Motivação para a prática de atividade física em adolescentes do ensino médio

Motivação para a prática de atividade física em adolescentes do ensino médio

Deivid Junior da Silva[1]; Aline Cviatkovski[2]; Juliano Prá[3]; Paulo Pagliari[4]; Rafael Cunha Laux[5]

[1] Graduando de licenciatura do curso de Educação Física – UNOESC, campus  Chapecó.

[2] Mestranda em Psicologia pela IMED. Graduada em Psicologia pela UNOESC Chapecó.

[3] Professor de Educação Básica do Estado de Santa Catarina.

[4] Mestre em Educação. Coordenador do Curso de Educação Física da Unoesc Chapecó.

[5] Mestre em Educação Física pela UFSM. Professor do Curso de Educação Física.  E-mail: rafael.laux@unoesc.edu.br. Autor correspondência.

 

RESUMO

O presente estudo teve como objetivo verificar a motivação para a prática da atividade física em adolescentes do Ensino Médio de Escolas Públicas de Chapecó. Participaram 50 sujeitos de ambos os sexos de uma Escola da Rede Pública Estadual de Chapecó e com idade média de 16,86+ anos. A motivação para a prática de atividade física e o nível de atividade física foram avaliados, respectivamente, por meio do questionário Behavioral Regulation in Exercise Questionnaire (BREQ-3) e Questionário Internacional da Atividade Física (IPAQ). As análises estatísticas descritivas foram realizadas utilizando-se o programa estatístico SPSS® versão 21.0 para Windows. Ao analisar a motivação para prática de atividade física, observou-se que o sexo feminino tem uma motivação introjetada, maior do que a do sexo masculino (P=0,039) e o grupo masculino tem maior índice de motivação integrada do que o sexo feminino (P=0,014). Conclui-se que o perfil motivacional dos alunos do último ano no ensino médio foi representado por meio da motivação introjetada e motivação integrada.

Palavras-chave: Educação Física. Motivação. Atividade Física.

 

ABSTRACT

The present study had as objective to verify the motivation for the practice of the physical activity in adolescents of High School of Public Schools in Chapecó. There were 50 subjects of both sexes of a School of the State Public Network of Chapecó and with average age of 16.86+ years participating in the study. The motivation for the practice of physical activity and the level of physical activity were evaluated, respectively, through the questionnaire Behavioral Regulation in Exercise Questionnaire (BREQ-3) and International Questionnaire of Physical Activity (IPAQ). Descriptive statistical analyzes were performed using the statistical program SPSS® version 21.0 for Windows. When analyzing the motivation to practice physical activity, it was observed that the female sex has an introjected motivation, higher than the male gender (P = 0.039) and the male group has a higher integrated motivation index than the female gender ( P = 0.014). It is concluded that the motivational profile of the students of the last year in high school was represented through the introjected motivation and integrated motivation.

Keywords: Physical Education. Motivation. Physical activity.

 

MOTIVACIÓN PARA LA PRÁCTICA DE ACTIVIDAD FÍSICA EN ADOLESCENTES DE LA ENSEÑANZA MEDIANA

RESUMEN

El presente estudio tuvo como objetivo verificar la motivación para la práctica de la actividad física en adolescentes de la Enseñanza Media de Escuelas Públicas de Chapecó. Participaron 50 sujetos de ambos sexos de una Escuela de la Red Pública Estadual de Chapecó y con una edad media de 16,86+ años. La motivación para la práctica de la actividad física y el nivel de actividad física fueron evaluados, respectivamente, a través del cuestionario de evaluación del comportamiento en el análisis del comportamiento (BREQ-3) y Cuestionario Internacional de la Actividad Física (IPAQ). Los análisis estadísticos descriptivos se realizaron utilizando el programa estadístico SPSS® versión 21.0 para Windows. En el análisis de la motivación para la práctica de actividad física, se observó que el sexo femenino tiene una motivación introyectada, mayor que la del sexo masculino (P = 0,039) y el grupo masculino tiene mayor índice de motivación integrada que el sexo femenino (P = 0,039) P = 0,014). Se concluye que el perfil motivacional de los alumnos del último año en la enseñanza media fue representado por medio de la motivación introyectada y de la motivación integrada.

Palabras clave: Educación Física. Motivación. Actividad física.

