Independe da experiência. A noção do dever é um dos grandes pilares da filosofia Moral de Kant, e neste sentido ela é muito parecida com as condutas éticas adotadas pelo Bushido e os samurais japoneses, que levavam tão a sério seus deveres que não hesitavam em por fim a própria vida quando as circunstancias contrapunham os seus deveres como samurais aos seus desejos em manter a própria vida. A lei moral kantiana não é natural assim como não são os códigos de conduta dos samurais. Ambos são construídos e supõe esforços constantes por parte de seus agentes e pressupõe a adoção de imperativos hipotéticos e categóricos. O imperativo hipotético é um imperativo de segunda classe. Recebe esse nome devido ao fato dele obedecer a um arcabouço condicionado. Na hipótese de que você queira algo, deverá fazer uma determinada ação! Note que o dever de realizar a ação está condicionado à hipótese de se querer algo. Sendo assim, esse imperativo só o é na hipótese, por exemplo: Na hipótese de querer defender-se, aprenda uma arte marcial. Na hipótese de querer ser mais lúcido e aprender a pensar com mais profundidade e radicalidade, estude Filosofia. A diferença entre o imperativo categórico e o imperativo hipotético é que o categórico não se preocupa com o que você quer, pois suas leis são universais e independem de qualquer circunstância, de qualquer sujeito, em suma, de qualquer coisa, como a honra do samurai ao seu senhor. O imperativo categórico tem relação com o porquê se quer e não com o que se quer. O imperativo categórico nos ajuda a nos opor à natureza, pois muitos deles opõem-se aos nossos desejos mais comezinhos e às nossas pulsões mais animalescas. Todavia, é importante entender que Kant fala como devemos agir e nem impõe valores. Ele simplesmente apresenta procedimentos para que possamos chegar, nós mesmos, às nossas conclusões. “Haja de tal maneira a pretender que o princípio que rege a tua conduta possa se converter num princípio universal”. O critério do imperativo categórico é o da universalidade! Se ao pensar em roubar você aplicar o procedimento acima e chegar à conclusão que o mundo seria insuportável se todas as pessoas – universalidade – agissem da mesma forma, deverá adotar a conduta de não roubar em qualquer circunstancia, em qualquer contexto, em qualquer ocasião. Não roubar tornar-se-á para você, um imperativo categórico, assim como o são as sete virtudes do Bushido.

Budo, Zen, Bushido

Nas artes marciais o Budo refere-se aos sistemas de combate, caminhos marciais, trilhas que representam a consolidação dos princípios mais profundos, decorrentes principalmente nos dias de hoje em tempos de paz exterior e interior. No mundo oriental um dos caminhos para atingir esta evolução parte do principio BUDO que descrever o estilo de vida dos praticantes dessas artes, no qual engloba uma série de aspectos físicos, filosóficos e morais, com foco no auto-aperfeiçoamento, disciplina e crescimento pessoal e espiritual. Não faz sentido definir o budô pelos seus traços de austeridade e de severidade, ou pela espiritualidade do ascetismo. Budô significa literalmente a via marcial. É necessário refletir sobre a prática técnica das artes marciais (bu) em associação com a noção de via (dô). Podemos conceituar o Budō como o “Caminho Marcial”, sendo a combinação de outros dois conceitos: Bujutsu (refere-se especificamente à aplicação prática de táticas marciais e técnicas de combate real) e Bugei (aperfeiçoamento dessas táticas e técnicas com foco no caráter pessoal e desenvolvimento espiritual). Budo é antes de tudo uma atitude, que pode ser inserida em cada pequeno detalhe de nossa vida, pois quando se relaciona o significado latente de Do, que em japonês não significa caminho simplesmente como “via”, mas encerra em si um significado extensamente mais profundo, pois refere-se a todo o “caminho” percorrido em uma vida, do nascimento à morte de uma pessoa, entendemos a magnitude que essa palavra encerra.. Já nas civilizações ocidentais todas as transformações tecnológicas maturaram o então conceito do Budo – transformaram radicalmente as técnicas, os equipamentos e armamentos revolucionando para um paradigma de uma nova finalidade que consiste em imprimir um caráter formador, educacional e esportivo em detrimento da busca pela eficiência letal para o combate bélico. Através do treino das técnicas se cultivaria corpo, mente e espírito para o autodesenvolvimento. Segue caminhos de desenvolvimento da arte, do desporto e de uma perspectiva integrativa entre o homem e seu interior com ele mesmo e a sociedade. No Japão, o Budo (a via do guerreiro) agrupa a totalidade das artes marciais. O Budo aprofundou de maneira direta as relações existentes entre a ética, a religião e a filosofia. Os textos antigos que lhe são consagrados dizem respeito essencialmente à cultura mental e à reflexão sobre a nossa natureza: quem sou eu? Portanto, okanji “Bu” significa também parar a luta, pois o objetivo no Budo não é concorrer com os outros, mas sim encontrar sabedoria, paz e mestria de si. “Do” é a via, o método, o ensinamento para compreender perfeitamente a natureza do nosso próprio Eu, o não-ego (Deshimaru, 1983). Portanto, as artes marciais são essencialmente uma via espiritual (Durix, 1978). A sua relação com o desporto é muito recente (Deshimaru, 1983).