 

 

INTRODUÇÃO

A Educação Física é um dos principais componentes no currículo escolar dos adolescentes no ensino médio (GODOY, 2002). Ela implanta características diversificadas, inovadoras em relação à fase cognitiva, social, física, cultural e afetiva em que os adolescentes estão vivendo. No ensino médio, os alunos dividem-se em duas classificações, aqueles que promovem a prática esportiva intensa e formal e os que encontram na Educação Física o lazer e o bem-estar (BETTI; ZULIANI, 2002). O professor de Educação Física tem um papel crucial no desenvolvimento e no aprendizado dos adolescentes, auxiliando no aspecto do bom humor através de atividades físicas motivacionais (MARZINEK, 2004).

O estilo de vida mais ativo e saudável, por meio de práticas de exercícios físicos, se mostra eficaz na prevenção de doenças e na promoção da saúde tanto física quanto mental (WERNECK; NAVARRO, 2011). A motivação se divide em duas categorias na Educação Física, a intrínseca e a extrínseca que se dividem em subcategorias. A motivação intrínseca é fundamentada no conceito do exercício físico realizado por vontade própria (MARZINEK, 2004). É importante ressaltar que a motivação intrínseca não envolve cobranças, o indivíduo realiza atividades de forma que satisfaz suas próprias necessidades (MARTINELLI; DANIEL 2007). Já a motivação extrínseca é quando os exercícios físicos são realizados de forma proposital (MARZINEK, 2004), ela diz respeito a ação que o individuo realiza para ganhar algo em troca, como por exemplo, notas, pontos, medalhas (MARTINELLI; DANIEL, 2007).

A motivação extrínseca de regulação externa é desempenhada através de remuneração, ou para evitar algum problema (DECI; RYAN, 2002) ou quando se sente pressionado a fazê-lo, para não magoar ou descumprir ordens (SOBRAL, 2003). A motivação extrínseca de regulação introjetada é onde o aluno não quer realizar a atividade e faz por alguns propósitos, de vergonha, culpa ou para não contrariar o professor (DECI;RYAN), ou seja, realiza a atividade por imposição própria, podendo ser para superar metas e objetivos implantados por ele mesmo (SOBRAL, 2003). Motivação extrínseca de regulação identificada é quando o aluno tem o comportamento motivado e produz resultados dependendo de sua vontade. Na motivação extrínseca de regulação integrada o aluno é motivado e busca realizar as atividades pelos objetivos pessoais e não pelo prazer das atividades (DECI; RYAN, 2002).

O aspecto que diferencia a atividade física do exercício físico no contexto da motivação, onde a atividade física provoca gastos energéticos acima do nível de repouso do adolescente. O exercício físico é executado no formato de planejamento do movimento e realizado em um período curto de tempo (GODOY, 2002). A prática do exercício físico gera efeitos positivos no adolescente, melhorando o humor, reduzindo o estresse, aumentando sua autoestima com a melhora da eficiência e favorecendo o raciocínio lógico, tornando importante a motivação para a prática de atividade física em adolescentes do ensino médio de escolas públicas. Os adolescentes praticam exercícios físicos por várias razões, que se diferenciam de acordo com a idade, sexo, autoconfiança e satisfação pessoal, para se socializar e para simular objetivos de vida, o esporte pode ser uma oportunidade a ser vivenciada (BARROS, 1993).

Uma adolescência saudável e alegre é extremamente importante contra o sedentarismo e estados de depressão, melhorando a relação entre prática do exercício físico e a motivação para sua realização. As aulas de Educação Física preparam o adolescente para que ele tenha o melhor aproveitamento possível no conceito da prática esportiva, preparando o aluno para ter uma vida mais saudável e ativa (BETTI; ZULIANI, 2002). No ensino médio, a Educação Física se aplica na interação dos alunos nas aulas, bem como no comportamento motivacional onde possui alunos ativos e não ativos fisicamente (PEREIRA; MOREIRA, 2005). Por isso, o objetivo desse estudo é verificar a motivação para a prática da atividade física em adolescentes do Ensino Médio de Escolas Públicas de Chapecó.

 

MÉTODO

O estudo é caracterizado como descritivo (THOMAS; NELSON; SILVERMAN, 2012). Na pesquisa foi obedecido e garantido o anonimato dos alunos participantes, havendo a possibilidade de desistência em qualquer fase do questionário ou de recusa a participar do mesmo. Em conformidade com a Resolução Conselho Nacional de Saúde nº 466/2012 e aprovado no Comitê de ética em Pesquisa da Universidade do Oeste de Santa Catarina pelo CAAE 75327617.9.0000.5367.

Participaram do estudo 50 alunos do último ano no ensino médio de uma Escola da Rede Pública Estadual de Chapecó com idade entre 16 e 18 anos. Para participar do estudo o aluno precisou ter frequência de no mínimo 75% nas aulas do semestre. Os alunos que não se encaixaram nos critérios foram excluídos da etapa da pesquisa. O questionário aplicado foi composto por perguntas para descrição das características da amostra, como idade, sexo, motivação, além de assuntos que influenciam na pesquisa, como o aspecto motivacional diário dos adolescentes sobre os exercícios físicos e o sentimento ao desenvolver uma Atividade Física, sendo aplicado em alunos dos sexos opostos e aqueles que não participam e participam das aulas de Educação Física. A avaliação foi composta pelos questionários Behavioral Regulation in Exercise Questionnaire (BREQ-3) (GUEDES; SOFIATI, 2015), que tem por objetivo avaliar a motivação no exercício físico e o Questionário Internacional da Atividade Física (IPAQ) (MATSUDO et al., 2001), que verifica os níveis de prática de exercício físico.

A coleta dos dados foi realizada no mês de agosto de 2017, nos dias com aulas de Educação Física. O procedimento da coleta foi organizado da seguinte forma: entrega da carta de apresentação na escola, antes de submeter o questionário, ouve uma explanação do assunto, mostrando a importância da pesquisa. Durante o questionário, o avaliador permaneceu na sala para eventuais dúvidas, mas sem o profissional de Educação Física para que os alunos não se sentissem constrangidos durante as respostas.

Para análise de dados utilizou-se estatística descritiva e inferencial. A normalidade foi verificada pelo teste Shapiro-Wilk e as comparações entre os grupos foram realizados pelos testes T e Mann Whithey e a associação no teste Qui-Quadrado. As análises de estatísticas descritivas foram realizadas no software SPSS® (versão 21.0 para Windows) e o nível de significância utilizada foi de 5%.

 

RESULTADOS

Atendendo aos principais objetivos da pesquisa serão apresentados os resultados da estatística descritiva. Realizando a exposição das médias obtidas pelos participantes no questionário de avaliação da motivação. Apresentando as relações previstas entre as diferentes variáveis. Participaram do estudo 50 sujeitos (tabela 1) de ambos os sexos e com idade média de 16,86, divididos em dois grupos de 25 sujeitos cada.

 

Tabela 1: Caracterização dos Alunos das Escolas Públicas. Chapecó, 2017.

Ao analisar o nível de atividade física dos adolescentes IPAQ (tabela 2), na comparação entre os grupos do sexo feminino e masculino, não se observou diferença nos dados.

Tabela 2: Nível de atividade física dos adolescentes (IPAQ).

*P <0,05> no Teste Qui-Quadrado

Ao observar as variações na motivação para prática de atividade física dos adolescentes (tabela 3), percebeu-se que houve duas diferenças na comparação entre o grupo de sujeitos do sexo feminino e do masculino. Notou-se que na motivação introjetada o grupo de sujeitos feminino obteve uma média elevada (M=2,18), acima do parâmetro (P=0,03) e o grupo de sujeitos masculino obteve variação diferente na motivação integrada, com uma média elevada (M=2,15), acima do parâmetro (P=0,01).

 

Tabela 3: Motivação para Prática de Atividade Física dos Adolescentes.

*P <0,05 no Teste T. # P <0,05 no Teste Mann Whithey

 

DISCUSSÃO

Ao verificar-se a motivação para a prática da atividade física dos adolescentes, comparando os sujeitos do sexo feminino e os do masculino, observou-se que a maior motivação que os escolares do sexo feminino possuem é a introjetada e os do sexo masculino é a motivação integrada.

Os resultados desse estudo são diferentes dos resultados de Abreu e Dias (2015), que indicam pontuação diferenciada nas dimensões das motivações. Joly (2011) apresentou fatores motivacionais elevados na motivação intrínseca, que indica a execução dos sujeitos nas atividades físicas por vontade própria. Conforme Fernández (2004), a motivação intrínseca possui aspecto positivo na consequência do bem estar do sujeito. Diferente da amotivação que leva a preditora negativa, em que o sujeito não se mostra motivado, em contraponto, Joly (2011) indicou que na motivação identificada o sujeito realiza as atividades em conformidade com sua vontade durante o dia.

O estudo apresentou variação elevada na motivação introjetada no grupo de estudo de sujeitos femininos, onde este grupo realiza as atividades para não contrariar uma ordem. Os resultados apontados por Vallerand (1997), na motivação intrínseca, identificada, externa e amotivação estão de acordo com os resultados aplicados nesse estudo. A motivação integrada obteve variação elevada no grupo de estudo de sujeitos masculinos, onde o sujeito realiza as atividades para obter objetivos pessoais. Esse resultado está de acordo com Barbosa (2011), o resultado é parecido com o de Abreu e Dias (2015) que possui a mesma linha proposta do estudo.