O progresso em Zen significa simplesmente ser humano, se envolver em coisas cotidianas ordinárias e conviver com as pessoas, ajudando que não conseguem sentir pelo menos um pequeno momento de Zen, e assim para um pequeno passo para melhorar a sua própria consciência e generosidade do mundo. É realmente trabalho diário, sem (qualquer expectativa) salário. E por isso, deve ser entendida como uma experiência. A maior diferenciação entre as lutas e outras modalidades esportivas é o fato do objetivo principal ser o enfrentamento físico direto com um adversário ou oponente. Portanto, ao longo das ações técnicas e táticas, há possibilidades que vão sendo criadas devido a este fator de imprevisibilidade, já que o adversário nunca ficará inerte e responderá às reações de forma inesperada, imprevisível. As lições da relação filosofia e artes no âmbito escolar seguem em direção de dar um significado mais apurado aos alunos quanto a se ter através de uma alternativa corporal uma forma de poder buscar as melhores condições para a transição do adolescente para a vida adulta. Pois segundo Formiga et all (2008), os jovens apresentam características biopsicossociais, sendo tais características obtém uma tendência à espontaneidade, passando a descarregar, quase que normalmente, seus impulsos agressivos direta ou indiretamente. Sendo assim, os jovens indicam-se vulneráveis e suscetíveis às influencias vindas do meio social. Logo procuram fora da família aspectos que almejam incorporar a sua realidade pessoal com os quais precisam lidar que constitui uma parte do seu “eu”, porém nem sempre esse “eu” encontra-se integrado a personalidade e a sociedade. Esses jovens procuram se auto-afirmar e também a se identificar, podendo assim, compreender a sua rebeldia e revolta por meio das manifestações agressivas, permeando a abstração que ele mesmo faz e desenvolve de si mesmo acerca dos atributos, capacidades, objetos e atividades que tem e deseja alcançar.

Dentro das escolas a filosofia das artes marciais esta inserida junto ao termo sobre cultura corporal do movimento que neste caso se faz através das lutas que são definidas (PCN´S 1998) como: “disputas em que o(s) oponente(s) deve(m) ser subjugado(s), com técnicas e estratégias de desequilíbrio, contusão, imobilização ou exclusão de um determinado espaço na combinação de ações de ataque e defesa”. Assim o Zen acompanha diretamente o Budo em caminho mental onde desenvolve o corpo, mas especialmente a força mental (e espiritual) e abre o caminho para a sabedoria ou pensando no sentido de exercício que vão superar seus adversário ou situações extremas. Podemos associar a mente humana a um suposto que compreende tudo e tornar-se todo e parte de uma harmonia global e de conformidade com os princípios de uma vida, sobreviveu a todas as exigências e limitações do que é promissor e dedicando- que e sua vida (Suzuki de 2005).

Podemos tentar entender que a mente move a corpo, que para tal exigem um movimento-cuidado de aprender a unir corpo-mente que devera ser ensinado pelo professor no intuito de manter sempre uma vigilância da compreensão da mente sobre o corpo. Podemos através destes seis aspectos, fatores ou perguntas que devem ser feitas a mim mesmo (Cheng Man Ching de 2005):

1. Time (o quanto você exercita a mente?)

2. Alcance (o quanto mergulha no que é mais valioso para alcançar?)

3. Descreva (exercita você músculos apertados em movimentos fortes ou omissões músculo prejudiciais sem esforço?)

4. A adaptação (como desenvolveu a capacidade de aplicar o princípio pelas condições especiais para evitar formas de fixação “servis”?)

5. Competência (com quanta precisão e facilidade de movimentos realizados?)

6. Entendimento (como clara e rapidamente reconhece a importância do princípio?).

Assim ao realizar um estudo sobre o Bushido estes autores mereceram destaque: os trabalhos sobre o espírito guerreiro japonês (LONE, 2005; RAJANIKANTH, 2005); o código de ética do Samurai (bushidô) (SHIN’ICHI, 2008); a análise da obra de Nitobe e o código de ética do Samurai (bushidô) (BEEBY; RODRIGUES, 2009; RODRÍGUEZ NAVARRO; BEEBY, 2010); a missão japonesa e a educação da moral (ITO, 2010); o público japonês e o filme “O último Samurai” (CHUN, 2011); o código de ética bushidô como pedagogia no treinamento esportivo no Japão (MILLER, 2011); e sobre o código de ética bushidô nos relacionamentos interpessoais (LI et al., 2012).

Segundo Hoffmann (2007), o bushidô é um código moral baseado nos costumes dos samurais e acabou por influenciar a nação nipônica, tanto no comportamento, como também, em sua maneira de pensar. Mais do que normas e palavras, o bushidô foi passado de geração em geração e está presente na essência do povo japonês. Ao desmembrar a palavra bushidô, depara-se com dois termos japoneses: bushi e do, em que bushi significa “guerreiro” e do significa “caminho”, logo o sentido de bushidô justamente é: “o caminho do guerreiro” (HOFFMAN, 2007).

O termo bushidô, em japonês Caminho do Guerreiro, designa o código de conduta dos samurais criado durante o Período Tokugawa (1603-1868) quando o ritmo das guerras internas no Japão diminuiu e todo o arquipélago desfrutou de um prolongado tempo de paz. Este código surgiu como instrumento para regrar a vida dos samurais que estavam sem qualificação dentro da sociedade devido à ausência de guerras, visto que quando este estamento surgiu no Período Sengoku (1467-1573) as batalhas eram constantes e havia demanda por este tipo de profissional.

Há quem afirme ser o bushidô um desenvolvimento natural do shidô – código entre os samurais comum no Período Sengoku, outros, como (NAVARRO, 2008) afirmam ser provenientes do kakun – preceitos familiares seguidos por todos pertencentes a um clã ou família, porém, independentemente da origem, devemos ter em mente que se trata de um código ético de influência confucionista. Este código não era escrito e sua transmissão era exclusivamente oral, ou seja, era passado ao discípulo pelo mestre para garantir o domínio da interpretação que o discípulo viesse a ter. Sabe-se que este código ajudou a controlar os samurais que ao final do Período Tokugawa já se encontravam em decadência (SONODA, 1990), sendo que muitos de seus membros eram obrigados a ocuparem cargos públicos, ou se tornavam mercadores e camponeses, visto não haver alocação para eles dentro da sociedade. Ou seja, o regramento do estilo de vida dos samurais evitou que se tornassem outsiders.

Estando longe de finalizar o estudo desse artigo devemos compreender ainda, que nas Artes Marciais, mesmo a questão do “lutar” busca em sua essência original o desenvolver-se com o outro e não contra o outro. Sobretudo, a proposta do caminho da Arte, em seu princípio fundamental, deve ultrapassar as barreiras do local de treino e dar continuidade à vida dos que ali estão envolvidos, pois visa a uma aprendizagem para a vida. Segundo (BREDA at.al. 2010) devemos compreendemos que o princípio de aprendizagem que norteia as Artes Marciais baseia-se na construção do Ser na sua maneira mais significativa. E, a verdadeira compreensão dessas Arte, só se torna possível àqueles que se abrem, de coração puro e de desejos que perpassam a lógica da razão. Assim, esse Ser precisa estar, de fato, aberto a aprender, disposto a entrar nessa relação se doando por inteiro. Podemos tecer essa relação teórica proposta por Mendes e Nóbrega (2009), passando a refletir sobre uma concepção de corpo que busca superar as conhecidas dicotomias, por exemplo, entre corpo e mente, e apontam para uma compreensão de corpo pleno, de historicidade e subjetividade dentro de uma filosofia de vida. Dessa forma, dialogando com os estudos de corpo e a filosofia das Artes Marciais, passamos a entendê-los sobre novos olhares, sobre o viés da educação. Ao pensarmos sobre o corpo devemos compreendê-lo como aspecto primordial da existência humana, já que ele “é a medida da nossa existência no mundo”. Além disso, “o corpo não é uma coisa, nem ideia, o corpo é movimento, gesto, linguagem, sensibilidade, desejo, historicidade e expressão criadora”. Assim, concebemos que o corpo é um múltiplo de dimensões que não se fragmentam, mas, ao contrário, se complementam para caracterizar cada sujeito (NÓBREGA, 2010).

Considerações finais

Cada momento do tempo, segundo sua própria essência, põe uma existência viva e intemporal na construção do Ser. Essas experiências encarnam e contemplam o Ser em sua maneira puramente verdadeira, e é possível evocá-las sem precisar pedir autorização a nenhum dos outros tempos, seja passado, presente ou futuro. Essas experiências adquiridas são da mesma forma que sou meu corpo. Elas não estão ali para mim, eu sou assim por elas me serem. Enquanto sou corpo, engajo-me entre as coisas, e atrelo significações a elas. Minha experiência a partir da presença corporal fazem as coisas existirem para mim enquanto sujeito encarnado, o que torna comum que haja uma educação proveniente dessa relação deste corpo, fundado aqui, nos princípios das Artes Marciais. As Artes Marciais ampliam os conceitos de educação expressiva do Ser. Uma educação para a vida. E apresenta elementos significativos para compreender a aprendizagem que se desenrolam durante o tempo, durante o caminho, e se desenvolve a partir do movimento que atrelam acontecimentos e significações ao corpo. Esses corpos nas Artes Marciais, não expressam somente e tão somente movimentos direcionados com um objetivo único. É gesto, ao mesmo tempo em que é expressão, ao mesmo tempo em que é movimento, é educação. É sutil, é belo, é harmônico, é tradição. Também é doloroso, é árduo e trabalhoso. Trata-se de uma dialética de compreender o corpo e o movimento nas Artes Marciais, a partir de uma lógica recursiva em que as ações são complementares, mas, que este corpo em movimento é o ser-no-mundo capaz de aprende as coisas do mundo de forma a trazer sentidos e significados a partir de uma educação sensível. Dessa forma, pensar nas Artes Marciais enquanto aporte filosófico para a formação do indivíduo, aqui pensado no âmbito da educação e do corpo, é deixar-se levar pela obra de um legado que há séculos existe e que permeia toda a vida de seus disseminadores, professores e alunos, Mestres e Discípulos. Pensando assim, a formação integral do Ser aprofunda-se em seus princípios e valores, permitindo que este elabore e reconheça as estruturas que alicerçam toda a fundamentação que norteiam a prática das Artes Marciais, passando a configurar-se não somente como uma prática desgarrada de seus valores, mas se representando como principio fundamental para sua formação e para a vida. Segundo Chaui (1994), filosofia difere da sabedoria de vida ou modo de viver, pois a filosofia deve ser entendida como análise, reflexão, crítica e busca do fundamento e do sentido da realidade em suas múltiplas formas e indagações. Em outras palavras, filosofia é um modo de pensar e exprimir os pensamentos que surgiu especificamente com os gregos e que, por razões históricas e políticas, tornou-se, depois, o modo de pensar e exprimir predominante da chamada cultura ocidental, embora tenha a filosofia dívidas inestimáveis com a sabedoria dos orientais, em particular pelas viagens que colocaram os gregos em contato com os conhecimentos produzidos por aqueles. Por outro lado, sabedoria de vida ou modo de viver tem relação com contemplação do mundo e dos seres humanos para nos conduzir a uma vida justa, sábia e feliz, ensinando-nos o domínio sobre nós mesmos, e é nesse sentido que se fala em “filosofia” do budismo.

Referências 

APOLLONI, Rodrigo Wolff. Shaolin à Brasileira: Estudo Sobre a Presença e a Transformação de Elementos Religiosos Orientais no Kung-Fu Praticado no Brasil. Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004.

BRASIL, Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais 3º e 4º ciclos do Ensino Fundamental: Educação Física. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BREDA, M. et al. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1994.

CHENG, M.C. Tai Chi Chuan, Karlovac: Diorama,2007.

Deshimaru, T. (1983). Zen & arts martiaux. Paris: Albin Michel.

Durix, C. (1978). Artes marciais, Super-homem ou Tatsujin? Do-Revista de artes marciais e cultura oriental, 1, 42-43.

DROIT, R.P. Ética: uma primeira conversa. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

FERRY, L. Kant. Uma leitura das três “Críticas”. 3ª Edição. Rio de Janeiro: DIFEL, 2012.

FORMIGA, Nilton Soares et alli. Agressão e Autoestima: Um Estudo preliminar em Adolescentes Brasileiros. 2008. Disponívelem:www.psicologia.pt/artigos/textos/A0403.pdf.

HUME, D. Investigações sobre o entendimento humano. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

Israel, L. (1998). Cérebro direito, Cérebro esquerdo, Culturas e civilizações. Lisboa: Instituto Piaget.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985.

KANT, I. Metafísica dos costumes. Petrópolis: Vozes, 2013.

KANT, I. Fundamentação metafísica dos costumes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1964.

Kauz, H. (1992). A path to liberation, A spiritual and philosophical approach to the martial arts. Woodstock & New York: The Overlook Press.

MARCONDES, D. Textos básicos de Ética: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

MENDES, Maria Isabel Brandão de Souza; NÓBREGA, Terezinha Petrúcia.Cultura de movimento: reflexões a partir da relação entre corpo, natureza e cultura. Rev. Pensar a prática, vol. 12, nº 2, p. 1-10, maio/ago. 2009.

NIPPON BUDOKAN Foundation. The Martial Ways of Japan.2009.

NOBREGA, Terezinha Petrúcia. Uma fenomenologia do corpo. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2010. ______. Merleau-Ponty: o corpo como obra de arte. Cronos, Natal-RN, vol. 9, nº 2, p. 393-403, jul./dez.

OTRIM, Gilberto. Fundamentos de Filosofia. 15ª Ed. São Paulo: Saraiva 2004.

PACHECO, L.K & NESI, M.J. Filosofia. Palhoça: Unisul Virtual, 2007.

ROUSSEAU, J.J. (Os Pensadores). Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. 3ª Edição. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

Suzuki, Daisetz T. (2005), Zen i samuraji, Karlovac: Dioram.ZIMMER, H. R.(2003) Revisão. Filosofia da India/ compilado por Joseph Campbell; tradução Nilton Almeida, Claudia Bozza e participação de Adriana Césare; versão final Lia. Diskin.Sao Paulo: palas Athena.2 edição 2003.