O estudo apontou que os aspectos da motivação externa, introjetada, identificada, integrada, intrínseca e amotivação citadas pelos autores Abreu e Dias (2015), Joly (2011), Fernández (2004) e Vallerand (1997), possuem a mesma linha de pensamento, mas variam em seus resultados de aplicações devido ao fundamento da motivação dos sujeitos. De acordo com o estudo o índice de autodeterminação obteve o resultado normal ao padrão dos sujeitos avaliados. Este resultado está de acordo com Deci e Ryan, (2000) que indica que os estudantes no ambiente escolar são motivados pelas necessidades psicológicas básicas e totalmente satisfeitas no índice de autodeterminação.

 

CONCLUSÃO

Conclui-se, no grupo estudado, que 44% dos participantes são considerados ativos fisicamente e 56% não atingiram os critérios para serem classificados como suficientemente ativos. Ao comparar-se a motivação para a prática da atividade física entre os sujeitos do sexo feminino e masculino verificou-se que o sexo feminino possui variação na motivação introjetada, na qual realizam a atividade para não contrariar ordens, e o sexo masculino possui variação na motivação integrada, na qual realizam as atividades pelos objetivos pessoais e não pelo prazer das atividades.

 

REFERÊNCIAS

ABREU, Odília; DIAS, I. Qualidade de vida e exercício físico: descrição de uma amostra na ESECS/IPL. PSICOLOGIA, SAÚDE & DOENÇAS. Leiria, Portugal. Julho, 2015.

BARBOSA, Marcus. Autodeterminação no esporte: O modelo dialético da motivação intrínseca e extrínseca. Porto Alegre, 2011.

BARROS, R. Os adolescentes e o tempo livre: lazer – atividade física. In: Coates V, Françoso LA, Beznos GW. Medicina do adolescente. São Paulo – SP, 1993.

BETTI, Mauro; ZULIANI, Luiz Roberto. Educação Física Escolar: Uma Proposta de Diretrizes Pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 2002.

DECI, E. L .; RYAN, R, M. Pesquisa de autodeterminação: reflexões e direção futura. Manual de pesquisa de autodeterminação. Rochester: University of Rochester Press, 2002.

DECI, E. L .; RYAN, R, M. Motivações intrínsecas e extrínsecas: definições clássicas e novas orientações. Psicologia educacional contemporânea, 2000.

FERNÁNDEZ, H; VASCONCELOS-RAPOSO, J; LÁZARO, J; DOSIL, J. Validação e aplicação de modelos motivacionais teóricos no contexto de Educação Física. Caderno de Psicologia do Desporto, 2004.

GAYA, A. ciência do movimento humano. Introdução e metodologia da pesquisa. POA, Artmed, 2008.

GODOY, Rossane Frizzo. Benefícios do Exercício Físico sobre a Área Emocional, 2002.

GUEDES, D.P.; SOFIATI, S.L. Tradução e validação psicométrica do Behavioral Regulation in Exercise Questionnaire para uso em adultos brasileiros. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 20. Num. 4. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.12820/rbafs.v.20n4p397>. Acessado 24 dez. 2015.

JOLY, Maria. Avaliação da escala de Motivação Acadêmica em estudantes paulistas: propriedades psicométricas. São Paulo – SP, 2011.

MARTINELLI, S. C. BARTHOLOMEU, D. Escala de motivação acadêmica: uma medida de motivação extrínseca e intrínseca. Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal; Avaliação Psicológica. Campinas – SP, 2007.

MARZINEK, Adriano. A motivação de adolescentes nas aulas de Educação Física. 2004.89 f. Dissertação (Pós-graduação em Educação Física) – Universidade Católica de Brasília, Brasília 2004.

MATSUDO, S. et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2001.

SOBRAL, D. T. Motivação do aprendiz de medicina: usa da escala de motivação acadêmica. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasilia – DF, 2003.

PEREIRA, R. S.; MOREIRA, E. C. A participação dos alunos de Ensino Médio em aulas de Educação Física: algumas considerações. Revista da Educação Física/UEM, Maringá –PR, 2005.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K; SILVERMAN, S. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

VALLERAND, R. Tornar um modelo hierárquico de motivação intrínseca e extrínseca. Avanços na psicologia social experimental. San Diedo, 1997.

WERNECK, F. Z.; Navarro, C. A. Nível de atividade física e estado de humor em adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2011.

0 respostas

Deixe um Comentário ou Dúvida

Tem algum comentário ou dúvida sobre o artigo?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *